Projeto FX-2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Saab JAS 39 Gripen NG foi o modelo escolhido pelo Governo Brasileiro

O Projeto FX-2 ou Programa FX-2 é um programa de reequipamento e modernização da frota de aeronaves militares supersônicas da FAB - Força Aérea Brasileira, criado em 2006 no governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em substituição ao programa anterior, denominado Projeto FX, após acréscimos de vários requisitos e uma mudança nos requisitos estabelecidos no então Projeto FX, na época considerado problemático e pouco ambicioso.

O Projeto FX-2 foi criado a partir do Projeto FX, foi remodelado, e em 2006 o Governo Brasileiro anunciou a concorrência visando à compra de 36 unidades de um modelo de aeronave de superioridade aérea. Enquanto o Projeto FX projetava gastos iniciais de US$ 700 milhões, o Projeto FX-2 previa inicialmente gastos de US$ 2,2 bilhões a US$ 3 bilhões, mas exigia transferência completa de tecnologia, e mais recentemente passou a incluir o requisito de direito de produção sob licença da aeronave no Brasil e de exportação para o mercado sul-americano.[1]

Devido à repercussão dessa licitação, que pode incluir a aquisição posterior do Brasil de mais aeronaves do mesmo modelo vencedor da concorrência, essa tem sido considerada a mais importante aquisição de aeronaves militares da década na América Latina. Essa compra teria esse peso pois vários países que estavam para definir suas compras adiaram suas decisões finais para esperar o anúncio da decisão brasileira. Isto porque a aeronave comprada pelo Brasil ficaria mais atraente em termos de preço, dada a economia em escala da produção de um número maior de unidades.

Após mais de dez anos de discussão, no dia 18 de dezembro de 2013 foi anunciado que o Governo Brasileiro optou pela aquisição do Saab JAS 39 Gripen NG, em um pacote de 36 aviões, inicialmente por US$ 4,5 bilhões.[2]

A concorrência[editar | editar código-fonte]

Durante a concorrência, vários tradicionais fabricantes de aeronaves militares dos Estados Unidos, da Europa Ocidental e da Rússia, chegaram a oferecer propostas para participar da concorrência FX-2:

Inicialmente os aviões considerados como favoritos eram o grande e potente caça russo Sukhoi Su-35 e o avançadíssimo caça francês Dassault Rafale, este com fuselagem e asas fabricadas quase inteiramente em material composto [3] [4] .

Desde o início, participava da concorrência o modelo americano F/A-18 E/F Super Hornet da Boeing (um derivado melhorado do seu antecessor F/A-18 C/D Hornet), participava também o agilíssimo e moderno JAS 39 Gripen C/D, da sueca Saab (que utiliza turbina Volvo RM-12, licenciada da General Electric americana), considerados inicialmente candidatos com chances reduzidas devido às restrições de transferência tecnológica e direitos de fabricação que os Estados Unidos impõem, historicamente, até mesmo a grandes aliados como Israel e Reino Unido.

O caso das restrições impostas pelos Estados Unidos sobre o Brasil, impedindo a venda do turboélice de ataque leve Super Tucano à Venezuela, pesaram para que, já no primeiro Projeto FX, a oferta do F-16 Fighting Falcon da Lockheed Martin americana fosse descartada.

Porém, posteriormente, em 2008, a Saab passou a oferecer na mesma concorrência FX-2, o modelo de caça derivado do antecessor JAS 39 Gripen C/D, o moderníssimo JAS 39 Gripen NG, conhecido também como JAS 39 Gripen E/F.

Uma curiosidade, o modelo de motor turbofan General Electric F414G que impulsiona o monomotor Saab JAS 39 Gripen NG é praticamente o mesmo que impulsiona o grande e potente bimotor F/A-18 E/F Super Hornet.

A exclusão do Sukhoi[editar | editar código-fonte]

Sukhoi Su-30 da força aérea da Rússia.

