Quando Eu Era Vivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Quando Eu Era Vivo
Quando Eu Era Vivo (PT)
 Brasil
2012 • cor
Direção Marco Dutra
Produção Rodrigo Texeira
Rapahael Mesquita
Roteiro Marco Dutra e Gabriela Amaral Almeida
Elenco Antônio Fagundes
Sandy Leah
Marat Descartes
Tuna Dwek
Lourenço Mutarelli
Gilda Nomacce
Kiko Bertholini
Helena Albergaria
Gênero Drama
Idioma Português
Música Gabriela Cunha
Marco Dutra
Cinematografia Ivo Lopes Araújo
Edição Juliana Rojas
Estúdio RT Features e Camisa Treze
Distribuição Vitrine Filmes[1]
Lançamento 31 de janeiro de 2014[2]
Orçamento 1,5 Milhões R$
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Quando Eu Era Vivo é um filme brasileiro produzido por Rodrigo Teixeira e Raphael Mesquita nos estúdios de RT Features/Camisa Treze e dirigido e escrito por Marco Dutra e Gabriela Amaral Almeida em 2012, que está previsto para ser lançado em 31 de janeiro de 2014.[3] O longa é uma adaptação do livro de Lourenço Mutarelli, chamado A Arte de Produzir Efeito Sem Causa [4] .

Antônio Fagundes, Marat Descartes, Sandy Leah interpretam os papéis centrais do longa. Gilda Nomacce, Kiko Bertholini, Helena Albergaria, Rony Koren, Tuna Dwek, Eduardo Gomes, Lilian Blanc, Carlos Albergaria, Marc Libeskind, Carla Kinzo, Caetano Gotardo e Lourenço Mutarelli fazem pequenas participações durante o filme.[5] .

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Júnior (Marat Descartes) volta a morar com a família depois que perdeu o emprego e se separou da esposa. Ao chegar na casa que um dia já foi seu lar, ele se sente um estranho e passa seus dias no sofá do velho Sênior (Antônio Fagundes) remoendo a separação, o desemprego e sonhando com a jovem inquilina Bruna (Sandy Leah). Após achar alguns objetvos que pertenciam à sua mãe, Júnior passa a querer saber tudo sobre a história da famíla e desenvolve uma estranha obsessão pelo passado, passando confundir delírio e realidade [6] .

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sandy Leah interpretou Bruna.
Antônio Fagundes interpretou Sênior.
Elenco Original [7] [8]
Ator Papel
Antônio Fagundes Sênior
Marat Descartes Júnior
Sandy Leah Bruna
Gilda Nomacce Miranda
Kiko Bertholini Pedro
Helena Albergaria Olga
Rony Koren Paulinho
Tuna Dwek Lurdinha
Eduardo Gomes Zuzu
Lilian Blanc Enfermeira
Carlos Albergaria Júnior (Criança)
Marc Libeskind Pedro (Criança)
Carla Kinzo Silmara
Caetano Gotardo Silmar
Lourenço Mutarelli Donato
Wilhelmina McFadden Carol

Produção[editar | editar código-fonte]

Quando o diretor Marco Dutra leu o romance A Arte de Produzir Efeito sem Causa, de Lourenço Mutarelli, considerou a obra "inadaptável" para o cinema. Cinco anos depois, o cineasta, com Juliana Rojas de Trabalhar Cansa (exibido no Festival de Cannes em 2011), transforma a "verborrágica" relação entre pai e filho em um longa de horror psicológico. Filmado inteiramente num apartamento na Avenida São Luiz, no centro de São Paulo, o longa poderia ser um primo (ou sobrinho) paulistano de O Iluminado um dos clássicos do diretor Stanley Kubrick. O personagem Júnior, interpretado pelo o ator Marat Descartes é um homem de trinta e poucos anos que se separa da mulher e volta a morar com o pai Sênior, que é interpretado por Antônio Fagundes. A medida que revira a memória da mãe morta, o divorciado entra em uma espiral sombria de demência na qual realidade se confunde com ilusão. "O filme de Kubrick é a primeira referência que me vem à cabeça, inclusive por causa do visual do meu personagem", diz o ator Marat Descartes, com uma peruca de dar inveja, a Jack Torrance, o personagem de Jack Nicholson no thriller. "Há também a mesma sensação de claustrofóbica". Marco Dutra e a corroteirista Gabriela Amaral Almeida, tiveram a liberdade e a permissão do autor para mudar o necessário e incluir este clima Dark."A sensação é de que havia elementos bons de trabalhar a dramaturgia. Esto curioso para ver a reação de quem leu a obra, ainda mais nesses tempos de Harry Potter, em que tudo precisa ser muito fiel" diz Marco Dutra. O orçamento do filme teve em média 1,5 milhões, um orçamento pouco baixo em vista de outros filmes[9] [10] .

