Purina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde junho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Portal A Wikipédia possui o portal:
Purina
Alerta sobre risco à saúde
Purine chemical structure.png
Nome IUPAC 7H-purine
Identificadores
Número CAS 120-73-0
PubChem 1044
ChemSpider 1015
MeSH Purine
SMILES
Propriedades
Fórmula molecular C5H4N4
Massa molar 120.112
Ponto de fusão

214 °C

Compostos relacionados
Purinas relacionados Xantina (3,7-diidro-purina-2,6-diona)
Adenina (6-aminopurina)
Guanina (2-amino-1H-purina-6(9H)-ona)
Compostos relacionados Benzimidazol (N apenas no anel pentagonal)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

As purinas são bases nitrogenadas (denominadas então bases púricas), compostos orgânicos heterocíclicos. São compostas por um anel pirimidínico fundido a um anel imidazólico.

Duas das bases dos ácidos nucleicos, a adenina e a guanina, são purinas. No ADN, estas bases unem-se às pirimidinas complementares, a timina e a citosina, através de pontes de hidrogénio.

As bases púricas são pouco solúveis em água em pH neutro e o principal metabólito de sua degradação é o ácido úrico. A produção excessiva de ácido úrico, devido à degradação destas bases, pode causar a hiperuricemia.

Purinas notáveis[editar | editar código-fonte]

A quantia de purinas encontradas na natureza é enorme, visto que 50% das bases nitrogenadas encontradas nos ácidos nucléicos, a adenina e guanina, são purinas. No ADN, essas bases formam pontes de hidrogênio com as bases pirimídicas complementares, timina e citosina. No RNA, a base complementar da adenina é a uracila ao invés da timina.

Outras purinas a serem citadas são a hipoxantina, xantina, teobromina, cafeína, ácido úrico e isoguanina

Funções[editar | editar código-fonte]

Além de serem utilizadas na síntese de DNA e RNA, as purinas são componentes importantes de várias biomoléculas, como o ATP, GTP, AMPc, NADH, e Coenzima A. Segundo a Regra de Chargaff, a proporção de bases púricas no Dna é de 60% (A=G) e de bases pirimídicas é de 40% (C=T).

Síntese[editar | editar código-fonte]

Ribose 5-fosfato, produzido na via das pentoses-fosfato, reage com ATP formando AMP e 5-fosforibosil 1-pirofosfato (PRPP). O PRPP é utilizado na síntese de purinas e pirimidinas, na recuperação destas bases e na síntese de NAD. Este PRPP reage com glutamina, formando 5-fosforibosilamina + glutamato + pirofosfato. A reação é catalisada pela Glutamina PRPP amido transferase, e é a principal reação reguladora da biossíntese de purinas (é irreversível). Através de outras reações há formação de IMP, que poderá formar Adenilsuccinato ou XMP. O adenilsuccinato forma AMP, que forma ADP para depois formar ATP; o XMP forma GMP, GDP e posteriormente GTP.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Bioquímica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.