Para surpresa de analistas, em 2008 a FAB anunciou que a aeronave russa Sukhoi Su-30 estava fora da disputa final no Projeto FX-2[5] [6] [7] [8] [9] [10]

O episódio causou polêmica, analistas afirmavam que o acordo para a venda do avião russo era melhor naquele momento, por incluir transferência total de tecnologia do avião, menor preço de aquisição, completa assistência técnica, além de diversos acordos econômicos e científicos que seriam assinados entre os dois países.

As relações políticas internacionais permearam as disputas pela aquisição do caça brasileiro desde o início do Projeto FX e do Projeto FX-2 e, tudo indica, ajudam a explicar a exclusão dos russos da concorrência e a inclusão do F/A-18E/F Super Hornet na shortlist.

Os Estados Unidos já haviam vetado a venda de aviões Super Tucano da Embraer à Venezuela em 2003, pela existência de componentes americanos, como o motor turbohélice fabricado pela Pratt & Whitney, o Pratt & Whitney PT6A-25C , utilizado no avião brasileiro. Este episódio desagradou alguns estrategistas brasileiros pois resultou na aproximação da Venezuela com a Rússia, que vendeu uma aeronave muito superior ao governo venezuelano, o Sukhoi Su-30.

Até 2005, o Sukhoi Su-30 era considerado o favorito para o Programa FX brasileiro, o antecessor do Programa FX-2. A aquisição venezuelana tornou-se um problema para o Programa FX, pois a FAB - Força Aérea Brasileira acreditava que seria possível adquirir o Sukhoi Su-30 como aeronave de superioridade aérea regional, ou seja, uma aeronave tecnologicamente superior às adquiridas pelos países vizinhos da América do Sul. Isso já levara a FAB à descartar o F-16 Fighting Falcon, aeronave adquirida pelo Chile e em estudo pela Colômbia.[11] [12]

A aquisição pela Venezuela do Sukhoi Su-30 MKV e de mais uma frota de F-16 C/D Block 50 pelo Chile foram considerados elementos decisivos para explicar o abandono do Projeto FX, encerrado oficialmente em 24 de fevereiro 2005, antes de sua substituição pelo Projeto FX-2. A partir de 2006, a FAB - Força Aérea Brasileira adquiriu 12 caças Mirage 2000C usados, pertencentes à Força Aérea Francesa, por US$ 57 milhões, para que fosse possível continuar tendo, de forma provisória, capacidade de defesa do espaço aéreo brasileiro enquanto se definiam os detalhes da concorrência para o Projeto FX-2.

Apenas após concluída a aquisição das aeronaves francesas usadas, em 7 de novembro de 2007, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva autorizou o brigadeiro Juniti Saito (comandante da Aeronáutica) a iniciar o programa de renovação da frota de aeronaves para a FAB - Força Aérea Brasileira, a partir de janeiro de 2008.

A concorrência do FX-2 incluiu inicialmente 6 aeronaves, o que foi reduzido pela metade em novembro de 2008. A partir desta etapa, apenas 3 aeronaves participariam da fase final da concorrência. O avião russo foi excluído da etapa final, em detrimento do F/A-18E/F americano, que até então não era considerado um candidato sério devido às restrições de transferência tecnológica que os EUA sempre impõem, mesmo aos seus aliados.

A exclusão do Sukhoi da concorrência chegou a ser rediscutida, mas não foi reconsiderada, mesmo diante da oferta russa de desenvolver um novo caça de 5ª geração em conjunto com a Embraer.[13]

A etapa final do Projeto FX-2[editar | editar código-fonte]

F/A-18 em evento de comemoração do 30o aniversário da aeronave.

Em fevereiro de 2009 começou o processo de avaliação final das questões técnicas e políticas envolvendo a concorrência para o FX-2, comparando as vantagens e desvantagens de cada uma das três ofertas finais (Boeing, Saab e Dassault).[14]

Em abril de 2009 a Embraer chegou a cogitar a possibilidade de adquirir parte da Saab, com aporte do BNDES, o que potencialmente encerraria a discussão em torno da aquisição do FX-2.[15] Entretanto, o acordo não foi concluído e a concorrência continuou normalmente.

