Rangda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rangda numa cena de dança Barong
Estátua de Rangda num templo
Assistente de Rangda numa dança Barong
Performance da dança Barong com dançarinos com kris (adagas do Sudeste Asiático) e Rangda

Rangda é a rainha demônio dos leyaks na Ilha de Bali, Indonésia, segundo a tradicional mitologia balinesa. De compleição aterrorizante, Rangda, "a devoradora de crianças", lidera um exército de bruxos do mal contra o líder das forças do bem - Barong.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Rangda é importante na cultura balinesa, e apresentações retratando suas lutas com Barong ou com Airlangga nesse conto são populares atrações turísticas, bem como uma tradição. Ela é descrita como uma mulher de idade avançada quase nua, com cabelos longos e desgrenhados, seios pendurados e garras. Seu rosto é tradicionalmente uma máscara horripilante com presas e olhos arregalados, com uma língua comprida e saliente.

História[editar | editar código-fonte]

Impressionante representação de Rangda numa dança Barong

Bali é uma ilha hindu, e é sugerido que Rangda também pode estar intimamente associada com Durga.1 Ela também tem sido identificada com a deusa-mãe guerreira hindu, Kali, a negra deusa-mãe da transformação, destruição e proteção no Hinduísmo.

Enquanto Rangda é vista como temível e por muitos como a personificação do mal, ela também é considerada, no entanto, uma força protetora em certas partes de Bali, bem como Kali é vista como uma deusa-mãe benevolente nos estados indianos da Bengala Ocidental, Assam e Kerala. As cores associadas a ela - branco, preto e vermelho - são idênticas às associadas a Kali. Sua iconografia é semelhante tanto à de Kali como de Chamunda, que estão intimamente relacionados.

Outras interpretações afirmam que Rangda pode ser derivada a partir do século XI da rainha javanesa Mahendradatta, que foi exilado pelo rei, Dharmodayana, por alegada prática de feitiçaria. O conto em torno disso é que ela começou a se vingar, matando metade do reino (que até então pertencia a ela e ao filho de Dharmodayana, Erlangga), com a praga antes de ser superada por um homem santo. O nome Rangda significa "viúva".

Rangda na ficção[editar | editar código-fonte]

  • Shin Megami Tensei III: Nocturne tem Barong como um inimigo recrutável. Tendo um Barong "falante" em seu partido falando com um Rangda selvagem pode levar a uma "Conversa Especial" ("Special Conversation") que se relaciona fortemente à forma como os dois se relacionam entre si na mitologia, bem como conceder um item para o jogador. Como muitos outros jogos de Shin Megami Tensei, a fusão de Barong com Rangda criará Shiva.
  • Persona 3 e Persona 4 têm Rangda como uma Persona. É representada muito próxima de uma de suas muitas representações em Bali, incluindo as unhas longas e a língua comprida.
  • Final Fantasy XIII tem Rangda como inimigo selvagem.
  • Em Cavaleiros do Zodíaco, temos o personagem Guilty, mestre de Ikki de Fênix e representante do Santuário de Atena na Ilha da Rainha da Morte, que usa uma máscara com as feições de Rangda como selo da deusa grega para manter os Cavaleiros Negros retidos na ilha.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Brinkgreve, Francine. (1997). "Offerings to Durga and Pretiwi in Bali". Asian Folklore Studies 56 (2): 242.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rangda
Portal A Wikipédia possui o portal: