Ptolemeu XV

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Maio de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ptolemeu XV
Cesarion
Faraó
Caesarion.jpg
Suposto busto de Cesarion
Governo
Antecessor Cleópatra
Casa Real Ptolemaica
Vida
Nome completo Ptolemeu XV Caesar
Nascimento 23 de Junho de 47 a.C.
Morte agosto de 30 a.C. (17 anos)
Alexandria (suposta)
Sepultamento ignorado
Pai Júlio César (suposto)
Mãe Cleópatra

Ptolemeu XV Caesar (23 de junho de 47 a.C.agosto de 30 a.C.) foi o último faraó da Dinastia ptolemaica do Egito Antigo. Também conhecido como Cesarião ou Cesarion (do latim Caesarion, "pequeno César") era tido por filho da faraó Cleópatra e de Júlio César, embora o romano jamais tenha reconhecido, publicamente, sua paternidade.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Cesarion nasceu no Egito e sua mãe, a rainha Cleópatra, sempre afirmou que ele era filho do ditador romano Júlio César. Mas ainda que o menino pudesse ostentar traços fisionômicos de seu suposto pai e talvez tenha sido autorizado a usar seu nome [1] , César nunca reconheceu, oficialmente, ter um filho natural, razão pela qual veio a adotar seu sobrinho, Otaviano, como seu herdeiro. Um panfleto que circulou em Roma àquela época [notas 1] , tentava provar que César não poderia ser o pai de Cesarion. Além disso, o fato de Cleópatra comparar sua relação com o filho, à da deusa egípcia Ísis com seu filho milagroso, Horus [2] , tornava a questão ainda mais controvertida.

Cesarion passou dois de seus primeiros anos, 46 a.C.-44 a.C., em Roma, onde ele e sua mãe eram convidados oficiais do governo romano, ou seja, de Júlio César. Mas quando o ditador foi assassinado, em 15 de março de 44 a.C., ambos tiveram que retornar, apressadamente, ao Egito.

Aos três anos (em 2 de setembro de 44 a.C.), Cesarion foi nomeado co-regente do trono egípcio, mas é pouco provável que tenha tido algum papel político relevante, haja vista a concentração de poder exercido por sua mãe.

Cleópatra e Cesarion

Quando Cleópatra e Marco Antônio estavam juntos, ele foi beneficiado pelas chamadas "Doações de Alexandria" (34 a.C.), sendo proclamado "rei dos reis" - um título grandioso "sem precedentes na gestão das relações cliente-rei romano" e que "poderia ser visto como ameaça à grandeza do povo romano".[3]

Após a batalha de Áccio (31 a.C.) e consequente invasão do Egito pelas forças de Otaviano, Cleópatra enviou Cesarion, com um grande tesouro, para o porto de Berenice, no mar Vermelho, provavelmente pretendendo fazê-lo chegar à Índia, onde encontraria refúgio.

As circunstâncias da morte do suposto filho de César nunca ficaram plenamente esclarecidas. A hipótese mais aceita - sustentada, inclusive, por Plutarco - é a de que ele, após os suicídios de Marco Antônio e Cleópatra, se tenha deixado enganar pela promessa de assumir o trono do Egito, como herdeiro de sua mãe,[notas 2] tendo retornado a Alexandria, onde foi preso e executado por ordem de Augusto.

Cesarion, que se dizia ser o filho de Cleópatra com Júlio César, foi enviado por sua mãe, com um grande tesouro, para a Índia, por meio da Etiópia. Mas seu tutor, Teodoro, persuadiu-o a voltar, com o fundamento de que Otávio César o convidara para tomar o reino."

—Plutarco. Vida de Antônio.

Notas

  1. Atribuído a Gaius Oppius, um partidário de César.
  2. Ainda que na condição de rei tributário do Império Romano.

Referências

  1. Duane W. Roller. Cleópatra: A Biography. Oxford University Press, 2010, pp.70-3.
  2. Duane W. Roller. Cleópatra: A Biography, Oxford University Press, 2010, pp.70-3.
  3. Meyer Reinhold. Studies in classical history and society, Oxford University Press, 2002, p.58.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • PLUTARCO. Vida de Antônio]].
  • CLAYTON,Peter. Chronicle of the Pharaohs. 1994. ISBN 0-500-05074-0
  • PEYRAMAURE, Michel. Divina Cleópatra. Belo Horizonte: Itatiaia, 1960
Precedido por
Ptolemeu XIV e
Cleópatra
Faraó
Dinastia Lágida
com: Cleópatra
Sucedido por
-