Quirguistão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Кыргыз республикасы
(Kyrgyz Respublikasy)

República Quirguiz
Bandeira do Quirguistão
Selo da República Quirguiz
Bandeira Brasão de armas
Lema: não tem
Hino nacional: Кыргыз Республикасынын Мамлекеттик Гимни
("Hino Nacional da República Quirguiz")
Gentílico: quirguiz, guirguizes;
guirguistanês, guirguistanesa;
guirguizistanês, guirguizistanesa

Localização do Quirguistão

Localização do Quirguistão
Capital Bisqueque
42° 52' N 74° 34' E
Cidade mais populosa Bisqueque
(Pop. 2005: 800 000)
Língua oficial Quirguiz e russo
Governo República parlamentarista
 - Presidente Almazbek Atambaiev
 - Primeiro-ministro Joomart Otorbayev
Independência da União Soviética 
 - Declarada 31 de agosto de 1991 
 - Completada 25 de dezembro de 1991 
Área  
 - Total 199.951[1] km² (86.º)
 - Água (%) 3,6
 Fronteira Cazaquistão, China, Tajiquistão e Usbequistão
População  
 - Estimativa de 2005 5.300.000[1] hab. (111.º)
 - Censo 1999 4 896 100 hab. 
 - Densidade 26 hab./km² (176.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2005
 - Total US$ 10,764 bilhões USD (134.º)
 - Per capita US$ 2100 USD[1]  (140.º)
IDH (2013) 0,628 (125.º) – médio[2]
Moeda Som quirguiz (KGS)
Fuso horário +6 (UTC0)
 - Verão (DST) KGT
Cód. Internet .kg
Cód. telef. +996

Mapa do Quirguistão

Quirguistão, Quirguizistão ou Quirguízia (em quirguiz: Кыргызстан), oficialmente República Quirguiz[3] (em quirguiz: Кыргыз республикасы, Kyrgyz Respublikasy) é uma república da Ásia Central, ex-integrante da antiga União Soviética. Tem fronteiras, a norte com o Casaquistão, a oeste com o Uzbequistão, a sul com o Tadjiquistão e a sudeste com a República Popular da China. Sua capital é Bisqueque, maior cidade do país.

História[editar | editar código-fonte]

Inicialmente habitado por tribos iranianas como os sogdianos por muitos séculos e depois por imigrantes turcos vindos da Anatólia, as terras do Quirguistão faziam fronteira com a Pérsia.

O Quirguistão foi anexado ao Império Russo em 1864-66 quando foram conquistados os canatos da Ásia Central. O país conquistou sua independência com o colapso da União Soviética em 1991.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O território do Quirguistão está encravado na Ásia central, sem saída para o mar, cercado por quatro países: Uzbequistão a oeste, Cazaquistão ao norte, Tajiquistão a sudoeste e China a leste e sudeste. O relevo é bastante montanhoso. O país é atravessado pelas cordilheiras de Pamir e Alai, a sudoeste, e pela de Tian Shan, a nordeste, onde encontra-se o ponto mais alto no Pico Jengish Chokusu (Pico Pobeda) e seus 7.439 metros, na fronteira com a China[4] . A rede hidrográfica é formada pelos rios Kara-Suu e Narin, formadores do Rio Sir Dária que correm para sudoeste no Vale de Fergana e pelo lago endorreico Issyk-Kul, localizado a nordeste[5] .

O clima é continental, caracterizado por verões quentes e invernos frios. Estepes e pradarias recobrem as terras baixas e a vegetação alpina domina as montanhas.

Política[editar | editar código-fonte]

O Quirguistão é uma república democrática representativa semipresidencialista. O presidente é o chefe de estado e o primeiro-ministro do Quirguistão é o chefe de governo. O poder executivo é exercido pelo governo e o poder legislativo pelo governo e pelo parlamento.

Os principais partidos são o Comunista Quirguiz e o Social-Democrata da Quirguízia. E o legislativo é bicameral, com uma Assembléia Legislativa de 35 membros e a Assembléia do Povo com 70 membros. Ambos eleitos por voto direto para mandato de cinco anos. A constituição atual está em vigor desde 1993.

