Q, O Caçador de Hereges

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde fevereiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Q, O Caçador de Hereges é um romance de Luther Blissett publicado originalmente em italiano em 1999. A acção passa-se na Europa do século XVI e enquadra-se nos movimentos da Reforma Protestante.

O pseudónimo multiusuário Luther Blissett foi utilizado por quatro autores italianos (Roberto Bui, Giovanni Cattabriga, Federico Guglielmi e Luca Di Meo) para escrever este romance, e actualmente escrevem sob o pseudónimo de Wu Ming.

O romance foi traduzido para várias línguas. Todas as edições mantêm a declaração original de copyright que permite a reprodução do livro com fins não comerciais.

Resumo da obra[editar | editar código-fonte]

O livro acompanha a vida de um radical Anabatista pela Europa durante a primeira metade do século XVI, à media que este participa em vários movimentos e insurreição que ocorrem em vários locais na Europa. A acção prolonga-se ao longo de 30 anos, sendo o protagonista perseguido ao longo da vida por Q, um espião ao serviço do cardeal Giovanni Pietro Carafa. O personagem principal, que muda de nome várias vezes ao longo da trama, luta inicialmente na Guerra dos Camponeses ao lado de Thomas Muentzer, depois encontra-se no cerco de Münster durante a Rebelião de Münster, passando pela Holanda, Suíça e Veneza (Itália).

Interpretações e Controversia[editar | editar código-fonte]

Em toda a Europa, principalmente no Reino Unido, o livro é muitas vezes analisado do ponto de vista político e há quem afirme que este é uma alegoria da sociedade europeia após o declínio dos movimentos de protesto dos anos 1960 e 70 do século XX. Assim como no século XVI a Contra-Reforma reprimiu qualquer corrente teológica diferenciada ou movimento social radical, e a Paz de Augsburgo sancionou a divisão do continente europeu entre Católicos e Protestantes, assim também nos últimos 20 anos do século XX foram marcados por um forte renascimento de ideologias conservadoras e pela globalização da economia pelas grandes corporações minando qualquer resistência.

Esta interpretação irradia dos próprios autores que descrevem a obra como um manual de sobrevivência, o que pode dar-nos uma luz reveladora sobre o final do livro. O herói acaba finalmente encontrando refúgio no meio dos muçulmanos do Império Otomano.

Esta é apenas uma das muitas interpretações que foram feitas após a publicação da obra. De acordo com outros leitores Q, O Caçador de Hereges é uma autobiografia de Luther Blissett, retratando-o como uma personagem subversiva com uma identidade colectiva que altera ao longo do tempo. De facto nunca chegamos a saber o verdadeiro nome do protagonista (devemos aqui ter em conta que mas tarde os autores formaram um novo pseudónimo literário chamado Wu Ming, que é mandarim para sem nome), que este envolve-se em vários tumultos, incita o povo à rebelião, inventa falsas ameaças e falsos profetas.

Tanto o romancista Stewart Home e David Liss consideram esta obra um anti-romance. Outros leitores consideram Q, O Caçador de Hereges é acima de tudo um romance de aventura.

Personagens e Acontecimentos[editar | editar código-fonte]

Guerra dos Camponeses:

Rebelião de Münster:

Antuérpia:

Veneza:

Edições[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]