Ramsay MacDonald

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ramsay MacDonald
Ramsay MacDonald
Primeiro-ministro do  Reino Unido
Mandato 22 de janeiro de 1924
até 4 de novembro de 1924
Antecessor(a) Stanley Baldwin
Sucessor(a) Stanley Baldwin
Primeiro-ministro do  Reino Unido
Mandato 5 de junho de 1929
até 7 de junho de 1935
Antecessor(a) Stanley Baldwin
Sucessor(a) Stanley Baldwin
Vida
Nascimento 12 de outubro de 1866
Lossiemouth, Escócia
Morte 9 de novembro de 1937 (71 anos)
Oceano Atlântico, a bordo
do "Reina del Pacifico"
Dados pessoais
Primeira-dama Margaret Gladstone MacDonald
Partido Partido Trabalhista
Profissão Jornalista
Assinatura Assinatura de Ramsay MacDonald

James Ramsay MacDonald (12 de outubro de 1866 - 9 de novembro de 1937), foi um político britânico, um dos fundadores e dirigentes do Partido Trabalhista Independente e do Partido Trabalhista (Labour Party), foi o primeiro trabalhista a se tornar primeiro-ministro do Reino Unido, no reinado de Jorge V.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho ilegítimo de John MacDonald, um trabalhador rural, e de Anne Ramsay, uma doméstica.[1] Embora registrado no nascimento como James MacDonald Ramsay, ficou conhecido como Jaimie MacDonald. Recebeu sua instrução elementar na igreja livre da escola de Lossiemouth, e depois, em 1875, na escola local da paróquia de Drainie, em Moray. Em 1881, ele tronou-se professor em Drainie. Ele ficou neste trabalho até maio de 1885, tomando assistente de clérigo em Bristol.[2]

Em 1866, segue para Londres, por motivos desconhecidos, ainda desempregado. Mas, em pouco tempo, consegue um emprego como caixeiro. Nessa época, aflora sua visão socialista de mundo, quando associa-se à União Socialista, de C.L. Fitzgerald que lutava para progredir os ideais socialistas através do sistema parlamentarista inglês.[3]

Em 13 de novembro de 1887, MacDonald presenciou o Domingo Sangrento, no Trafalgar Square, e em resposta a este acontecimento teve um panfleto publicado com o nome de "Remember Trafalgar Square: Tory Terrorism in 1887."

Durante um tempo, a política ainda não era tão importante como os estudos. Estudou para uma Academia de Ciências, mas em conseqüência de uma dieta deficitária, sua saúde foi afetada e acabou forçado a abandonar sua idéia de uma carreira acadêmica.

Em 1888, já reabilitado, MacDonald fez concurso de emprego para ser assessor de Thomas Lough, que era um comerciante de chá e político, eleito depois deputado por West Islington, em 1892, pelo Partido Liberal. Muitas portas acabaram se abrindo para ele. Passou a ter acesso ao clube liberal nacional bem como aos escritórios editoriais de jornais liberais e radicais. Fêz-se também conhecido aos vários clubes radicais de Londres e com os políticos radicais e trabalhistas. MacDonald ganhou a experiência valiosa nos funcionamentos das eleições. Em 1892, deixou o emprego de assessor de Lough para transformar-se num jornalista e não foi imediatamente bem sucedido.

Política[editar | editar código-fonte]

Em 1893, junto a outros socialistas, dá início ao Partido dos Trabalhadores Independente. Candidata-se por esse partido nas eleições de 1894, por Southampton, mas não lograria êxito. [4] Durante esta campanha, acabaria conhecendo Margaret Gladstone, filha de John Hall Gladstone. Ela era uma socialista cristã, e apesar das diferenças ideológicas, acabariam casando-se em 1897. Ela passou a financiar as campanhas de MacDonald, já que seu pai era muito rico. A família Gladstone era muito ligada aos liberais, sendo membros importantes desta família William Ewart Gladstone, ex-primeiro-ministro e Herbert Gladstone, líder do partido na sequência. Os dois viajaram muito naquela década, por vários países, dando a MacDonald a oportunidade de encontrar-se com líderes socialistas de outros países e ajudado lhe desenvolver uma compreensão boa das mesmas ideologias, no campo político internacional. [4]

Candidatou-se, ainda, em 1900, por Leicester, também sendo derrotado.