Em 7 de setembro de 2009, o Presidente Lula declarou que o acordo Brasil-França de aquisição de material bélico francês, incluindo submarinos e a transferência tecnológica para a construção do casco de um novo submarino nuclear, também incluiria o Rafale desde que a empresa Dassault confirmasse as promessas feitas pelo presidente francês, de transferência tecnológica irrestrita e licença para produzir e exportar o avião para a América do Sul.[16] [17] [18] [19] O Presidente Lula fez questão de esclarecer que a preferência pelo Rafale não encerrava a concorrência, que os detalhes técnicos estavam sendo levados em consideração mas que a decisão final era político-estratégica, portanto da Presidência da República.[20]

O Ministério da Defesa estendeu o prazo para as ofertas finais das empresas até 02 de outubro de 2009 e deve anunciar o resultado final do relatório técnico no mesmo mês.[21] O lobby das empresas participantes da concorrência continua intenso[22] [23] [24] [25] [26] [27] e as ofertas foram melhoradas até o último instante.[28]

Em dezembro de 2009, o presidente Lula confirmou[29] que a decisão final sobre qual caça seria comprado para a re-aparelhagem da FAB só sairia em 2010.

Em 5 de Janeiro de 2010, foi noticiado na imprensa que o relatório final de avaliação pela Força Aérea Brasileira colocou o JAS-39 Gripen à frente dos outros dois candidatos. O fator decisivo foi, aparentemente, o custo global dos novos caças, tanto em termos de custo unitário, e custos de operação e manutenção.[30] [31] Porém a versão final do relatório do COPAC em conformidade com a END não trazia uma hierarquia dos concorrentes, como aconteceu na anterior. Ainda assim, ele expõe as vantagens dos caças Rafale e F-18 Super Hornet, como os fatos dessas aeronaves serem projetos já construídos e testados, deixando o Gripen NG como uma incógnita.

Disputas internacionais e a hipótese de sabotagem[editar | editar código-fonte]

Uma semana antes do anúncio do resultado final da concorrência considerada a mais importante da década, dois aviões franceses do tipo Rafale caíram misteriosamente no Mediterrâneo, levantando suspeitas de sabotagem industrial. A hipótese de sabotagem vem sendo considerada pela França, após uma série de acidentes aéreos com aeronaves da Airbus nos últimos três anos, que incluiu a descoberta de um caso de sabotagem ao detector de fumaça de um avião da Air France que estava em Dusseldorf, na Alemanha, em 9 de junho de 2009[32] .

Propostas finalistas[editar | editar código-fonte]

Em 11 de setembro de 2009, a FAB emitiu esclarecimento[33] sobre o F-X2 detalhando os pontos relevantes na avaliação das propostas recebidas. As cinco prioridades de avaliação foram:

  1. Transferência de tecnologia;
  2. Domínio do sistema de armas pelo Brasil;
  3. Acordos de compensação e participação da indústria nacional (offset);
  4. Técnico-operacional; e
  5. Comercial.

Segundo artigo publicado na Folha de São Paulo, em 15 de outubro de 2009, em uma audiência pública na Câmara, representantes da Dassault, Boeing e Saab reconheceram que a transferência de tecnologia não seria irrestrita. Dentro desse contexto, torna-se importante o conhecimento das propostas oferecidas pelas três empresas finalistas.[34]

Rafale F3[editar | editar código-fonte]

Dassault Rafale.

Em sua proposta inicial, a Dassault oferecia, além da transferência de tecnologia e da implantação de uma linha de montagem em parceria com a Embraer e outras 10 empresas brasileiras, um custo de manutenção para os Rafales equivalente ao dos Mirage 2000 já adquiridos pela FAB.

Eric Trappier, presidente da Rafale Internacional, prometeu que os aviões comprados seriam entregues em, no máximo, três anos e que a tecnologia do caça seria transferida a pelo menos uma dezena de empresas brasileiras que são parceiras da Rafale Internacional – um consórcio integrado também pelas empresas Snecma (fabricante das turbinas) e Thales (equipamentos eletrônicos, radares e sistemas de defesa).

Seriam produzidos no Brasil, inicialmente, as asas (pela Embraer), os componentes eletrônicos do radar de última geração e as peças de manutenção dos motores. Outros componentes necessários às adaptações exigidas pela FAB viriam a ser produzidos no Brasil também.

