Rúgios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Situação de Rogaland na Noruega, lugar de procedência dos rúgios.
Áreas de assentamento dos Rúgios: Rogaland, Pomerânia (séc I), Rugilândia (séc V); Rügen (período incerto)
Mapa do Império Romano, indicativo das tribos que habitavam a Europa, no ano de 125, mostrando a localização dos Rúgios, que habitavam próximos aos Lemovianos.

Os rúgios eram uma tribo germânica cuja origem remonta à região de Rogaland no sul da Noruega, significando literalmente 'terra enrugada', devido ao relevo acidentado dos fiordes noruegueses. Do século III a.C. até fins do século I a.C., a população desta área migra para o sul em busca de áreas mais quentes, devido ao abaixamento das temperaturas da Europa deste período. Estabelecem-se na ilha de Rügen, no mar Báltico, dando seu nome ao lugar. Fixam-se também na costa do mar Báltico, hoje Polônia.

A tribo é primeiramente mencionada pelo escritor romano Tácito no século I, em seu livro Germania. Segundo Tácito, os Rugii habitavam a costa do mar Báltico entre os rios Vístula e Oder, eram vizinhos a leste dos godos e utilizavam escudos redondos e espadas curtas. Existe um grande intervalo de registro histórico, com os rúgios citados após Tácito somente no século V. No entanto, podem-se supor indiretamente alguns eventos. Pressionado por guerras contra os godos no fim do século I, os rúgios deslocaram-se para o sul, para a região do Danúbio e dos Cárpatos entre os anos 200 e 300. Em 390, tornaram-se vassalos dos hunos invasores, junto a outros povos germânicos, como os ostrogodos. Convertem-se ao cristianismo ariano. Em 451, participaram, ao lado de Átila, na invasão à Gália e na Batalha dos Campos Cataláunicos (batalha de Chalôns) (fonte Sidônio). Após a morte de Átila, em 454, ocorre a Batalha do Rio Nedao, onde uma federação de povos germânicos derrotou os hunos e alcançou a independência.

Reino Nórico[editar | editar código-fonte]

Uma parte da nação rugia separou-se e foi aceita dentro do Império Romano do Oriente, onde prestou serviços militares ao imperador em Constantinopla. Outros se juntaram a Odoacro no golpe final contra o Império Romano do Ocidente em 476. Outra parte, entretanto, recebeu a província romana de Nórica, para assentamento e lá criam um reino após a débacle do império. Este reino, chamado de Reino Nórico (Regnum Noricum), nas margens do Danúbio, nas áreas que hoje são Áustria e Hungria, recebeu o nome de Rugilândia. Neste período, se consideravam aliados do poder romano, entretanto sofreram ataques de nações germanas estrangeiras. Esta pressão motiva o rei rúgio Flaciteu a desejar passagem e migração para a Península Itálica, dentro das fronteiras do império. Para isso, necessita de permissão de passagem do reino ostrogodo da Panónia (hoje Hungria) que negaram passagem e os ameaçaram.

Os rúgios, sob seu rei Flaciteu, se uniram a outras tribos germânicas e atacaram o reino ostrogodo em 469, sendo derrotados. Sentindo-se cercados pelos godos, que controlavam as as vias para a Itália, Feleteu, filho de Flaciteu casou-se com a princesa ostrogoda Gisa. Isto causou uma divisão na família real rugia, com o irmão de Feleteu, Fredurico, então governador de Vindobona (Viena) se opondo. Neste momento vê-se a atuação de São Severino, uma latino vindo do Império Romano do Oriente.

Eram tempos de desintegração econômica, administrativa e militar, após o desaparecimento da autoridade imperial romana. Existia fome. São Severino auxiliou a população rugia e romana de Nórica, principalmente no rio Danúbio, na divisa do reino, em suas pelejas contra os alamanos, hérulos e turíngios além-fronteira.

