Raimundos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde julho de 2013).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Raimundos
Raimundos em 2013. Da esquerda para a direita: Marquim, Caio, Digão e Canisso.
Informação geral
Origem Brasília, DF
País  Brasil
Gênero(s) Hardcore punk, punk rock, ska, metal alternativo
Período em atividade 1987-1990
1992-atualmente
Gravadora(s) Warner Music, Banguela Records, Deck
Influência(s) Ramones, Ultraje a Rigor e outras.
Página oficial http://www.raimundos.com.br
Integrantes Digão
Canisso
Marquim
Caio Cunha
Ex-integrantes Rodolfo
Fred
Alf
Tico Santa Cruz

Raimundos é uma banda de rock brasileira formada em Brasília em 1987. O nome é derivado de uma de suas maiores influências, a banda Ramones. Com 8 discos autorais, 20 anos de estrada e mais de 3.000.000 de cópias vendidas o Raimundos está marcado na historia como uma das principais bandas de rock do Brasil. Após sofrerem uma baixa de popularidade após a saída do vocalista Rodolfo Abrantes em 2001, a banda decidiu continuar sem seu vocalista original.

História[editar | editar código-fonte]

Primeira fase[editar | editar código-fonte]

O grupo foi formado em Brasília no final do ano de 1987 com Digão na bateria e Rodolfo Abrantes na guitarra. Os dois eram vizinhos. Digão era muito influenciado por Dead Kennedys (ele considera o álbum Bedtime For Democracy o seu predileto). Na época, Raimundos era um cover de Ramones. No entanto, faltava um baixista. Rodolfo decidiu chamar Canisso para tocar com eles e com a entrada deste, a banda foi levada um pouco mais a sério.

A primeira apresentação da banda foi realizada na casa de Gabriel (cantor do Autoramas) durante a virada de ano de 1988, sendo que um dos presentes era Fred, que tornar-se-ia então baterista. A parte nordestina do som é reflexo da cultura familiar dos integrantes e das canções do compositor de forró Zenilton. "Minha família é da Paraíba, e eu me lembro que desde os dez anos, eu sempre ia naqueles churrascos com os meus pais. Tocava forró o tempo inteiro, e eu achava aquilo um saco. Só gostava das canções do Zenilton, por causa das letras sacanas, achava aquilo muito fera", explica Rodolfo numa entrevista da revista Bizz. "O pai do Rodolfo usava um disco do Zenilton para abanar o churrasco", lembra Canisso. Rodolfo é padrinho de Mike, filho de Canisso.

Esse ritmo manteve-se constante até a separação da banda dois anos após. Canisso iniciou estudo de Direito na UnB e teve filhos, Digão deixou de tocar bateria por problemas auditivos e começou a tocar guitarra. Rodolfo por sua vez passou a cantar na banda Royal Street Flesh, casou-se e mudou-se para o Rio de Janeiro.

O retorno e o sucesso pelo Brasil[editar | editar código-fonte]

O retorno se deu em 1992 com uma oportunidade em tocar em um bar de Goiânia. Como Digão havia passado para a guitarra a banda começou a procura por um baterista, chegando até a utilizar uma bateria eletrônica. Não obtendo bons resultados, recrutam Fred, que na época já era fã do grupo. No ano seguinte a banda gravou uma fita demonstrativa contendo Nega Jurema,Marujo, Palhas do Coqueiro e Sanidade, iniciando então divulgação pelo país. A banda passou a ser reconhecida pela mídia e por outras bandas, que começaram a convidá-los a tocar no Rio de Janeiro. Chegaram a abrir apresentações de Camisa de Vênus e Ratos de Porão no Circo Voador, além de uma temporada para o Titãs.

Em 1994, lançam seu primeiro disco, intitulado apenas como Raimundos, pelo selo Banguela dos Titãs. O disco teve boa aceitação, vendendo mais de 150 mil cópias. O som pesado, com letras cheias de palavrões e com fortes influências nordestinas, chamou a atenção da mídia e do público, com canções como "Puteiro em João Pessoa", "Nega Jurema" e "Marujo". Mas o grande sucesso do álbum foi a balada pornô-erótica "Selim", que impulsionou as vendas do disco e tornou a banda conhecida no país inteiro. O álbum foi de extrema importância para o cenário musical brasileiro, devido ao som inovador (intitulado "forró-core") e ao fato de ter sido um dos responsáveis pela "abertura de portas" para o rock dos anos 90, influenciando praticamente todas as bandas que se formariam depois.

Consagração nacional[editar | editar código-fonte]

Em 1995, voltam ao estúdio pra gravar Lavô Tá Novo, que sai pela gravadora Warner. O peso ainda estava lá, mas as influências nordestinas ficaram um pouco de lado. Com canções como a clássica Eu Quero Ver o Oco, Esporrei Na Manivela, Pitando No Kombão, O Pão da Minha Prima e I Saw You Saying (That You Say That You Saw)", o disco vende bem mais que o primeiro. E isso, somado com a participação da banda nos festivais Monsters of Rock e Hollywood Rock onde tocaram ao lado de grupos clássicos como Motorhead e Iron Maiden, consolidaram o nome Raimundos. Em 1996 a banda lança uma caixa com CD, história em quadrinhos e fita VHS chamada Cesta Básica.

