Rómulo Augusto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rómulo Augusto
Imperador romano
RomulusAugustus.jpg
Tremisse com efígie de Rómulo Augusto
Governo
Reinado 31 de outubro de 475 — 4 de setembro de 476
Antecessor Júlio Nepos
Sucessor Odoacro (rei bárbaro de Roma)
Vida
Nome completo Flávio Rómulo Augusto
Flavius Romulus Augustus
Nascimento 459?
Morte desconhecida, provavelmente entre os anos de 476 e 488
Pai Flávio Orestes

Flávio Rómulo Augusto (em latim: Flavius Romulus Augustus) foi, em 31 de outubro de 475, com idade entre 15 e 18 anos, empossado na função de imperador por seu pai, o general romano Flávio Orestes[1] (que havia anteriormente servido a Átila, o Huno). Imposto por seu pai que depôs o imperador legítimo, Júlio Nepos, viu-se impotente frente a um império em crise. Devido à pouca idade e à inexperiência, é conhecido pelo depreciativo de "Rómulo Augústulo" ("pequeno Augusto).

Em todo o século V, Roma e a península Itálica viram-se várias vezes assolados por incursões de visigodos, hunos e vândalos. O império, embora vacilante, conseguia reagir e sobreviver.

A data de deposição de Rômulo Augústulo pelo bárbaro Odoacro (4 de setembro de 476), na cidade de Ravenna, é tradicionalmente conhecida como o fim do Império Romano do Ocidente, o fim da Idade Antiga e o começo da Idade Média. Segundo Jordanes, Rómulo Augusto terminou sua vida no exílio, na Campânia.[2] Seu substituto, Odoacro, nunca chegou a ser considerado imperador do Ocidente, mas apenas rei da Itália, sob o comando do Imperador Romano do Oriente.

Coincidentemente, o último imperador de Roma tem o mesmo nome de seu suposto primeiro rei.

O último imperador: Rômulo Augusto ou Júlio Nepos?[editar | editar código-fonte]

Como Rômulo Augusto era um usurpador, Júlio Nepos legalmente manteve o título de imperador quando Odoacro tomou o poder. Alguns têm argumentado que Nepos, que reinou na Dalmácia até seu assassinato em 480, deveria ser reconhecido como último imperador romano do ocidente, observando que Odoacro cunhou moedas em nome de Nepos e não usou o título imperial para si. Mas poucos dos contemporâneos de Nepos na Itália (Dalmácia e Gália sempre foram leais a Nepos) desejavam apoiá-lo após ele ter fugido àquela província.[3]

Deposição[editar | editar código-fonte]

Rômulo Augusto abdica à coroa. [4]

Odoacro, à frente de um exército de esciros, matou Orestes em Placência e seu irmão Paulo no arboredo de Classis, próximo de Ravena.[1] Odoacro entrou em Ravena, depôs o imperador Rômulo Augusto, mas, com pena por ele ser jovem, poupou a sua vida, e, por causa de sua beleza, deu-lhe uma pensão de seis mil peças de ouro, enviando-o para a Campânia, para viver como um homem livre com seus parentes.[5]

A queda de Roma ocorreu no oitavo ano do pontificado do Papa Simplício.[6]

Depois do golpe de Odoacro, o senado romano enviou uma carta a Zenão I, dizendo que "a majestade de um só monarca é suficiente para prover e proteger, ao mesmo tempo, ambos o Leste e o Oeste". Com a demanda de Odoacro para tornar-se patrício, o imperador oriental respondeu que Odoacro havia sido nomeado patrício por Nepos e que isso ainda era válido. Quando Odoacro enviou a insígnia imperial a Constantinopla, Zenão aceitou-a, agradecido.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Árvore genealógica baseada em Prisco de Pânio, Anônimo Valesiano e sites[7] [8] :

 
 
 
Tatulus
 
 
 
 
 
 
Romulus
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Paulo
 
 
 
Flávio Orestes
 
 
 
Barbaria (mulher bárbara)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Rômulo Augusto
 
 
 
 

Referências

  1. a b Anônimo Valesiano, A História do rei Teodorico, 8.37
  2. Gibbon, Edward. Declínio e queda do Império Romano. São Paulo: Companhia da Letras: Círculo do Livro, 1989.
  3. MATHISEN, Ralph W.. De Imperatoribus Romanis - An Online Encyclopedia of Roman Emperors (em inglês). Visitado em 23 de novembro de 2009.
  4. Project Gutenberg's Young Folks' History of Rome, by Charlotte Mary Yonge [1]
  5. Anônimo Valesiano, A História do rei Teodorico, 8.38
  6. Alban Butler, Lives of the Saints, 2 de Março, São Simplício, papa
  7. www.mmdtkw.org
  8. www.spiritus-temporalis.com

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Gibbon, Edward. In: David Womersley. The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (em inglês). Londres: Penguin Books, 1994. vol. 3.

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Rómulo Augusto


Precedido por
Júlio Nepos
Imperador romano do Ocidente
475 — 476
Sucedido por
Odoacro (rei bárbaro de Roma)
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.