Em um evento distinto, a população romana de Nórica moveu-se para a cidade independente de Lauríaco para escapar dos impostos e imposições do rei rúgio Feleteu. Este, por temer que esta população se junte aos alamanos e demais povos além-fronteira, e desejar a retomada dos tributos dessa população, moveu-se para Lauríaco com a intenção de forçá-los a ir para cidades controladas pelo reino. São Severino interveio e convenceu Feleteu a permitir a volta dos romanos para suas próprias cidades. Estabeleceu-se uma aliança entre Feleteu e São Severino. Com a morte de São Severino em 482, Fredurico, irmão de Feleteu, saqueou os mosteiros de São Severino próximos a Vindobona.

Dois anos depois, em 484, Fredurico foi morto por vingança por Frederic, filho de Feleteu. Esse ato agravou a relação do reino Rúgio com o reino da Itália comandado pelo germano Odoacro. Odoacro temia uma invasão rugia em seu reino, sabendo que o imperador em Constantinopla Zenão I incentivou Feleteu a mover-se nessa direção. A relação entre o reino da Itália, teoricamente vassalo ao Império Romano do Oriente, estava deteriorando-se desde anos anteriores. Odoacro tomou a iniciativa e atacou o Reino Rúgio em 487 (fonte Paulo Diácono, cap.I.xix). Em uma batalha no atual monte Kahlenberg em Viena, derrotou-os. Levou o rei Feleteu e a rainha Giso prisioneiros para Ravena, onde foram posteriormente executados. Frederic, filho de Feleteu, tentou uma reorganização do reino, mas foi derrotado por Onulfo, irmão de Odoacro, em 488.


Reis rúgios de 451 a 488:

  • Flaciteu 451-475
  • Feleteu, filho de Flaciteu 475 - 487
  • Frederico, filho de Feleteu 487-492

Entrada na Península Itálica[editar | editar código-fonte]

As campanhas de Odoacro em Nórico deixaram a região devastada. Onulfo transferiu a população romana do Danúbio para a Península Itálica em 488, enquanto Frederic e os rúgios derrotados também se moveram em direção a leste. Chegando a Novas (moderna Svishtov), província da Mésia Secunda, nos Bálcãs, se uniram aos ostrogodos sob comando de Teodorico em sua marcha para a invasão da Itália em 489, em aliança com o imperador Zenão I.

O hérulo Odoacro foi o alvo das forças ostrogodas e rugias, com o incentivo imperial. Ao entrar na Itália, os rúgios foram inicialmente assentados em Pavia e responsáveis pela proteção da Ligúria. Em 491, Frederic se rebelou contra Teodorico, durante o ataque a Ravena e se aliou ao general Tufa, de Odoacro. O motivo foram os maus tratos à população romana por Teodorico durante a guerra, que os rúgios tinham como amigos desde os anos do reino em Nórico.

No entanto, Frederic morreu em 492. Os rúgios então voltaram a aliar-se a Teodorico. Encerrou-se a dinastia real rugia. Em 492, Teodorico derrotou Odoacro e iniciou o domínio da Itália pelos ostrogodos. Na Itália, sob o governo ostrogodo, os rúgios mantiveram sua identidade nacional (fonte Procópio) por meio de banimento de casamentos inter-étnicos e de possível separação geográfica dos assentamentos ostrogodos. Em 541, durante invasão da Itália pelo Império Bizantino, ordenada pelo imperador Justiniano e dirigida pelo general Belisário, a morte do rei ostrogodo Ildibaldo deixou o trono vago. Neste momento, Erarico, um rúgio, foi proclamado rei dos rúgios e ostrogodos. Este movimento ousado dos rúgios vassalos teve o consentimento de Belisário, como condição para aceitação de uma trégua na guerra, e também dos ostrogodos por falta de um sucessor entre os seus para indicação. Porém, seu governo foi curto. Uma facção ostrogoda desconfiou da fidelidade de Erarico e assassinou-o cinco meses depois, declarando Totila novo rei ostrogodo. Os rúgios continuaram sob governo ostrogodo até a derrota final do reino ostrogodo para o Império Bizantino em 553. Deste momento em diante, cessaram os registros históricos de ambos os povos. Sua população mesclou-se na história medieval com a população autóctone romano-italiana.

