Quinta do Bill

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Quinta do Bill
Quinta do Bill 1.JPG
Quinta do Bill, em 2005
Informação geral
Origem Tomar
País  Portugal
Gênero(s) Folk rock, pop rock
Período em atividade 1987 - actualmente
Gravadora(s) Dansa do Som, Universal, Polygram
Integrantes
Carlos Moisés (vocalista, guitarra e flauta)
Carlos Calado (guitarra)
Paulo Bizarro (baixo)
Jorge Costa (bateria)
Miguel Urbano (teclas)
Ex-integrantes
Fernando Paulo

Quinta do Bill é um grupo musical português, de folk rock, formado em 1987, perto de Tomar.

O grupo é caracterizado por um estilo próprio, ecléctico mas facilmente distinguível, com influências diversas, sendo a mais óbvia a da música tradicional celta, ainda que se possam referir influências também da própria música popular portuguesa ou do Jazz. O nome do grupo refere-se ao local onde os primeiros elementos do grupo se reuniam para ensaiar - a quinta de um certo Senhor Guilherme. Os primeiros membros do grupo eram Carlos Moisés (vocalista, guitarra e flauta), Rui Dias (na guitarra) e Paulo Bizarro (no baixo). Mais tarde, juntaram-se ao grupo João Coelho (na bateria), Pedro Ferreira (teclas) e Fernando Paulo, que abandonou o grupo poucos meses depois.

História[editar | editar código-fonte]

As letras dos primeiros trabalhos do grupo eram escritas por Ana Vieira e José Morgado. A partir de 1989, Carlos Moisés, o compositor dos temas, começa a trabalhar em parceria com o letrista João Portela. 1990, o mesmo ano em que Pedro Ferreira foi substituído nas teclas por Alfredo Fonseca, marca o início da notoriedade pública do grupo, com a vitória no Concurso Aqui Del' Rock, da responsabilidade da RTP (graças à qual gravam o seu primeiro disco), além de terem chegado às meias-finais do Concurso Rock Pepsi - RFM.

O primeiro disco, Sem rumo (selo Dansa do Som) foi publicado em 1992. No mesmo ano, nota-se uma certa evolução na sonoridade do grupo, no sentido de uma música de raízes populares multi culturais, com a inclusão do banjo, tocado por Paulo Jorge, que viera substituir Rui Dias na guitarra. A inclusão do violino e viola de arco, com Nuno Flores, em 1993 e do acordeão, com Pedro Pimentel (também nas teclas), vem confirmar esta tendência que será a imagem de marca do grupo. No mesmo ano, fazem um contrato com a Polygram, depois de terem composto a demo de um dos seus êxitos mais importantes «Os filhos da nação». O produtor Frank Darcel (que fizera parte do grupo musical Marquis de Sade, e que foi também o produtor de Pascal O' Bispo, Etienne Daho e GNR) interessa-se, então, pelo grupo.

O sucesso de «Os filhos da nação» é retumbante e levará à marcação de vários concertos por toda a extensão de Portugal. Fazem em 1994 a primeira parte de um concerto de Bryan Adams, no estádio de Alvalade, onde o público exige entusiasticamente um encore. No ano seguinte, começam a trabalhar no disco No trilho do sol, depois de Paulo Jorge ter sido substituído por Carlos Calado. O disco é produzido, com letras e composição da dupla Moisés/Portela, e com a produção assumida pelo próprio Carlos Moisés.

Carlos Moisés

Em 1996, o próprio grupo assume a gerência dos seus concertos. O ponto alto acontece na Festa do Avante!, perante 40,000 espectadores que se deixam envolver pelo ambiente tribal de No trilho do sol e pela veia mais romântica, mas bem aplaudida pela crítica e pelo público, de «Se te amo».

O ano seguinte é marcado pela produção do disco Dias de cumplicidade, em referência à cumplicidade estabelecida entre Moisés e Portela na criação dos temas musicais. O novo disco será produzido em conjunto com Juan Ignacio Cuadrado e será gravado em Madrid, já com Miguel Urbano nas teclas e acordeão, depois de ter substituído Pedro Pimentel.

Em 1999, é editado um álbum de compilação que incluirá ainda os temas inéditos «Ao pé de mim (vem repousar)» e «Fim do Mundo». Neste ano integram o álbum de comemoração dos vinte anos dos Xutos & Pontapés, designado por XX Anos XX Bandas, com o tema «Homem do leme».

Depois da formação do grupo Corvos, com Nuno Flores, o grupo admitiu a primeira presença feminina, com a violinista Dalila. No inicio de 2006, Nuno Flores deixa definitivamente a banda para se dedicar em exclusivo aos Corvos.

No final de 2006 o grupo lança um novo disco A Hora das Colmeias, o oitavo da carreira, com quinze canções originais.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Compilações e Álbuns ao Vivo[editar | editar código-fonte]

Participações[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Quinta do Bill


Flag of Portugal.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical de Portugal, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.