Crise[editar | editar código-fonte]

Em 1997 vão até Los Angeles para gravar Lapadas do Povo. O disco deixa de lado letras e melodias engraçadas, investe no peso e em letras mais sérias. Entre as canções destacam-se "Andar na Pedra" com um clipe estrelado pelo ator Matheus Nachtergaele, uma regravação de Oliver's Army de Elvis Costello, e uma versão de uma canção dos Ramones, Pequena Raimunda (Ramona). Apesar das boas críticas, o disco acaba vendendo menos que os anteriores. Para piorar, em um show na cidade de Santos, litoral de São Paulo, um dos alambrados onde o público saía caiu, provocando a morte de oito pessoas e 67 feridos. A banda se abala com o ocorrido e cancela diversas apresentações.

Retorno ao sucesso[editar | editar código-fonte]

Em 1999 a banda volta ao sucesso com Só no Forévis, o disco mais vendido da banda. Um fato curioso foi que a primeira tiragem do CD foi roubada, o que levou os Raimundos a saírem tanto nas páginas policiais quanto nas páginas de cultura dos jornais. Fora esse pequeno incidente, tudo tinha voltado como antes, com letras mais debochadas e bem humoradas, assim como nos primórdios da banda. O disco emplacou vários hits nas rádios e na MTV, como "A mais Pedida", "Me Lambe" e o maior sucesso Mulher de Fases, que torna a banda conhecida até por aqueles que não gostam de rock. Para coroar a ótima fase, em 2000 a banda lança, no auge de seu sucesso, junto com a MTV, o MTV Ao Vivo, que foi dividido em duas partes, gravado em Curitiba e São Paulo, um disco ao vivo reunindo os maiores sucessos da banda.

Saída de Rodolfo e Canisso[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2001 após uma longa conversa entre os integrantes, o Raimundos anuncia seu fim. O principal motivo foi a insatisfação de Rodolfo.[1] Dois meses depois, Fred, Canisso e Digão resolvem retornar com a banda.

No mesmo ano, a banda lançou o disco Éramos 4 com a faixa "Sanidade" originalmente gravada para a primeira fita demo de 1992. E gravada as pressas em agosto de 2001 para entrar no cd para mostrar a nova formação da Banda, as faixas "Desculpe mas eu vou chorar" registrada no projeto Cult Cover Demo, programa da rádio Cultura FM de Brasília em 1993, e " Nana Neném" que foi uma versão que a banda fez para um comercial da Rider, e registrada em single de 1998, também na voz do ex- vocalista Rodolfo que ainda aparece nas outras 10 faixas restantes que foram tiradas de um show que a banda fez em 2000, tocando músicas dos Ramones com a participação de Marky Ramone. Na turnê do CD Éramos 4 entrou na Banda o guitarrista Marquinho(ex-Peter Perfeito)

No ano seguinte, em 2002 fez o lançamento do primeiro álbum totalmente inédito, Kavookavala que ao contrário dos antigos não foi trabalhado pela gravadora, não teve muita divulgação e teve uma venda inexpressiva, além da saída do baixista Canisso membro da formação original da banda, no começo da turnê, fato que deixou a banda abalada. A partir desse momento a banda entrou em crise com a gravadora Warner. Depois de um ano tentando se livrar da gravadora, a banda conseguiu se livrar dela em 2004.

Saída de Fred e Alf - retorno de Canisso e chegada de Caio[editar | editar código-fonte]

Em 2005 a banda volta à cena e com uma proposta inovadora! Independentes e com o baixista Alf, que é também vocalista doRumbora completando a formação, a banda gravou o Ep Pt Qq cOisAh (Lê-se ponto qualquer coisa) que foi disponibilizado para download gratuito via o site da MTV, estima-se que o ep teve mais de 70 mil downloads, considerada uma boa marca.

Depois de um longo período fora da mídia, desgastes e concertos cancelados, surge a necessidade dos integrantes seguirem suas carreiras com projetos paralelos. Digão e Denis Porto lançam o Denis & Digão pela Universal Music, e o SuperGalo (Fred, Alf e inicialmente Marquim).