Registros dos rúgios em Rogaland[editar | editar código-fonte]

Existe um registro nas sagas nórdicas de um rei rúgio, Erling Skjalgsson, que viveu em torno do ano 1000, em Rogaland. É o único rei rúgio (Rygekongen) presente nas sagas. Isto mostra a permanência de população rugia na terra original de Rogaland em períodos posteriores à migração ao sul do século III a.C. Neste período, dos Vikings, a região era chamada de Rygjafylke (pron. Rugia-fulke). Seus dialetos do norueguês antigo eram: Dalarne, Jaerderen, Ryfylke.

Outros Registros[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hoops Johannes, Herbert Jankuhn , Heinrich Beck, Dieter Geuenich, Heiko Steuer, Reallexikon der germanischen Altertumskunde, 2 ª edição, Walter de Gruyter, 2004, pp 0,452 ss, ISBN 3-11-017733-1
  • JB Rives em Tácito, Germania, Oxford University Press, 1999, p.311, ISBN 0-19-815050-4
  • Fraesdorff, Der barbarische Norden: Vorstellungen und bei Fremdheitskategorien Rimbert, Thietmar von Merseburg, Adam von Bremen und von Helmold Bosau, Akademie Verlag, 2005, p.55, ISBN 3-05-004114-5
  • Joachim Herrmann, Welt der Slawen: Geschichte, Gesellschaft, Kultur, CH Beck, 1986, p.265, ISBN 3-406-31162-8
  • Tácito, Germania, Germania.XLIV - As obras de Tácito: A tradução de Oxford, revisado, com notas, BiblioBazaar, LLC, 2008, p.836, ISBN 0-559-47335-4
  • Ptolomeu, Geographia II, 11,12
  • Jordanes, Getica, IV, 26 e Getica, L, 261,266; LIV, 277
  • Hoops Johannes, Hans-Peter Naumann, Franziska Lanter, Oliver Szokody, Heinrich Beck, Rudolf Simek, Sebastian Brather, Detlev Ellmers, Kurt Schier, Ulrike Sprenger, Else Ebel, Klaus Düwel, Wilhelm Heizmann, Heiko Uecker, Jürgen Udolph, Reallexikon der germanischen Altertumskunde, Walter de Gruyter, p.282, ISBN 3-11-017535-5
  • Andrew H. Merrills, História e Geografia na Antiguidade Tardia, Cambridge University Press, 2005, p.325, ISBN 0-521-84601-3
  • Mayke De Jong, Frans Theuws, Carine van Rhijn, topografias de Poder no início da Idade Média, BRILL, 2001, p.524, ISBN 90-04-11734-2
  • Magdalena Ma̜czyńska, Tadeusz GRABARCZYK, Die spätrömische Kaiserzeit und die frühe Völkerwanderungszeit em Mittel-und Osteuropa, Wydawn. Uniwersytetu Łódź, 2000, p.127, ISBN 83-7171-392-4
  • Horst Keiling, Archäologische Funde von der frührömischen Kaiserzeit bis zum Mittelalter aus den mecklenburgischen Bezirken, Museum für Ur-und Frühgeschichte Schwerin, 1984, pp.8: 12
  • William Dudley Foulke, Edward Peters, História dos lombardos, University of Pennsylvania Press, 1974, pp.31ff, ISBN 0-8122-1079-4
  • Procópio, Bellum Gothicum VI, 14,24; VII, 2,1.4
  • Hans-Werner Goetz, Jörg Jarnut, Walter Pohl, Regna e gentes: a relação entre a Antiguidade tardia e precoce povos medievais e reinos na transformação do mundo romano, Brill, 2003, p.68, ISBN 90-04 - 12524-8