Crítica[editar | editar código-fonte]

Segundo a crítica de Lucas Salgado, de AdoroCinema, "Quando Eu Era Vivo" é o primeiro trabalho solo do diretor Marco Dutra, conhecido pelos curtas O Lençol Branco, Um Ramo e As Sombras, e pelo o longa-metragem "Trabalhar Cansa", todos estes trabalhos foram realizado em parceria com a também cineasta e roteirista Juliana Rojas, que desta vez, está como montadora do novo projeto.

Além de brincar com elementos de horror brasileiros e contos urbanos, como a utilização do boneco do Fofão, Marco Dutra apresenta referências diretas ao clássico "O Iluminado", de Stanley Kubrick. Logo no início, há uma tomada no rosto mal barbeado de Marat Descartes que remete diretamente ao de Jack Nicholson, isso sem falar na mudança de atitude do personagem ao longo da produção e na peruca utilizada. Além disso, temos crianças assustadoras (em dose dupla) e um passado pouco explorado. O longa conta com momentos realmente aterrorizantes, conduzidos com precisão pelo diretor. A montagem de Rojas e a fantástica trilha instrumental contribuem para os momentos de tensão tanto quanto as atuações. O roteiro de Dutra e Gabriela Amaral Almeida também merece destaque ao criar personagens interessantes e situações nada previsíveis. O diretor ainda aproveita bem a presença de Sandy Leah para utilizá-la em momentos que a música é de importância fundamental no filme. Protagonista da telenovela Amor à Vida (que teve seu fim no mesmo dia de estréia do filme), Antônio Fagundes assume um personagem marcado pela vida, mas ao mesmo tempo doce. Ele está incomodado com a situação e com a estranheza do filho, mas ao mesmo tempo o ama e quer o melhor para ele. É uma bela obra sobre a relação entre pai e filho". [11]

Escolha do elenco[editar | editar código-fonte]

Parte do público ao olhar o cartaz do filme, pode ficar com um "pé atrás" sobre o trabalho da atriz e cantora Sandy Leah por conta de seu último trabalho em Acquária, que não foi muito bem recebido pelo o público mas experiente em cinema. Porém, o diretor Marco Dutra revelou a escolha de Sandy Leah, Antônio Fagundes e Marat Descartes para os papéis principais do longa. Em uma entrevista para o Purecine, Marco Dutra diz que "ficou dividido, porque 2% acreditava que as pessoas achariam estranho e 98% tinha certeza que essa aposta daria certo", ainda completou: "Eu tenho uma relação com a Sandy de infância. Mal ou bem, a minha geração cresceu junto com a dela. Resolvi arriscar, os produtores ficaram receosos no começo, mas depois ficou tudo tranquilo". Marco Dutra ainda acrescentou: "A voz é fundamental... fizemos testes com atrizes não cantoras, e a 'faísca' demorou a surgir, até que mandamos o roteiro pra Sandy, achávamos que ela não ia topar fazer, mas foi o contrário. Ela adorou o roteiro, ficou conquistada!" lembrou Dutra. Mesmo quando ainda não foi oficialmente convidado para o papel principal do longa, Marat confessa ter ficado imediatammente enlouquecido quando leu o roteiro. "Eu vou fazer de qualquer forma, não tem escapatória. E foi maravilhoso fazer", contou Marat.[12] [13] Antes de Marat Descartes, o ator cotado era Fábio Assunção para viver o personagem Júnior, porém ele se desligou da produção por conta do rítmo das gravações do seriado Tapas & Beijos.[14] [15]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Em sua primeira semana, o filme dirigido por Marco Dutra e estrelado por Marat Descartes, Sandy Leah e Antônio Fagundes teve uma vendagem total de 2.789 ingressos em todo o Brasil. O número pode ser considerado como bom, pois o filme foi lançado em apenas algumas cidades do estado de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Em sua segunda semana de estréia, o filme chegará aos cinemas de cidades do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás, etc. [16]