O tempo passou, e com ele vieram os choques de agenda, fato que ocasionou o retorno de Canisso, inicialmente apenas para um concerto. Fred, que já andava discordando musicalmente com Digão, resolveu sair da banda, já que tinha brigado com Canisso, que se torna fixo na banda novamente. Caio, baterista do Dr. Madeira, é chamado ao lugar de Fred. A banda voltou a fazer vários shows, lançou uma turnê em 2008, rotulada de "A volta de Canisso", continuaram fazendo shows de médio porte pelo Brasil inteiro, resgatando velhos fãs e conquistando o público mais jovem. Essa turnê conseguiu fazer a banda voltar à evidência. A principal aparição da banda, foi no programa Altas Horas, em abril de 2008. Nesse meio-tempo a banda baixou o cachê para ter mais shows, com Digão agendando os shows, e Canisso se tornando o produtor de estrada e cobrador dos cachês.[2]

No ano de 2009, era possível perceber pistas de que a situação voltariam a ser favorável para a banda. Depois de 7 anos longe da grande mídia, a banda se dizia preparada para voltar a brilhar junto com os grandes nomes do rock mundial. "-Afinal, uma das bandas que mais fez sucesso nos anos 1990 e início dos anos 2000, jamais se acabaria aos poucos. Pelo contrário, o tempo serviu para aprendermos a não dependermos 100% da mídia sacana!" – Afirma Digão, líder da banda desde 2001.

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

No começo de 2010, Tico Santa Cruz, vocalista da banda Detonautas, assumiu os vocais do grupo por um certo período, em janeiro de 2010. Digão havia afirmado na época, que a mudança era temporária e seria só durante a turnê que começa em 2010. Houve uma apresentação na TV aberta, na emissora Globo, no reality show Big Brother Brasil. Tico continuou a se apresentar com o Detonautas normalmente e a agenda das duas banda foi conciliada para que ele pudesse cantar.[3]

No final do ano de 2010 a banda volta a gravar um videoclipe da canção "JAWS",; em 18 dezembro de 2010 a banda, já sem Tico Santa Cruz, realizou a gravação do DVD Roda Viva no Kazebre Rock Bar, em são Paulo. Cerca de 15 mil pessoas compareceram a gravação que conta com cerca de 25 faixas, além das participações das bandas Velhas Virgens e Dead Fish. O DVD foi lançado no dia 15 de julho de 2011 no Circo Voador, no Rio de Janeiro, em um show com a participação do Dead Fish.[4]

No dia 26 de maio o Raimundos lançou seu DVD Roda Viva no Opinião em Porto Alegre. No dia 14 de novembro de 2011, os Raimundos participaram do SWU Music & Arts Festival 2011 após serem escolhidos em uma votação pela internet no site do festival para a escolha de uma banda nacional. Em fevereiro de 2012, a banda grava mais um Luau MTV, na praia do Pepê, no Rio de Janeiro, tocando os clássicos marcantes da banda, debaixo do forte calor do verão carioca.

Em 2012, os Raimundos lançaram em conjunto com seus ídolos do Ultraje a Rigor o álbum O Embate do Século: Ultraje a Rigor vs. Raimundos, onde as bandas tocavam músicas do repertório alheio. O álbum foi lançado no dia 20 de julho de 2012, pela gravadora Deck.[5] [6] As duas bandas se apresentaram juntas no programa "Agora é Tarde".

Cantigas de Roda, o oitavo disco de inéditas dos Raimundos e primeiro em 12 anos, foi lançado em 2014. Produzido com a ajuda de Billy Graziadei, líder do Biohazard, começou a ser gravado em setembro de 2013 e foi totalmente financiado por crowdfunding, que alcançou R$ 122,7 mil apesar da mira inicial ser de apenas R$55 mil.[2] [7] .Canisso descreveu o álbum como sendo de músicas pesadas. "Vai ser uma trilha sonora para rodinha, música de roda" [8] .No dia 08 de Julho de 2013 a banda disponibilzou a música inédita "Politics" no seu site oficial para download [9] , paralelamente a música também foi lançada na Rádio 89FM.Em 13 de julho lançaram na internet o clipe da música em comemoração ao Dia Mundial do Rock[10] [11] . Em 2014, a banda tocou na terceira edição do Lollapalooza Brasil.[2]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Formação atual[editar | editar código-fonte]

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio
Álbuns ao vivo

Videografia[editar | editar código-fonte]

  • "Nega Jurema (Primeiro clipe da banda, antes do primeiro álbum)" (1993)
  • "Nega Jurema" (1994)
  • "Beabâ" (1994)
  • "Palhas do Coqueiro" (1995)
  • "Rapante" (1995)
  • "Eu Quero Ver o Oco" (1995)
  • "I Saw You Saying" (1996)
  • "Esporrei na Manivela" (1996)
  • "Puteiro em João Pessoa Vr. II (1996)
  • "Andar na Pedra" (1997)
  • "Pequena Raimunda" (1998)
  • "Nariz de Doze" (1998)
  • "Wipe Out 2" (1998)
  • "Mulher de Fases" (1999)
  • "A Mais Pedida" (1999)
  • "Me Lambe" (1999)
  • "Deixa eu Falar" (2000)
  • "20 e Poucos Anos" (2000)
  • "Reggae Do Maneiro" (2001)
  • "Sanidade" (2001)
  • "Fique-Fique" (2002)
  • "Joey" (2003)
  • "Sol e Lua" (2005)
  • "Jaws" (2011)
  • "Rebelde Sem Causa" (2012)
  • "Politcs" (2013)
  • "Baculejo" (2014)

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Raimundos

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]