Recandidata-se em 1906, sendo eleito para o parlamento pelo Partido Trabalhista, que já havia incorporado o Partido Trabalhista Independente. Já em 1911 transformou-se em líder do grupo Trabalhista no Parlamento. Nesta época, sua esposa passou a ter problemas de saúde, vindo a falecer, fato que marcou profundamente a vida de MacDonald.

Enquanto o Partido Trabalhista crescia, MacDonald era criticado por ser demasiado moderado. Sua oposição à Primeira Guerra Mundial minou a sua popularidade. [5]

MacDonald perdeu seu assento em 1918, mas retornou mais tarde, em 1922, para representar um pequeno distrito eleitoral galês. Transformou-se em líder do partido e, conseqüentemente, líder da oposição, marcado pelas fortes críticas ao Governo. Em 1924, foi convidado por Jorge V para formar um governo, quando a pequena maioria conservadora de Stanley Baldwin provou não ter mais governabilidade. Assim iniciava o primeiro mandato trabalhista do Reino Unido.

Primeiro-Ministro[editar | editar código-fonte]

Primeiro mandato (1924)[editar | editar código-fonte]

A formação de um governo com a minoria deu-se pela coalizão com os Liberais, para a formação do primeiro gabinete. Com a frágil maioria, ainda em 1924, MacDonald convocou eleições gerais, sendo nesta ocasião derrotado pelos Conservadores. Durante a campanha, um jornal publicou a famosa “Carta de Zinoviev”. Embora mais tarde ter-se comprovado ser uma fraude, a carta arruinou as credenciais anti-comunistas de MacDonald. [5]

Seu principal ato durante este primeiro mandato foi o Wheatley Housing Act, que foi um programa de construção de edifícios com 500.000 apartamentos para o aluguel às famílias de trabalhadores (proletariado). Durante este primeiro mandato, em setembro, fez um discurso à Liga das Nações, em Genebra, em que o principal tema era o desarmamento geral da Europa, que foi recebido com grande aclamação. [4]

Segundo mandato (1929-1931)[editar | editar código-fonte]

MacDonald no Monumento ao Soldado Desconhecido, em 9 de outubro de 1929.

Após o período de oposição, no Governo Baldwin, nas eleições gerais de 1929, os trabalhistas conquistaram 288 cadeiras, contra 260 dos conservadores. A conquista de 59 cadeiras pelos Liberais, liderados por David Lloyd George, garantiu nova coalizão para a formação do Governo. Mais forte que no mandato anterior, MacDonald conseguiu aprovar, neste mandato, a melhoria nas pensões de aposentadoria, aumento do seguro de desemprego e uma lei para melhorar salários e condições na indústria de carvão. Durante este governo, assumiu a primeira mulher como ministra na Grã-Bretanha, Margaret Bondfield. [5]

A grande depressão[editar | editar código-fonte]

Durante este mandato, ocorreu a Grande Depressão de 1929, com a quebra das bolsas americanas, tendo efeitos devastadores na economia mundial da época.

MacDonald pediu ao rei Jorge V que formasse uma comissão para estudar e discutir o problema econômico da Grã-Bretanha. Quando este comitê produziu seu relatório, em julho de 1931, sugeriu que o governo deveria reduzir sua despesa em £97,000,000, incluindo benefícios de auxílio-desemprego na ordem de £67,000,000. MacDonald, e seu ministro da Economia, Philip Snowden, aceitaram o relatório, mas quando a matéria foi discutida pelo gabinete, a maioria votou de encontro às medidas sugeridas pelo comitê. Com esta derrota, MacDonald renunciou. [4]

Entretanto, o rei Jorge V convenceria MacDonald a formar um novo governo de coalizão, desta vez contando com os Liberais e com os Conservadores.