Em 13 de novembro de 2009 O Globo noticiou que a Dassault estava disposta a transferir a tecnologia do Rafale irrestritamente, incluindo os códigos-fonte dos aviônicos[35] . Segundo o almirante Edouard Guillard, chefe do estado-maior particular do presidente da república francês, a oferta atual da Dassault sai da chamada transferência de tecnologia para a cessão de segredos industriais.

F/A-18E/F Super Hornet[editar | editar código-fonte]

O F-18 americano.

Em 30 de setembro, a Boeing detalhou seu programa de transferência de tecnologia oferecido ao Brasil[36] . O pacote oferecido pela Boeing cobre as tecnologias empregadas no Super Hornet, tecnologias estratégicas para o Brasil no que diz respeito a autonomia nacional e tecnologias capazes de impulsionar o desenvolvimento econômico brasileiro.

Além de garantir o acesso as tecnologias já existentes no caça, o acordo também incluiu a modernização da integração de sensores AESA, FLIR e sistemas de designação de alvos, modernização dos sistemas de comunicação e de rede e a possibilidade de integração de novas armas.

O programa incluiu o apoio e manutenção dos aviões no Brasil, com a transferência dos trabalhos realizados ao país. Engloba também o apoio à pesquisa no campo de aerodinâmica supersônica, através do fornecimento ao Brasil de um túnel de vento tri-sônico.

Um possível problema que ameaça a intenção estratégica de transferência de tecnologia é o risco de embargos e de veto por parte do governo americano, como demonstrado no incidente[37] da venda, pelo Brasil, de Super Tucanos para a Venezuela, quando tal negociação foi vetada pelos EUA devido à presença de peças de fabricação americana na aeronave (como a turbina). Bob Gower, vice-presidente da empresa responsável pelo F-18 Super Hornet, quando questionado em audiência pública sobre o porquê da proposta da Boeing citar transferência "necessária" e não "irrestrita", disse: "Isso significaria dar acesso a cada pequena peça. Se tivermos um chip Intel, não podemos dar acesso aos senhores. Solicitamos a eles [permissão para transferir], e eles nos disseram que era simples: "Basta comprar a nossa empresa'".

JAS-39 Gripen NG[editar | editar código-fonte]

Gripen da força aérea sueca.

A Saab propõe[38] um compartilhamento no desenvolvimento do avião. As capacidades essenciais a serem compartilhadas pelas equipes do Brasil e Suécia devem ser integração de armamento, integração do motor, de sistemas, possibilidade de projetar, enlace de dados, seção de reflexão ao radar, integração de sistemas comerciais, radar, aerodinâmica, avaliações e testes, sobrevivência, desenvolvimento de programas de computador, integração de sistemas táticos, sistema de gravação de dados, funções de navegação[39] .

Na fabricação propôs‐se a participação brasileira na produção de 40% dos componentes, esses componentes ainda serão usados nos caças a serem produzidos posteriormente na Suécia tanto para a Força Aérea da Suécia como para outros clientes. O Brasil deverá ser responsável pela fabricação do sistema de rastreamento infravermelho, o sistema de display, o data link e o trem de pouso.

Uma das críticas feitas ao caça da sueca Saab, o Gripen, é que ele tem dois terços do avião fabricados em outros países (aproxidamente 30% do avião possui componentes norteamericanos), e que isso dificultaria os processos de transferência de tecnologia para o Brasil. Uma das críticas à proposta da Saab é que a turbina do Gripen, um modelo Volvo Aero Corporation RM12 (um turbofan de 80 KN (18.000 lb) de empuxo) é uma versão fabricada sob licença da turbina americana da General Electric F-404-400, o que praticamente inviabiliza a transferência desta tecnologia vital para a fabricação da aeronave[40] .

Entretanto, alguns avaliam que devido ao fato deste ser o avião mais leve dos três, seria o ideal para a Marinha utilizar em seu porta-aviões, o São Paulo, que tem uma catapulta para até 13.640 kg, que seria mais próximo do peso médio e máximo do Gripen (carregado) do que dos outros aviões.

Comparativo
Rafale F3 JAS-39
Gripen NG
F/A-18E
Super Hornet
Origem França Flag of France.svg Suécia Flag of Sweden.svg Estados Unidos Flag of the United States.svg
Fabricante Dassault Saab-BAE Boeing
Dimensões (m) 10,9 x 15,3 x 5 8,4 x 14 x 4,5 13,6 x 18,3 x 4,8
Peso vazio 10,100 Kg 5,700 Kg 13,900 Kg
Peso máx. para decolagem (carregado) 24.500 Kg 16.500 Kg 29.930 Kg
Carga bélica 9.000 Kg 7.300 Kg 8.000 Kg
Alcance sem tanque externo 1.850 Km 900 Km 2.346 Km
Alcance máx. com tanque externo 3.125 Km 4.070 Km 3.700 Km
Raio de ação de combate (missão de ataque com tanques extras) 1.850 Km 1.800 Km 1.231 Km
Tipo de Motor bimotor monomotor bimotor
Motor / Potência 2 turbinas Snecma M88-3 / 87 kN 1 turbina GE F414G / >97,8 kN 2 turbinas GE F414-400 / 97,8 kN
Velocidade máx. 2.125 Km/h 2.470 Km/h 2.190 Km/h
Altitude máx. 16.800 m 15.240 m 17.000 m
Armamento 1 canhão DEFA de 30mm
mísseis MICA e SCALP
bombas LGB
1 canhão Mauser 27mm
mísseis AIM9 Sidewinder
AIM-120 AMRAAM
1 canhão M61A1 Vulcan 20mm
mísseis AIM-9X Sidewinder
AIM-120 AMRAAM
Preço estimado US$ 90 a 110 milhões US$ 50 a 60 milhões US$ 60 a 70 milhões
Proposta Transferência tecnológica de tudo que foi pedido pela FAB, possibilidade de ser montado no Brasil e direitos de fabricação para vender na América do Sul Transferência tecnológica de todos os componentes suecos do avião (turbina e alguns aviônicos são de outros países), integração de vários tipos de mísseis, parceria na venda para todo o mundo. Venda direta. Possibilidade de transferir algumas tecnologias, dependendo da aprovação do Congresso Americano.

A posição da Embraer[editar | editar código-fonte]

Em 2009, o a Embraer junto com a FAB, considerou o Gripen a melhor opção para a empresa estabelecer uma parceria estratégica, devido a possibilidade de transferência tecnológica. A proposta foi avaliada preliminarmente a pedido da FAB e, segundo o vice-presidente-executivo para o mercado de defesa da empresa, Orlando José Ferreira Neto, a oferta da empresa sueca Saab assegura ao Brasil o conhecimento e a agregação de tecnologia. Ferreira Neto ainda afirmou que não há interesse em fabricar peças, mas sim dominar o conhecimento, que será útil no desenvolvimento de futuras aeronaves, isso é claro, além de futuramente a Embraer poder o modernizar mais ainda, substituindo partes não suecas, entre motores e outros instrumentos, fato abonado pelos suecos.[41]

Resultado[editar | editar código-fonte]

Gnome globe current event.svg
Esta seção é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar rapidamente.
Editado pela última vez em 19 de agosto de 2014.

Após mais de dez anos de discussão, no dia 18 de dezembro de 2013 foi anunciado que o governo brasileiro optou pela aquisição do Gripen NG, em atendimento a FAB, ainda aos seus futuros projetos, para a aquisição de um pacote de 36 aviões, inicialmente por US$ 4.5 bilhões.[2]

Pela proposta da Saab, cerca de 40% do caça Gripen e até 80% da sua estrutura serão feitos no Brasil, através de uma nova fábrica que a Saab pretende construir em São Bernardo do Campo (SP). A Saab também adquiriu 15% de participação no capital social da Akaer, que irá projetar a fuselagem central, traseira e as asas do avião.[42]

Em julho de 2014 foi assinado um memorando de entendimento com o objetivo de uma parceria entre a Embraer Defesa e Segurança e a Saab no projeto.[43]

Bibliografia: notícias[editar | editar código-fonte]

Aeronáutica inicia análise das ofertas do projeto F-X2, Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, 2 de fevereiro de 2009, http://www.fab.mil.br/portal/capa/index.php?mostra=2292 .

