Rádio Metrô FM

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Metrô FM
Prédio da RBS Rádio em 2007, onde se localizava a sede da Metrô FM.
Rádio Educadora de Guaíba Ltda.
País  Brasil
Frequência(s) 91,3 MHz FM
Sede Porto Alegre, RS
Slogan Tem a ginga do Brasil
Fundação 1994
Extinção 13 de maio de 2008
Pertence a Grupo RBS
Proprietário Nelson Sirotsky
Género Música
Idioma Língua portuguesa
Prefixo ZYD 661
Nome(s) anterior(es) Metropolitana FM
Último
Último
Rádio Nova FM
Próximo
Próximo

A Rádio Metrô FM foi uma estação de rádio brasileira com sede em Porto Alegre, RS. Pertencia ao Grupo RBS e operava na frequência 91,3 MHz FM. Foi extinta em 13 de maio de 2008, abrindo espaço para a criação da Rádio Gaúcha FM, na frequência 93,7 MHz.

História[editar | editar código-fonte]

A rádio foi fundada em 1994 no lugar da antiga afiliada da Rede Transamérica, após a extinção da Rádio Princesa AM, pelo extinto grupo SITARCOM (Sistema Tartarotti de comunicação) de propriedade do empresário Telmo Jaime Tartarotti (que também comandava a frequência 95,9 MHz, Rádio Liberdade FM, hoje de propriedade da Rede Pampa de Comunicação). A Rádio Metropolitana FM (seu nome original) veio para suprir um vácuo que ficou no rádio porto-alegrense após a extinção da Rádio Princesa AM seguindo a mesma linha de programação voltada para o samba e pagode. Sendo que grande parte dos profissionais da antiga rádio transferiram-se para a Metrô FM, nome pelo qual a 91,3 ficou conhecida então.

Música[editar | editar código-fonte]

Sempre com uma programação dinâmica, apoiava as bandas e cantores locais abrindo espaço para que mostrassem seus trabalhos. Já contou com grandes nomes do rádio gaúcho como Leandro Maia, Adoniran Ferreira, Girózinho, Henrique Brites, Carlos Vidal, Paulo Vidal, Jairo Bola (coordenou a emissora de 1994 a início de 1999) entre outros. Chegou ao auge na passagem da década de 1990 para os anos 2000 quando o grupo SITARCOM contava com, além das duas rádios (Liberdade FM e Metrô FM), uma repetidora CNT (canal 46) um jornal (Jornal da Metrô), uma produtora (Produtora Raízes), um trio elétrico (Raízão), uma casa noturna (Cervejaria Raízes que não obteve muito sucesso), uma rede de lojas de CD's (Raízes Discos), uma revista mensal (Revista da Metrô) e uma gravadora (Raízes Discos) que detinha os contratos de grande parte dos artistas locais.

Fechamento[editar | editar código-fonte]

Por problemas financeiros em 2001 o SITARCOM alugou por um ano o sinal da Metrô para uma rádio evangélica. Em agosto de 2002 a Metrô volta a transmitir sua programação em sua frequência já tradicional 91,3 MHz com muitas alterações e com um grupo muito reduzido que pouco depois se restabeleceu quase que por completo em 2006, após a aquisição da emissora pela RBS. Nessa época houve a saída do comunicador Henrique Brites e o encerramento do clássico programa das noites porto-alegrenses Ritmos de Baile, com programação de black music, que tinha a apresentação dos DJ's Mister Tinga e Geovane. Em 13 de maio de 2008, a Metrô FM saiu do ar e foi substituída pela Rádio Nova FM, que mudou de frequência para 93,7 MHz. No dia 28 de maio de 2008, a Rádio Nova foi substituída pela Rádio Gaúcha, que passou a operar também em FM, além da frequência 600 AM.

Volta da Rádio Metrô em 2009[editar | editar código-fonte]

Em março de 2009, a Rede Pampa de Comunicação mudou o nome da então Rádio Caiçara FM, frequência 101,9 MHz de São Francisco de Paula, para Metrô FM, dando a impressão de que a rádio estaria voltando ao ar. A nova Metrô FM podia ser sintonizada também em Porto Alegre[1] .

O nome Metrô FM durou pouco tempo. Em maio de 2009, a Rede Pampa alterou o nome da rádio para Princesa FM e trocou sua programação para música clássica.[1] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências