Protesilau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Janeiro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Protesilau (em grego: Πρωτεσίλαος) é um dos personagens da Guerra de Troia (mitologia grega)

A lenda[editar | editar código-fonte]

Protesilau, cujo nome significa "o primeiro a saquear", era príncipe da Tessália e filho de Ificlos. Imediatamente após seu casamento com Laodâmía, ele juntou-se à expedição grega que partia para atacar Troia.

Um oráculo havia profetizado que o primeiro grego a pisar em terras troianas seria também o primeiro grego a morrer na guerra.[1] No momento do desembarque, o astucioso Odisseu (Ulisses) lançou seu escudo sobre a praia e saltou sobre ele. Mas Protesilau pisou na terra e, depois de matar quatro homens[2] , acabou sendo o primeiro a tombar na luta, havendo versões diferentes sobre o guerreiro troiano que o matou: teria sido Heitor ou Euforbo.

Quando Laodâmía soube da morte do marido, caiu em uma prostração tão profunda que os deuses se apiedaram dela e permitiram que Protesilau voltasse do Hades, para se despedir da esposa, durante três horas. Ao cabo desse tempo, ele partiu outra vez e ela, desesperada, suicidou-se.

Ao terminar a guerra, os gregos instituíram festas (ou jogos) em honra ao guerreiro: as Protesilíadas.

Pausânias, citando o épico Cípria, comenta a coincidência de três gerações sucessivas de esposas que se mataram após a morte dos maridos: sua esposa se chamava Polidora, e era filha de Meleagro e Cleópatra, filha de Idas e Marpessa.[3]

Referências

  1. Higino. Fabulae, 103
  2. Higino. Fabulae, 114
  3. Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 4.2.7
  • Bowder, Diana. Quem foi quem na Grécia Antiga, São Paulo: Art Editora/Círculo do Livro S/A, s/d
  • Homero, Ilíada, tradução do grego de Frederico Lourenço, ISBN 972-795-118-X