Trilha Sonora [17] [editar | editar código-fonte]

  • "Overture" (Guilherme Garbato, Marco Dutra)
  • "Bonequinho de Papel" (Guilherme Garbato, Gustavo Garbato) - Intérprete: Eduardo Gomes
  • "Call me" (Guilherme Garbato, Gustavo Garbato) - Intérprete: Sandy Leah
  • "Pertinho de Você (1978)" (Hugo Belardi) - Intérprete: Elizângela
  • "Quando a Noite Cai" (Marco Dutra, Sandy Leah) - Intérprete: Sandy Leah
  • "Serpente da Noite" (Guilherme Garbato, Marco Dutra, Caetano Gotardo) - Intérprete: Sandy Leah e Marat Descartes
  • "Quando Eu Era Vivo" (Marco Dutra, Caetano Gotardo) - Intérprete: Sandy Leah, piano por Marco Dutra
  • "Tema de Bruna" (Guilherme Garbato, Gustavo Garbato)
  • "Tema de Miranda" (Guilherme Garbato, Gustavo Garbato)
  • "Canon em Ré Maior (Music Box)" (Johann Pachelbel)
  • "Blue Sexy Nights (Ringtone)" (Guilherme "Xibrusk" Schildberg)
  • "Tocata e Fuga em Ré Menor" (Johann Sebastian Bach) - Piano por Marc Libeskind
  • "Serpente de Vidro" (Guilherme Garbato, Gustavo Garbato)
  • "Manicômio" (Guilherme Garbato, Marco Dutra)
  • "Temas Rituais" (Guilherme Garbato, Marco Dutra) - Piano por Guilherme Garbato e Marco Dutra

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Adorocinema. Quando Eu Era Vivo (créditos). Página visitada em 24 de novembro de 2013.
  2. Uol. Trailer "Quando Eu Era Vivo". Página visitada em 18 de novembro de 2013.
  3. Uol. Trailer "Quando Eu Era Vivo". Página visitada em 18 de novembro de 2013.
  4. Marcelo Hessel. Saem primeiras fotos de Sandy no filme de terror "Quando eu Era Vivo". Página visitada em 14 de junho de 2013.
  5. Redação Revista Rollingstone (12 de março de 2013). Divulgadas as primeiras fotos de "Quando eu Era Vivo", filme estrelado por Sandy. Página visitada em 14 de junho de 2013.
  6. Adorocinema.com. Quando eu Era Vivo no Adoro Cinema. Página visitada em 14 de junho de 2013.
  7. Quando Eu Era Vivo no IMDB. Página visitada em 14 de junho de 2013.
  8. Interfilmes (site oficial). Quando Eu Era Vivo. Página visitada em 24 de novembro de 2013.
  9. Rodrigo Salem (11 de março de 2013). Com Sandy, Quando Eu Era Vivo" inaugura safra de filmes de suspense. Página visitada em 14 de junho de 2013.
  10. Adorocinema. Quando Eu Era Vivo: Você Sabia?. Página visitada em 24 de novembro de 2013.
  11. Lucas Salgado (31 de janeiro de 2014). Quando Eu Era Vivo: Críticas AdoroCinema. Página visitada em 01 de fevereiro de 2014.
  12. Purecie (Entretenimento MSN) (30 de janeiro de 2014). Diretor de Quando Eu Era Vivo diz que Sandy foi a escolha certa para o Filme. Página visitada em 01 de fevereiro de 2014.
  13. Último Segundo IG. Intuí que Sandy seria uma presença forte diz diretor de Quando Eu Era Vivo. Página visitada em 01 de fevereiro de 2014.
  14. Patrícia Kogut (17 de agosto de 2012). Fábio Assunção deixa elenco do filme Quando Eu Era Vivo. Página visitada em 01 de fevereiro de 2014.
  15. MSN Brasil (17 de agosto de 2012). Fábio Assunção deixa elenco do filme Quando Eu Era Vivo. Página visitada em 01 de fevereiro de 2014.
  16. Bilheterias da semana. Página visitada em 05 de fevereiro de 2014.|autor=AdoroCinema.com
  17. IMDb. Quando Eu Era Vivo (2014) - Soundtracks - IMDb. Página visitada em 14 de janeiro de 2014.