Pseudo-história

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.

Pseudo-história é um termo pejorativo aplicado a textos que pretendem ser históricos, mas que não seguem as convenções historiográficas e do método histórico. Geralmente essas atribuições têm a intenção de enfraquecer as conclusões do texto.

As obras que extraem conclusões polêmicas derivadas de provas novas, especulativas e não aceitas, especialmente no terreno dos assuntos nacionais, políticos, militares e religiosos, são freqüentemente consideradas como pseudo-históricas e, portanto, rejeitadas.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Posto que pseudo-história é um rótulo, mais que um movimento intelectual auto-definido, é impossível uma definição clara. Apesar disso, foram construídos alguns critérios:

  • Se a obra tem um direcionamento político ou religioso.
  • Se não está publicada em uma revista acadêmica ou que não tenha sido adequadamente submetida ao processo de revisão por pares.
  • Se as provas para os pontos-chave que fundamentam a tese do trabalho forem:
    • especulativas;
    • controversas;
    • não baseadas em fontes corretas ou adequadas;
    • interpretadas de uma maneira não justificável;
    • delibere um peso inexplicável;
    • se encontrem fora do texto;
    • manipuladas, seja de maneira inocente, acidental ou fraudulenta;
    • não forem citadas as explicações ou interpretações contrárias (e mais simples) para os mesmos fatos, adequadamente submetidas à revisão por pares e baseadas em fontes fiáveis;
    • se o trabalho se baseia em uma ou várias teorias conspiratórias ou explicações baseadas no suposto ocultamento dos fatos, quando o princípio da navalha de Ockham recomenda uma explicação mais simples, prosaica e verossímil dos acontecimentos.

Críticas[editar | editar código-fonte]

A existência do conceito de pseudo-história presume que existe um método historiográfico correto e uma única versão verdadeira e objetiva dos fatos históricos. Esta concepção é incompatível com certas teorias metafísicas, especialmente o relativismo cultural e sua visão dos assuntos históricos, que rejeita a noção de qualquer verdade fora de linguagem (Veja, por exemplo, Richard Rorty Contingency, Irony, and Solidarity.)

Exemplos de pseudo-história[editar | editar código-fonte]

Alguns exemplos de pseudo-história freqüentemente citados:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Em inglês