Pyrus bourgaeana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaCatapereiro
Flores de Pyrus bourgaeana

Flores de Pyrus bourgaeana
Classificação científica
Reino: Plantae
Superdivisão: Spermatophyta
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Subclasse: Rosidae
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Género: Pyrus
Espécie: P. bourgaeana
Nome binomial
'''Pyrus bourgaeana'''
Decaisne, 1871
Pyrus bourgaeana arbol.jpg
Pyrus bourgaeana DehesaBoyalFlowerscloseup.jpg
Fruto (pera) e folhas de Pyrus bourgaeana.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pyrus bourgaeana

O Pyrus bourgaeana, popularmente chamado de catapereiro, carapeteiro, pereira-brava, pereiro-bravo, cachapirro, escalheiro-manso ou escalheiro-preto, é uma espécie vegetal de porte arbóreo e espermatófita que pertecence ao género Pyrus e à família Rosaceae.

Localização[editar | editar código-fonte]

É uma planta típica do bosque mediterrânico e encontra-se acompanhado de azinheiras (Quercus ilex), geralmente junto a cursos de água. Encontra-se principalmente nas partes ocidentais e central da Península Ibérica, sendo rara no terço norte, e no noroeste de África (Marrocos).

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome aceite é Pyrus bourgaeana (Decaisne 1871-72).

Outros nomes:

  • Pyrus communis raça bourgaeana (Decaisne) Ascherson & Graebner, sin. Mitteleur. 1906
  • Pyrus communis subsp. bourgaeana (Decaisne) Nyman, 1878
  • Pyrus communis var. bourgaeana (Decaisne) Laguna, 1890

Heterotipos:

  • Pyrus communis raça mariana (Willkomm) Ascherson & Graebner, Syn. Mitteleur 1906
  • Pyrus communis subsp. mamorensis (Trabut) Maire, 1980
  • Pyrus communis subsp. mariana (Willkomm) Ascherson & Graebner, Syn. Mitteleur. Fl. 6(2): 64 1906
  • Pyrus communis var. brevipetiolata Coutinho 1913
  • Pyrus communis var. longipetiolata Coutinho 1913
  • Pyrus communis var. mariana Willkomm 1852
  • Pyrus communis var. marianica Willkomm ex Rivas Goday 1959, nom. inval.
  • Pyrus communis var. subrotundata Coutinho, Fl. Portugal 290 (1913)
  • Pyrus mamorensis Trabut 1916
  • Pyrus mamorensis var. brevipes Emberger & Maire 1932
  • Pyrus mamorensis var. eumamorensis Maire 1932, nom. inval.
  • Pyrus marianica Rivas Goday 1956, nom. nud.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O catapereiro é uma árvore de pequeno porte, caducifólia, por vezes arbustivo, com ramos espinhosos e em disposição aberta. As folhas são ovais, dentadas e apresentam um pecíolo grande.

Prefere solos siliciosos, frescos e húmidos e clima temperado, embora se adapte bem a condições de frio e gelo.

Floresce de fevereiro a marços e as suas flores apresentam-se me grupos de umbelas, com cinco sépalas e cinco pétalas brancas ou suavemente rosadas, com numerosos estames.

O fruto é carnudo, em forma de pera quase esférica e com polpa farinhenta. A sua maturação rem lugar no outono. Uma vez caídos da árvore, os frutos são consumidos por diversos mamíferos selvagens (carnívoros, ungulados e lagomorfos) que por vezes atuam como dispersores das sementes.

Usos[editar | editar código-fonte]

O seu principal uso é para base de enxertia de outras árvores de fruto nas zonas onde se encontra. Os frutos são de sabor muito áspero e normalmente não são consumidos. A sua madeira é apreciada.

Fontes e bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Texto inicialmente baseado na tradução do artigo «Pyrus bourgaeana» na Wikipédia em espanhol (acessado nesta versão).
  • Tormo Molina, Rafael. El piruétano (em espanhol). Plantas en Extremadura. Universidade da Estremadura. Página visitada em 2010-10-26.
  • Pyrus bourgaeana. hvr.utad.pt. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Flora Digital de Portugal (2007). Página visitada em 2010-10-26.
  • J. A. Devesa. 1995. Vegetación y flora de Extremadura. Ed. Univérsitas, Badajoz, 773 pp., ISBN 84-88938-03-9
  • J.M. Fedriani, M. Delibes (2009) Seed dispersal in the Iberian pear Pyrus bourgaeana: a role for infrequent mutualists. Ecoscience 16: 211-221
  • J. M. Fedriani, M. Delibes (2009) Functional diversity in fruit-frugivore interactions: a field experiment with Mediterranean mammals. Ecography 32: 983-992
  • M. García Rollá. 1985. Claves de la flora de España Vol.II. Ed. Mundi-Prensa
  • M. Peinado Lorca, S. Rivas-Martinez (1987) La vegetación de España. Colección Aula abierta
  • B. Valdés, S. Talavera, E. Fernández-Galiano. 1987. Flora vascular de Andalucía occidental Vol.2. Ed. Kepres Editora