Pseudoarqueologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Erich von Däniken (esquerda) e Graham Hancock (direita) são dois dos autores da pseudoarqueologia com mais livros publicados.

Pseudoarqueologia (também chamada arqueologia fantástica, arquelogia de culto - em inglês cult archaeology, e criptoarqueologia)[1] é arqueologia pseudocientífica, com interpretação não seguindo o método científico de relíquias, materiais e sítios, os quais podem ou não representar dados arqueológicos genuínos. Hipóteses arqueológicas, escavações de sítios e publicações que não estão em conformidade com a metodologia padrão aceita na arqueologia são geralmente consideradas falhas e sob a categoria de pseudoarqueologia.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. S. Williams, "Fantastic archaeology: What should we do about it?", in Francis B. Harrold and Raymond A. Eve, Cult Archaeology and Creationism: Pseudoscientific Beliefs About the Past (University of Iowa Press) 1987; J. Cole, "Cult archaeology and unscientific method and theory", in Advances in Archaeological Method and Theory 3 (1980:1-33).

Ver também[editar | editar código-fonte]