Ramiro I de Aragão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ramiro I de Aragão
Rei de Aragão
Ramiro I de Aragão
Governo
Reinado Aragão 1035 - 1063
Consorte Gisberge de Bigorre
Inés de Aquitania
Antecessor Sancho Garcês III de Pamplona
Sucessor Sancho I de Aragão
Dinastia Jiménez
Vida
Nascimento 1015
Morte 8 de Maio de 1063 (48 anos)
Batalha de Graus, Graus
Filhos Ver descendência
Pai Sancho Garcês III de Pamplona
Mãe Sancha de Aibar
O regis signum de Ramiro I de Aragão.
Cruz usada pelo rei Íñigo Arista de Pamplona, que viria a dar origem ao Selo de Ramiro I.

Ramiro I de Aragão (Aibar, Navarra, 1015 - Batalha de Graus, 8 de Maio de 1063), o primeiro rei de Aragão a partir de 1035 até 1063,[1] foi filho de Sancho Garcês III de Pamplona o Grande, e de uma relação extramatrimonial deste com uma jovem chamada Sancha de Aibar, da nobreza das terras de Aibar. Com a morte do seu irmão Gonzalo Sanches em 1045,[2] acrescentou os territórios de Sobrarbe e Ribagorza, passando assim a intitular-se também rei de Aragão, Sobrarbe e Ribagorza.[3] [4]

Depois da morte de Sancho Garcês III de Pamplona, seu pai, Ramiro herdou o condado de Aragão, que em 1035fundou um reino independente, sendo que o trono de Navarra ficou com García de Nájera. Em 1043 guerreou contra seu irmão e, mesmo sendo vencido por ele em Tafalla, conseguiu incorporar a seu reino vários castelos: os castelos de Sos , Uncastillo, Luesia e Biel. Com a morte de seu irmão Gonçalo Sanches, assassinado na ponte de Monclús pelo seu próprio vassalo Ramonet da Gasconha, Ramiro incorporou os territórios de Sobrarbe e Ribagorza, que correspodiam ao seu irmão Garcia, ao reino de Aragão.[5]

Conquistou, aliado-se com Arnal Mir de Tost, cavaleiro do Condado de Urgel e senhor de Llordà e visconde de Àger, os territórios do Condado de Urgel a Ermengol III de Urgel, vários castelos, onde se destacam os castelos de Lascuarre, Falces, Viacamp e Benabarre.

Tentou também tomar a poderosa fortaleza de Graus ao rei da Taifa de Saragoça Ahmad al-Muqtadir, para o que teve a ajuda da comitiva do ainda infante Sancho II de Leão e Castela, em cujo exército se encontrava o ainda jovem Rodrigo Díaz de Vivar, o famoso O Cid o Campeador, tendo nesta contenda morrido Ramiro I, sendo afirmado que a sua morte ocorreu às mãos de um soldado árabe de Al-Muqtadir chamado Sadaro ou Sadada.

Instituiu o Bispado de Aragão, baseado no Mosteiro San Adrián de Sasabe, na pessoa do seu filho García de Aragão, que foi o primeiro bispo, localidade que se tornaria na cidade de Jaca, sendo que no tempo de Ramiro I era apenas uma aldeia. Esta localidade viria a ser a capital do reino e a sede da Casa episcopal.

Matrimónio e descendência[editar | editar código-fonte]

Ramiro casou-se por duas vezes, a primeira em 22 de Agosto de 1036 com Gisberge de Bigorre, também denominada por Ermesinda, filha de Bernardo I Rogério de Foix, de quem teve:

O segundo casamento foi com Inês de Aquitania, de quem não se sabe a ascendência e não se conhece descendência.

Fora do casamento teve de uma senhora de nome Amuña:

  • Sancho Ramirez, que foi senhor de Aibar.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Sancho III
Armas antigas do reino de Aragão
Rei de Aragão

1035 - 1063
Sucedido por
Sancho I Ramirez
Ícone de esboço Este artigo sobre reis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.