Em 2005, o país foi palco da Revolução das Tulipas que culminou na queda do presidente pós-soviético Askar Akayev, que estava no poder desde 1990 e era acusado de nepotismo, corrupção e de reprimir a oposição, substituído pelo presidente apoiado pelos Estados Unidos, Kurmanbek Bakiyev. Desde então, o país alimenta conflitos políticos esporádicos[6] .

O país abriga uma base militar da Força Aérea dos Estados Unidos - instalada após 11 de setembro - para chegar estrategicamente ao Afeganistão e ainda é visto como local estratégico da Rússia que também tem uma base militar no país e vê o território quirguiz como fornecedor energético[1] [7] .

Demografia[editar | editar código-fonte]

O crescimento demográfico do Quirguistão é positivo (1,4%) e a densidade populacional é relativamente baixa. Os centros urbanos mais povoados se localizam nos vales fluviais. Os quirguizes (52,4%) são a maioria, enquanto os russos compõem o segundo maior grupo (18%). Também há uzbeques (13%), ucranianos e alemães.

Em 2010, a população do país de 5 milhões de pessoas era apontada como sendo formada por 65% de quirguizes, 14% de usbeques, 13% de russos e o restante composto por minorias [8] .

Religião[editar | editar código-fonte]

A religião predominante do Quirguistão é Islão Sunita (91%). A população russa professa, na maioria, o Ortodoxo Russo. As principais Igrejas Cristãs são a Russa Ortodoxa e Ucraniana Ortodoxa.

No entanto, outras fontes apontam que cerca 70% da população do país seja muçulmana[7] .

Entre as denominações cristãs presentes no Quirguistão, destacam-se a Igreja Ortodoxa Russa e a Igreja Ortodoxa Ucraniana, tendo como adeptos principalmente russos e ucranianos que vivem no país. Uma pequena minoria de alemães também são cristãos, principalmente luteranos e anabatistas, bem como uma comunidade católica romana com cerca de 600 membros.[9] [10]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

O Quirguistão está dividido em sete províncias (область ou oblasty), administradas por governadores nomeados pelo governo central. A capital, Bisqueque é administrativamente uma cidade independente (shaar).

As províncias e a cidade capital são as seguintes:

Províncias do Quirguistão.
  1. Bisqueque (capital)
  2. Batken
  3. Chuy
  4. Jalal-Abad
  5. Naryn
  6. Osh
  7. Talas
  8. Issyk Kul

Cada uma das províncias por seu turno compreende um variado número de distritos (rayon), administrados por funcionários do governo (akim). As comunidades rurais (ayıl ökmötü) consistem em mais de 20 pequenos povoados, que têm os presidentes de câmara e os seus conselhos administrativos.

Economia[editar | editar código-fonte]

Barracas de roupas no Bazar Dordoy, Bishkek.

A agricultura contribui com 35% do PIB. Cultivam-se algodão (quinto produtor mundial), beterraba, tabaco, frutas, hortaliças e cereais.

A produção ovina e equina é bastante desenvolvida. A apicultura é outra criação em destaque.

Como recursos minerais, possui antimônio, mercúrio, chumbo, zinco, carvão, petróleo (em pouca quantidade) e gás natural. A economia registrou declínio de 2,4% na década de 1991-2001.

Em 1978 geólogos russos (soviéticos) encontraram uma jazida de 352 toneladas de ouro, mas na época consideraram inviável sua mineração, após a independência da URSS o mercado foi aberto e o país recebeu investimentos estrangeiros. No ano de 1996 uma empresa canadense começou a exploração da mina de Kuntor localizada a 300 km da capital e apenas 60 km da fronteira com a China. Em 2010, a mina de Kuntor é uma das 10 maiores do mundo e produz 20 toneladas de ouro por mês. A mineração de ouro representa 45% do PIB e 40 % das exportações da Quirguízia.

O Quirguistão tem sido um dos países da ex-União Soviética mais entusiastas na realização de reformas económicas na transição para uma economia de mercado. Depois de um programa de estabilização económica bem sucedido, que baixou a inflação de 88% em 1994 para 15% em 1997, as atenções viraram-se para o estímulo ao crescimento. A maior parte das empresas estatais foram vendidas. As quedas na produção foram severas depois da dissolução da União Soviética em 1991, mas em meados de 1995, a produção começou a recuperar e as exportações começaram a aumentar. Os reformados, os desempregados e os empregados do estado com salários muito baixos continuam a passar grandes dificuldades. A assistência internacional desempenhou um papel importante na recuperação económica do país. O governo tomou uma série de medidas para combater problemas severos como uma dívida externa excessiva, inflação, sistema fiscal inadequado e efeitos das convulsões económicas na Rússia. O Quirguistão alcançou um crescimento robusto todos os anos desde 1999.