Referências

  1. Estadão, 19/11/2007, http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20071119/not_imp82184,0.php .
  2. a b Após mais de dez anos, Dilma escolhe caças suecos para a FAB. Folha de São Paulo (18 de dezembro de 2013).
  3. Folha de São Paulo (BF2Brasil), http://www.bf2brasil.com/forum/archive/index.php/t-45590.html .
  4. "Rússia e França acirram disputa pelo mercado de defesa do Brasil e da AS", Defesa Brasil, seg, 1/12/2008 .
  5. Asas, http://www.revistaasas.com.br/index.php?ASA=show_news&id=723&LE=atual .
  6. "Lockheed Martin e Sukhoi ainda têm esperanças no FX-2", Tecnologia & Defesa, 14 de abril de 2009, http://www.tecnodefesa.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=599:lockheed-martin-e-sukhoi-ainda-tem-esperancas-no-fx-2&catid=35:noticias&Itemid=55 .
  7. "Sukhoi Su-35, o preferido dos pilotos e entusiastas brasileiros", Poder Aéreo, 4 de setembro de 2008, http://www.aereo.jor.br/?p=472 .
  8. "O FX-2 do Rafale: confirmado Rafale F3", DefesaBR .
  9. "FAB seleciona três finalistas para concorrência de compra de caças", G1 (Globo), 1/10/2008, http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL781215-9356,00.html .
  10. Comando da Aeronáutica pré-seleciona candidatos do projeto F-X2, Comando da Aeronáutica, Ministério da Defesa, 21/11/2008, http://www.fab.mil.br/portal/capa/index.php?mostra=1526 .
  11. "Russos devem vencer licitação F-X da FAB", A Folha de São Paulo, 28/03/2004, http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u59579.shtml .
  12. Projeto FX BR – Força Aérea Brasileira, Military Power, http://www.militarypower.com.br/projeto%20fx.htm .
  13. "Rússia admite participação da Embraer no seu caça de 5ª geração", Poder Aéreo, 7 de abril de 2009, http://www.aereo.jor.br/?p=5553 .
  14. Aeronáutica inicia análise das ofertas do projeto F-X2, Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, http://www.fab.mil.br/portal/capa/index.php?mostra=2292 .
  15. BACOCCINA (6/5/2009), "Internacionalização: O voo alto da Embraer", Dinheiro (Istoé) (604) 
  16. "Rafale: destaques da cooperação e transferência tecnológica ao Brasil", Poder Aéreo, 8 de agosto de 2009, http://www.aereo.jor.br/?p=10580 .
  17. "O FX-2 do Rafale: confirmado Rafale F3!", Defesa BR, setembro 2009, http://www.defesabr.com/Fab/fab_novofx.htm .
  18. "Brasil é o primeiro comprador internacional do Rafale", Poder Aéreo, 9 de setembro de 2009, http://www.aereo.jor.br/?p=11943 .
  19. "Detalhes relevantes do Rafale para o FX-2", Poder Aéreo, 9 de setembro de 2009, http://www.aereo.jor.br/?p=11974 .
  20. AQUINO, Yara (11 de setembro de 2009), "Decisão sobre compra de caças será política e estratégica, diz Lula", Agência Brasil, http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/09/11/materia.2009-09-11.0417104992/view .
  21. FAB adia para 2 de outubro entrega de propostas do F-X2, Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, 21 de setembro de 2009, https://www.defesa.gov.br/mostra_materia.php?ID_MATERIA=33437 .
  22. NETTO, Andrei; CHADE, Jamil (1 de outubro de 2009), "Governo discutirá compra de caças em viagem à Suécia", O Estado de S. Paulo, http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,governo-discutira-compra-de-cacas-em-viagem-a-suecia,444314,0.htm .
  23. "O presidente da empresa sueca Saab, Åke Svensson, fala sobre a proposta final apresentada ao governo brasileiro para venda de 36 aviões de combate", Agência Brasil, 2 de outubro de 2009, http://www.agenciabrasil.gov.br/media/imagens/2009/10/02/133000EF0210090556.jpg/view .
