Quinto Concílio de Constantinopla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Quinto Concílio de Constantinopla é o nome dado por alguns ao Quinto Concílio de Constantinopla (692), chamado de Concílio Quinissexto, e por outros para uma série de seis concílios patriarcais realizados em Constantinopla entre 1341 e 1351 para tratar da controvérsia hesicasta. Eles são conhecidos em conjunto como "concílios hesicastas" ou "concílios palamitas", pois discutiram a teologia de Gregório Palamas, a quem Barlaão de Seminara desafiou no primeiro da série e outros nos concílios seguintes. O resultado final dos seis é aceito como tendo autoridade ecumênica pela Igreja Ortodoxa[1] , que também o chama, por vezes, de Nono Concílio Ecumênico. Os principais defensores desta visão de que os seis concílios formam um concílio ecumêncio inclui o metropolita Hierotheos (Vlachos) de Naupacto, John S. Romanides e George Metallinos.

Os concílios[editar | editar código-fonte]

Gregório Palamas, o proponente da doutrina hesicasta, tema do Quinto Concílio.
Ícone russo.

Conforme foi se tornando claro que a disputa entre Barlaão e Palamas era irreconciliável e iria requerer o julgamento de um concílio episcopal, uma série de concílios patriarcais foi realizada em Constantinopla em 10 de junho de 1341, agosto de 1341, 4 de novembro de 1344, 1 de fevereiro de 1347 e 28 de maio de 1351 para tratar do assunto[2] .

A disputa sobre o hesicasmo apareceu primeiro num concílio realizado em Constantinopla em maio de 1341 e presidido pelo imperador bizantino Andrônico III Paleólogo. A assembleia, influenciada pela veneração com que os escritos de Pseudo-Dionísio eram tidos na Igreja Ortodoxa, condenou Barlaão, que abjurou seu ponto de vista.

O principal defensor de Barlaão, o imperador Andrônico III, morreu apenas cinco dias após o final do sínodo e, embora Barlaão esperasse por uma segunda chance de apresentar seu caso contra Gregório Palamas, ele logo percebeu a futilidade de sua causa e partiu para a Calábria, sua terra natal, onde ele se converteu ao catolicismo e foi apontado como bispo da Diocese de Gerace[3] .

Após a partida de Barlaão, Gregório Acindino se tornou o maior crítico do palamismo. Um segundo concílio se realizou em Constantinopla em agosto de 1341 e condenou Acindino, além de reconfirmar as decisões do concílio anterior. Porém, ele e seus defensores conseguiram uma curta vitória no terceiro concílio, realizado em 1344, onde ele excomungou Palamas e um de seus discípulos, o bispo eleito de Tessalônica e futuro patriarca, Isidoro Buchiras[4] . Tanto Palamas quanto Buchiras abjuraram suas posições neste concílio.

Em 1347, porém, o protetor de Palamas e Buchiras, João VI Cantacuzeno tomou Constantinopla e forçou seus oponentes a coroarem-no co-imperador. Em fevereiro do mesmo ano, um quarto sínodo foi realizado, que depôs o patriarca João XIV Calecas e excomungou novamente Acindino. Isidoro Buchiras, que tinha sido excomungado no terceiro sínodo, foi agora elevado a patriarca. No mesmo mês, o grupo barlaamita realizou um contra-concílio que se recusou a aceitar Isidoro e excomungou Palamas. Com a morte de Acindino em 1348, a causa anti-palamita continuou agora sob a liderança de Nicéforo Gregoras.

Em maio de 1351, um concílio patriarcal conclusivamente exonerou Palamas e condenou seus oponentes[3] . Este sínodo ordenou que os metropolitas de Éfeso e Ganos fossem depostos e apriosionados. Todos os que se recusassem a se submeter à visão ortodoxa seriam excomungados e mantidos sob vigilância em suas residências. Uma série de anátemas foram pronunciados contra Barlaão, Acindino e seus seguidores, enquanto que, ao mesmo tempo, uma série de aclamações foram declaradas em favor de Palamas e os aderentes de sua doutrina[5] .

Gregoras se recusou a se submeter aos ditames do sínodo e foi preso num mosteiro até o triunfo dos paleólogos em 1354 (no final da guerra civil da década de 1350) e o fim de Cantacuzeno.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Tradition in the Orthodox Church (em inglês). Greek Orthodox Church in Amerca. Página visitada em 09/09/2011.
  2. Gregory Palamas: Historical Timeline (em inglês)
  3. a b Gregory Palamas: An Historical Overview (em inglês). Monachos. Página visitada em 09/09/2011.
  4. Fortescue, Adrian. Hesychasm (em inglês). New York: Robert Appleton Company, 1910. vol. VII. Página visitada em 2008-02-03.
  5. Martin Jugie. The Palamite Controversy (em inglês). Página visitada em 12-28-2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]