Terceiro mandato (1931-1935)[editar | editar código-fonte]

O Partido Trabalhista recusou-se a estabelecer uma coalizão com os Conservadores, entretanto, MacDonald ainda assim, formou o novo gabinete, de Governo Nacional. Por este fato, MacDonald acabou sendo expulso do Partido Trabalhista.

A eleição geral de 1931 foi um desastre para o partido Trabalhista, que elegeu somente 46 membros. MacDonald, agora, teve 556 cadeiras, com a formação do governo pró-Nacional e não teve nenhuma dificuldade em perseguir as políticas sugeridas pelo comitê do rei Jorge V. Entretanto, desamparado por seu próprio partido, era agora um prisioneiro do partido conservador, e em 1935 foi facilmente excluído do poder.

Para conter a crise econômica, em 1931, mais cortes em salários e programas de ajuda social foram realizadas, e o imposto de renda nacional, foi aumentado. Estas medidas somente pioraram a situação socio-econômica do país, e em 1932, ápice da Grande Depressão no Reino Unido, as taxas de desemprego eram de 25%. Foi somente com o abandono do padrão-ouro e a instalação de tarifas alfandegárias para produtos importados de qualquer país que não fossem parte do Império Britânico, que a economia britânica passou a gradualmente recuperar-se.

Críticas[editar | editar código-fonte]

Clement Attlee escreveu sobre MacDonald em sua autobiografia:

Cquote1.svg No passado eu vi MacDonald como um grande líder. Ele tinha uma fina presença e grande poder de oratória. A linha impopular que ele adotou durante a I Guerra Mundial deu a ele a pecha de homem de grande caráter. Apesar de alguns fatos negativos, não deixei de admirá-lo até que ele retornou ao governo pela segunda vez. Então percebi sua relutância para adotar ações positivas e notei, decepcionado, sua imensa vaidade e esnobação, além do fato dele me falar mal de seus colegas de Gabinete, tudo isto me causou enorme decepção. Eu de fato não podia esperar que ele pudesse perpetrar a grandeza política de nosso país. Percebi que Snowden tinha se transformado num dócil discípulo da ortodoxia financeira. Mas eu não esperava que ele se tornasse vitima da violenta aversão daqueles que servia com lealdade. O choque para o partido foi enorme, especialmente para os trabalhadores que fizeram grandes sacrifícios por aquele homem.

Muitos membros do Governo, dentre eles, eu, estavam seriamente descontentes pela falta de uma política construtiva exibida pelos membros do Governo. Percebíamos também um estranhamento entre MacDonald e os membros do partido. Ele se mantinha envolvido com pessoas que não partilhavam a visão do partido. Esta oposição não se cristalizou por causa da lealdade do único homem que poderia assumir o lugar de MacDonald: Arthur Henderson. Apesar da queda das medidas políticas adotadas, MacDonald e Snowden convenceram o partido à formação de um Comitê de Economia, sob o comando de Sir George May, chairmam da Prudential Insurance Company. As conseqüências já eram previstas. As propostas eram direcionadas para cortar os serviços sociais e, especialmente os benefícios dos desempregados. O remédio deles para uma crise econômica encabeçada pelo excesso de commodities sobre efetiva demanda foi cortar o poder de compra da massa dos trabalhadores. A maioria rejeitou aquelas propostas e foi por ai que o Governo quebrou. MacDonald teve que se resignar a aceitar uma Comissão Real para formar um Governo Nacional[6] .

Cquote2.svg

Referências

  1. Marquand, David: Ramsay MacDonald, London, 1977, pp. 4, 5
  2. Lord Elton: The life of James Ramsay MacDonald, 1939, London, p. 39
  3. Marquand, op.cit., p.20
  4. a b c d http://www.spartacus.schoolnet.co.uk/PRmacdonald.htm
  5. a b c http://www.pm.gov.uk/output/Page136.asp
  6. http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=3160

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ramsay MacDonald

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por:
Stanley Baldwin
Primeiro-ministro do Reino Unido
19241924
Sucedido por:
Stanley Baldwin
Primeiro-ministro do Reino Unido
19291935