Rage Against the Machine (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rage Against the Machine
Álbum de estúdio de Rage Against the Machine
Lançamento 3 de Novembro de 1992
Gravação Maio - Setembro de 1992
Gênero(s) Rap Metal, Metal Alternativo, Funk Metal
Duração 52:48
Gravadora(s) Epic Records
Produção Garth Richardson
Rage Against the Machine
Cronologia de Rage Against the Machine
Último
Último
Rage Against the Machine (Demo)
(1991)
Evil Empire
(1996)
Próximo
Próximo
Singles de Rage Against the Machine
  1. "Killing in the Name"
    Lançamento: 1993
  2. "Bombtrack"
    Lançamento: 20 de Junho de 1994
  3. "Bullet in the Head"
    Lançamento: 1994
  4. "Freedom"
    Lançamento: 1994

Rage Against the Machine é o álbum de estreia da banda de rapcore norte-americana Rage Against the Machine, lançado a 3 de Novembro de 1992.

Por ter sido uma das primeiras longas-metragens a fundirem géneros tão díspares como o funk e o heavy metal, Rage Against the Machine é um álbum marcante, abrindo caminho para boom de bandas que surgiram nos finais da década de 90. Além disso, o disco também destaca-se por dar um forte ênfase aos comentários políticos. As músicas de Rage Against the Machine juntam os temas políticos com vozes similares ao estilo hip hop.

A capa representa Thích Quảng Đức, um monge Budista do Vietname, que se imolou até à morte em Saigon em 1963. Thích protestava contra a opressão que os Budistas sofriam por parte da administração do então Primeiro Ministro Ngô Đình Diệm. A fotografia original, de Malcolm Browne, ganhou o Prêmio Pulitzer de Fotografia e o World Press Photo de 1962.[1]

O álbum chegou ao 1º lugar no top Heatseekers da Billboard, e ao 45º posto do Top 200.

A música "Wake Up" é incluída nos créditos do filme The Matrix e a "Killing In The Name" aparece nos jogos eletrónicos Grand Theft Auto: San Andreas e Guitar Hero II.

Em 2001, a Q magazine considerou Rage Against the Machine como um dos 50 Álbuns Mais Pesados de Sempre.

O álbum também é conhecido pelos seus altos valores de produção. Vários websites de audiófilos e revistas usam mesmo o disco para testar amplificadores e colunas, particularmente com a faixa "Take The Power Back"[2] .

Os solos do guitarrista Tom Morello neste álbum são, na generalidade, tradicionais no género, sendo influenciado especialmente pelo heavy metal, ao contrário dos álbuns seguintes, que são mais experimentais, usando efeitos de DJs e de Hip-hop.

Em 2003, o álbum ficou colocado em 368º na Lista dos 500 melhores álbuns de sempre da revista Rolling Stone.

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
allmusic 4.5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar half.svg [3]
Symbol unlikely.svg Esta tabela precisa de ser acompanhada por texto em prosa. Consulte o guia.

Faixas[editar | editar código-fonte]

# Título Duração
1. "Bombtrack"   4:05
2. "Killing in the Name"   5:14
3. "Take the Power Back"   5:37
4. "Settle for Nothing"   4:48
5. "Bullet in the Head"   5:10
6. "Know Your Enemy"   4:56
7. "Wake Up"   6:04
8. "Fistful of Steel"   5:31
9. "Township Rebellion"   5:24
10. "Freedom"   6:07
Duração total:
52:56

Singles[editar | editar código-fonte]

  • "Killing in the Name" - 1993
  • "Know Your Enemy" - 1993
  • "Freedom" - 1994
  • "Bombtrack" - 1994
  • "Bullet in the Head" - 1994

Integrantes ("Guilty Parties")[editar | editar código-fonte]

A banda[editar | editar código-fonte]

Músicos adicionais[editar | editar código-fonte]

Equipe técnica[editar | editar código-fonte]

  • Garth Richardson – produção e engenharia de som
  • Stan Katayama – engenharia de som
  • Craig Doubet – assistência de engenharia
  • Jeff Sheehan – assistência de engenharia
  • Bob Ludwig – masterização
  • Andy Wallace – mixagem
  • Steve Sisco – assistência de mixagem
  • Nicky Lindeman – direção de arte

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Rage Against the Machine é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.