Quitanda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Em Minas Gerais, quitanda se refere a qualquer tipo de bolo, doces e biscoitos feitos em casa.

Quitanda é um tipo de mercearia que vende frutas, verduras, legumes, ovos, carvão etc.[1] Sua descrição básica são as pequenas mercearias mantidas pelos imigrantes portugueses no Brasil. O termo também se refere, no Brasil, especialmente em Minas Gerais, ao conjunto de doces, bolos e biscoitos feitos em casa.[2] "Quitanda" também pode se referir a uma barraca de feira. Em certos lugares do Brasil (como em São Paulo), uma "quitanta" também pode ser conhecida como sacolão, pelo fato de tal mercearia (juntamente com seus consumidores) disponibilizar e utilizar sacos plásticos de variados tamanhos para transportar suas respectivas mercadorias[carece de fontes?].

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Quitanda" é proveniente do termo quimbundo kitanda, que significa "feira, venda".[3]

Interior de uma quitanda em Stroud, na Inglaterra

Referências

  1. Verbetes.com.br - Quitanda
  2. Lima, Cláudia. Tachos e panelas: historiografia da alimentação brasileira. Recife: Ed. da autora, 1999. 2ª Ed. 310p. ISBN 8590103218
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 439.

Quitanda: Em S.Tomé e Príncipe, se refere a pequenos estabelecimentos comerciais caseiros do tipo quiosque, que a população deste país instala nas suas portas ou nos cercados de vedações das suas casas que se encontram nas bermas das estradas. Estes estabelecimento são uma fonte de receita, rendimento e sustento de uma grande parte da população de São Tomé e Príncipe. Nele se vendem todo o tipo de produtos de gêneros alimentares como por exemplo arroz, farinha, feijão, óleo alimentar, açúcar, pão, leite, sabão, ovos, cervejas, vinhos, sumos, bolos, etc.