  24. LEITÃO, Thais (28 de Setembro de 2009), "Jobim diz que não cabe à Embraer opinar sobre compra de caças pela FAB", Agência Brasil, http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/09/28/materia.2009-09-28.8200602406/view .
  25. "Comissão de Relações Exteriores do Senado recebe representantes franceses para tratar da proposta da França para venda de 36 aviões de combate à Força Aérea Brasileira", Agência Brasil, 2 de outubro de 2009, http://www.agenciabrasil.gov.br/media/imagens/2009/10/01/1700jc5491a.jpg/view .
  26. CHAGAS, Marcos (1 de outubro de 2009), "Executivo sueco espera que escolha de caças por governo brasileiro seja técnica", Agência Brasil, http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/10/01/materia.2009-10-01.7987238270/view .
  27. RICHARD, Ivan (1 de outubro de 2009), "Empresa francesa busca parceiros no Brasil para fabricar caça Rafale", Agência Brasil, http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/10/01/materia.2009-10-01.6276560014/view .
  28. Agência Brasil, 2 de outubro de 2009, http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/10/02/materia.2009-10-02.9546900583/view .
  29. "Lula confirma que decisão sobre caças ficará para 2010", Defesa BR, 2009‐12‐14, http://defesabr.com/blog/index.php/14/12/2009/lula-confirma-que-decisao-sobre-cacas-ficara-para-2010/presidente .
  30. "FAB prefere caça sueco a francês", A Folha de São Paulo (Folha da Manhã), http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u674679.shtml .
  31. "Gripen favorit i Brasilien" (em sueco), DN (SE), http://www.dn.se/ekonomi/gripen-favorit-i-brasilien-1.1022692 .
  32. "Air France denuncia sabotagem em detector de fumaça de avião", G1 (Globo), 16/06/2009, http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1196776-5602,00-AIR+FRANCE+DENUNCIA+SABOTAGEM+EM+DETECTOR+DE+FUMACA+DE+AVIAO.html .
  33. "FX-2", Defesa net (FAB), 2009‐9‐11, http://www.defesanet.com.br/fx2/fab_11set09.htm .
  34. (JPEG) F-X2, Google, http://4.bp.blogspot.com/_AxCuBauiBF0/SWNdETtl1EI/AAAAAAAABd8/B1YqZFkBWeY/s1600-h/f-x2.JPG .
  35. "Caças na reta final da concorrência: Dassault oferece itens adicionais para tentar vender Rafale para o Brasil", O Globo (Globo), 2009‐11‐13, http://oglobo.globo.com/pais/mat/2009/11/13/cacas-na-reta-final-da-concorrencia-dassault-oferece-itens-adicionais-para-tentar-vender-rafale-para-brasil-914743381.asp# .
  36. "Boeing F18", FX-2, Defesa net, http://www.defesanet.com.br/fx2/bo_f18_7.htm .
  37. "Pouso forçado: Embraer", Istoé (Terra), http://www.terra.com.br/istoedinheiro/435/economia/pouso_forcado_embraer.htm .
  38. "Transferência de Tecnologia: Ilimitada, Necessária, Real", Defesanet, 25/9/2009, http://www.defesanet.com.br/fx2/tech_transfer.htm .
  39. (JPEG) Saab Gripen NG BR, Defesa net, http://www.defesanet.com.br/yy/saab/gripen_ng_br.jpg .
  40. O caça Gripen: Resumo Técnico, Saab, http://www.gripen.com/pt/GripenFighter/TechnicalSummary.htm .
  41. Embraer é favorável à compra de caças suecos. Valor.com.br (28/09/2009).
  42. Brasil escolhe caça sueco Gripen NG; vitória beneficia Embraer e Akaer. Valor.com.br (18 de dezembro de 2013).
  43. Embraer e Saab serão parceiras na gestão conjunta do Projeto F-X2 no Brasil. Embraer (11 de julho de 2014). Página visitada em 11 de julho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]