Entretanto, cerca de um terço ou 43% da população vive abaixo da linha da pobreza, sendo o país mais pobre da Ásia Central[8] . Durante a crise financeira global em 2009, as remessas financeiras de emigrantes na Rússia caíram e acentuaram os problemas do país. Com pobreza, inflação e corrupção dominando o país, desemprego em 18% o Quirguistão em 2010 vive momento de tensão e incerteza política[1] [6] .

Cultura[editar | editar código-fonte]

Um estudante quirguize. A etnia quirguize é a predominante no Quirguistão.

O Quirguistão tem uma grande mistura de etnias e culturas, sendo os quirguizes o grupo maioritário. Em 1992, a população do Quirguistão foi estimada em 52% de etnia quirguize, 22% russos, 14,5% uzbeques, 1,9% tártaros, 0,5% ucranianos, e uma pequena comunidade de alemães.

Os uigures são uma minoria de alguma importância política. Esse grupo numera apenas cerca de 36 000 pessoas no Quirguistão, mas cerca de 185 000 vivem no vizinho Cazaquistão. A maioria da população uigur, de cerca de oito milhões, encontra-se na Região Autônoma Uigur de Xinjiang, na China, cuja população é cerca de 24 milhões de pessoas, localizadas ao nordeste do Quirguistão.

Geralmente considera-se que há 40 clãs no Quirguistão. Isto é simbolizado pelos quarenta sóis amarelos no centro da bandeira do Quirguistão. As linhas no interior do sol se dizem a representar um ger.

A religião predominante do Quirguistão é o sunismo (91%). A população russa pertence à Igreja Ortodoxa Russa. As principais igrejas cristãs são a Ortodoxa Russa e a Igreja Ortodoxa Ucraniana.

A culinária da Quirguízia reflete as mais de 80 etnias e nacionalidades que compõem esta sociedade e também a sua história milenar de pastores nómadas. Os componentes principais da sua mesa são as carnes e laticínios, preparados com poucos condimentos, e o pão ou as massas de farinha de trigo; no entanto, o arroz, na forma de plov, também encontrou um lugar cimeiro. Mas é preciso explicar que estas caraterísticas se referem principalmente aos quirguizes, a etnia predominante deste país, enquanto que os dunganes e uigures, duas importantes minorias na Quirguízia, têm tradicionalmente uma alimentação mais diversificada.[11]

Referências

  1. a b c d e Rebeldes do Quirguistão agradecem apoio russo - O Estado de S.Paulo, 9 de abril de 2010 (visitado em 9-4-2010)
  2. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Página visitada em 3 de agosto de 2014.
  3. Quirguízia - Página oficial do Ministério das Relações Exteriores do Brasil
  4. "The World Factbook: Kyrgyzstan" United States Central Intelligence Agency, Página visitada em 22 de maio de 2012 (em inglês)
  5. Escobar, Pepe. The Tulip Revolution takes root. Asia Times Online. Página visitada em 22 de maio de 2012. (em inglês)
  6. a b Presidente do Quirguistão rejeita renúncia e alerta para "desastre humanitário" - Folha Online, 8 de abril de 2010 (visitado em 8-4-2010)
  7. a b Após jornada sangrenta, oposição diz ter tomado o poder no Quirguistão. (8 de abril de 2010). Caderno Internacional, p.12 - Jornal O Estado de S.Paulo
  8. a b Saiba mais sobre o Quirguistão - O Estado de S.Paulo, 8 de abril de 2010 (visitado em 9-4-2010)
  9. Kirguistán la Iglesia renace con 600 católicos (em espanhol). Zenit. Página visitada em 26 de julho de 2013.
  10. Kyrgyzstan - Religion (em inglês). Windows on Asia. Página visitada em 26 de julho de 2013.
  11. (em inglês) Cultura do Quirguistão no site Orexca.com

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Quirguistão