Rádio 101 FM

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde Setembro de 2011).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
101Fm
101Fm
País  Brasil
Frequência(s) 101,5 MHz
Sede Volta Redonda (outorga)
Volta Redonda (sede)
Slogan A Rádio Jovem Nº1 Do Sul Estado!
Fundação 1996
Extinção 2003
Fundador Sist. Porto Real de Comunicação
Género Música Eletrônica,Pop Rok,Flash Back
Idioma Português
Cobertura Volta Redonda, Barra Mansa, Resende, Piraí, Barra do Piraí, Pinheiral, Quatis, Vassouras, Valença, Três Rios, Itatiaia, Porto Real, além de algumas cidades do sul de Minas Gerais e São Paulo.
Último
Último
Rede Aleluia
Próximo
Próximo

A 101 FM foi uma emissora de rádio brasileira do Rio de Janeiro. É pertencente ao Sistema Porto Real de Comunicação. Situada na Rua Francisco Torres, bairro São Luiz, Volta Redonda. O alcance de sua frequência abrangia: Volta Redonda, Barra Mansa, Resende, Piraí, Barra do Piraí, Pinheiral, Quatis, Vassouras, Valença, Três Rios, Itatiaia, Porto Real, além de algumas cidades do sul de Minas Gerais e São Paulo.

História[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1993, a Rádio Stéreo Sul (AM e FM) de Volta Redonda (que havia sido privatizada há alguns anos atrás) foi vendida ao Sistema Porto Real de Comunicação (Resende). Esse, por sua vez, passou a transmitir a programação da Real FM em cadeia com a Stereo Sul FM (104,9) durante boa parte da programação. No início o projeto funcionou, mas depois surgiram constantes problemas técnicos que estavam inviabilizando o projeto. Além disso, comercialmente a rádio não obtinha resultados satisfatórios. Nessa época, havia um projeto de uma rádio inovadora para a região criado pelos comunicadores Gilson Dutra e Gilberto Filho.

O fim da Stereo Sul[editar | editar código-fonte]

No início de 1996, a Rádio Stéreo Sul FM saiu do ar, exatamente quando se iniciou as operações experimentais de uma rádio na frequência de 101,5 mhz. A primeira audição da rádio, que ocorreu até abril, tinha uma programação musical no estilo adulto-contemporâneo. Depois disso, passaram a colocar uma programação mais voltada para o mercado pop-jovem, com especial atenção aos flash e mid-backs. Passou-se então, a anunciar o breve surgimento de uma nova rádio. Foram surgindo vinhetas com as vozes de locutores (como Lôla, Badauê, Celsius Leite e Gilson Dutra), anunciando que estariam na nova rádio.

101 FM começa com Mega Show[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 1996, a rádio preparou um mega-show na Praça Brasil (Vila Sta. Cecília) com a presença de aproximadamente 25 mil pessoas (segundo estimativa da Polícia Militar à época). Artistas consagrados na época como Karina, Gottsha, Bob Run e Fincabaute, marcaram presença naquele que foi um show histórico e marcou uma geração inteira na região. No dia seguinte, só se falava da 101 FM em todo lugar. A rádio era a mais ouvida nas casas, nos carros, no comércio. Adesivos com a logomarca da rádio tomavam conta dos vidros de carros, taxis, ônibus e o que mais aparecesse. E o prometido foi cumprido. Uma programação de qualidade, com locutores renomados e uma irreverência sem tamanho. A 101 FM nascia forte e objetiva. Os programas foram surgindo como o Power Dance, que passou a ser uma referência em Dance Music para os afixionados no gênero.

Os primeiros passos[editar | editar código-fonte]

Na carona desse sucesso, surgiu um programa que começou meio que por acaso e se tornou um dos maiores fenômenos de audiência da região: O Zueira. Vitor Junior e Tom a época resolveram criar um programa dispretencioso (nem tinha vinheta no início). Suas únicas armas eram o improviso e a participação dos ouvintes. Os caras criaram o nome do programa sem mais nem menos e a coisa começou a expandir. Outros diferenciais marcaram a história da rádio, como a promoção do helicóptero, a parceria com a gravadora Spotlight Records que presenteava o público com uma infinidade de CDs todos os dias.

Os problemas operacionais[editar | editar código-fonte]

Tudo levava a crer que a 101 seria uma rádio muito boa. Mas não foi tão fácil assim. Primeiro, os problemas com sinal, que prejudicavam maciçamente a programação. O estúdio era pequeno e ficava onde era a antiga Rádio Stereo Sul. Para resolver o problema, a direção tirou o estúdio de Volta Redonda e o transferiu para Resende, o que prejudicou em muito a comercialização da rádio. Nesse interim, a empresa apressou as reformas no prédio do bairro São Luiz (Volta Redonda), para trazer a rádio de volta ao município. Mas essa movimentação e até mesmo falta de planejamento por parte da direção da rádio, teria feito com que alguns dos principais locutores (e anunciantes) da rádio saissem da emissora.

O retorno a Volta Redonda[editar | editar código-fonte]

Em 1998, a rádio então passou a transmitir direto de seu novo parque de transmissão, no bairro São Luiz. Resolvido o problema? Não. No início, houve até uma melhora nos negócios. A programação estava boa. Surgiram novos programas como o VERSÃO BRASILEIRA, TOP TEN. O ZUEIRA foi aprimorado e a rádio "importou" alguns radialistas de Angra dos Reis (com destaque para Serginho Bitenka). Mais uma vez, a emissora se viu prejudicada por problemas de transmissão. Dessa vez, o fato de o estúdio ser localizado na mesma área do parque transmissor e ainda por cima em um vale, fez com que os constantes raios em época de chuva, interrompessem constantemente as transmissões. Novos desmanches no quadro de locutores ocorreram.

Formato Popular[editar | editar código-fonte]

A rádio foi perdendo sua identidade. Em 2001, o coordenador à época Gilson Dutra, atendendo a uma determinação da diretoria da rádio fez uma mudança brusca para tentar salvar a empresa. A programação então passou a ser popular. Segundo os argumentos propostos, isso faria com que a rádio absorvesse uma massa maior de público, viabilizando assim sua comercialização. A idéia não durou muito tempo, pois não caiu nas graças do público. O legado que restou, foi de que a 101 FM havia se transformado de uma grande rádio, para uma rádio sem identidade.

Rede Aleluia[editar | editar código-fonte]

No início de 2003, iniciaram-se fortes negociações com o Grupo Aleluia (Marcelo Crivela), para a compra da rádio. Por volta de abril deste mesmo ano, a rádio passou as mãos do Grupo e radicalizou na programação, passando agora, a ter um conteudo totalmente evangélico (Igreja Universal). O Grupo mantem a emissora com programação gospel até hoje.

Loucutores[editar | editar código-fonte]

Programas[editar | editar código-fonte]

  • 101 Classics
  • Zueira
  • Giro 101
  • Power Dance[1]
  • Festa Charme
  • Top Ten
  • 101 On Line
  • A Melhor da Hora
  • Versão Brasileira
  • Festa da 101
  • Rádio Game
  • Dance Ponto Com
  • 101 Dance Classics
  • Hot Tracks
  • 101 Rock In Concert
  • Love Line
  • Madrugada 101
  • Dance Masters
  • Hora do Ouvinte
  • Pega 101
  • 101 Minutos

Período Popular[editar | editar código-fonte]

  • Manhã 101
  • As 10 Mais
  • Hora do Ouvinte
  • Love Line

Referências

  1. www.radioweb101.net

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Predefinição:Rádios do Brasil

Ícone de esboço Este artigo sobre Rádio é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.