Raphael Rabello

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Maio de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Raphael Rabello
Informação geral
Nome completo Rafael Baptista Rabello
Nascimento 31 de outubro de 1962
Origem Petrópolis
País Brasil Brasil
Data de morte 27 de abril de 1995 (32 anos)
Gênero(s) Música Instrumental, Choro, Bossa Nova
Instrumento(s) Violão, Violão de sete cordas
Período em atividade 19741995

Raphael Baptista Rabello (Petrópolis, 31 de outubro 196227 de abril 1995) foi um violonista e compositor brasileiro, ligado ao choro e à música popular brasileira. É considerado um dos maiores violonistas brasileiros de todos os tempos, sobretudo em sua especialidade, o violão de 7 cordas.

Ele participou de concertos e gravações com famosos musicos brasileiros, tais como Tom Jobim, Ney Matogrosso, Zé Ramalho, Jacques Morelenbaum e Paulo Moura, João Bosco e também instrumentistas internacionais, como por exemplo Paco de Lucia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Raphael Rabello nasceu em uma família musical: sua irmã Luciana Rabello se tornou conhecida com o seu cavaquinho, e seu primeiro professor de violão foi um irmão mais velho. Ele também tomou lições de violão com Jayme Florence (o famoso "Meira", que também deu aulas a Baden Powell nos anos 1940). Ele passou a tocar o violão de sete cordas influenciado por Dino 7 Cordas. Ele já tocava profissionalmente em sua adolescência; sua primeira aparição como coadjuvante foi aos 14 anos, em uma gravação de choro pelo violonista clássico Turibio Santos.

Apesar da insistência e admiração de Raphael, ele nunca teve aulas com o violonista Dino 7 Cordas, com quem gravou um álbum em 1991. Segundo o violonista Maurício Carrilho, nunca se soube porque Dino não aceitou Raphael como seu aluno. Raphael, por um tempo, dedicou-se somente ao violão de sete cordas, chegando, inclusive, a adotar o nome "Raphael 7 Cordas" (o mesmo nome de seu primeiro álbum). No início dos anos 1980, ele participou como instrumentista em famosas gravações de samba como por exemplo: "Minha Missão", de João Nogueira. Ele desenvolveu um ritmo de samba para violão que é reproduzido por diversos violonistas de hoje em dia.[carece de fontes?]

Ele não tem limitações. Técnica, velocidade, bom gosto harmônico, um artista completo. [1]

Dino 7 Cordas sobre Raphael

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Raphael Rabello começou a declinar por conta de um acidente de carro que o obrigou a receber uma transfusão de sangue onde foi contaminado com o vírus da AIDS. No desespero da situação, recorreu às drogas, em especial à anfetamina, com a pressa de sempre melhorar para conseguir desenvolver uma carreira mundo afora.

Em 1994 Raphael Rabello deixou o Brasil, já com problemas com as drogas, e foi para os Estados Unidos com a perspectiva de expansão de sua carreira profissional. Chegando lá começou a lecionar em uma universidade de música em Los Angeles. Paralelamente começou a libertar-se das drogas. Mais tarde, porém, Raphael precisou voltar ao Brasil para breve trabalho aprovado pela Fundação Cultural Banco do Brasil: a realização de um disco resgatando a obra do compositor Capiba.

Já no Rio de Janeiro, como não mais residia na cidade, Raphael acabou se hospedando no Hotel Sheraton, em São Conrado e não na casa da família, como combinado anteriormente.

Em 1995 Raphael foi internado para tratamento de desintoxicação onde morreu um dia depois de ter sido avaliado pelo médicos como "ótimo". Depois disso, surgiram versões diversas sobre sua morte: AIDS, overdose e suicídio; nenhuma verdadeira. A AIDS não chegou a se desenvolver. Raphael morreu de apneia do sono, durante o sono, distúrbio que foi dito ser comum em sua família.[2]

Legado[editar | editar código-fonte]

Rabello teve 2 CD's gravados em sua homenagem e uma escola nomeada com seu nome. O último trabalho feito em sua homenagem, era o que ele se encontrava produzindo antes de sua morte: Um tributo à Lourenço da Fonseca Barbosa, conhecido por "Capiba" (1904–1997). Ele foi um dos arranjadores, também creditado como produtor, tocou grande parte do violão do disco e mesmo, cantou uma das canções. A lista de cantores convidados é realmente impressionante: Chico Buarque, Paulinho da Viola, Gal Costa, Caetano Veloso, Maria Bethânia, Alceu Valença, João Bosco, e Ney Matogrosso.

Alguns violonistas manifestaram suas opiniões sobre Raphael Rabello:

A música e o seu estilo único de tocar o violão fazem falta, apesar de termos admiráveis “sucessores” como o Yamandú Costa e o Alessandro Penezzi, dois monstros mas o Raphael tinha um estilo diferente, ele conseguia transitar por mundos diferentes dentro da música e não ficava preso ao mundo do violão instrumental, ele fazia parcerias fantásticas com grandes vozes da música brasileira."Andreas Kisser, Sepultura

O melhor violonista que eu já ouvi em anos. Ele ultrapassou as limitações técnicas do violão, e sua música vinha progressivamente de sua alma, diretamente para os corações de quem o admirava. [1]

Paco de Lucia

"Raphael Rabello foi simplesmente um dos maiores violonistas que já existiu. Seu nível de introspecção no potencial do instrumento só foi alcançado, talvez, pelo grande Paco de Lucia. Ele foi ‘o’ Violonista Brasileiro de nosso tempo, na minha opinião. Sua morte, em uma idade ainda tão jovem é uma perda incrivelmente dolorosa, não apenas pelo que ele já tinha feito, e sim pelo que ele poderia vir a fazer."Pat Metheny[1]

Raphael Rabello foi um dos mais notáveis violonistas de todos os tempos. A sua "pegada" era muito expressiva e confiante, com interpretações vibrantes e técnica exuberante. A contribuição dele foi essencial, deixando uma das mais ricas e memoráveis páginas na história do violão brasileiro."Marco Pereira[1]

Se o violão tem se estabelecido mais uma vez como a principal voz instrumenal da música moderna brasileira, muito do crédito pode ser dado a Raphael Rabello…"Mark Holston, Guitar Player Magazine[1]

"Ele foi um incrível violonista. Eu nunca vi igual… ele foi único."Francis Hime,

Guitar Player Magazine[1]

" Esse é um dos melhores violonistas que eu já ouvi."Lee Ritenour, JazzTimes Magazine

" Raphael era um amigo muito próximo. Quando eu o conheci, eu fiquei impressionada com o seu talento. Eu estava estonteada pela sua genialidade."Gal Costa

Discografia[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde Junho de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
  • Mestre Capiba (2002) (Lançamento póstumo)
  • Amélia Rabelo & Raphael Rabello (2001) (Lançamento póstumo)
  • Raphael Rabello & Armandinho em Concerto (1997)
  • Brasil Musical - Série Música Viva - Armandinho E Raphael Rabello (1996)
  • Relendo Dilermando Reis (1994)
  • Cry, My Guitar (Gravado em 1994, lançado postumamente)
  • Delicatesse - Raphael Rabello e Déo Rian (1993)
  • Dois Irmãos - Raphael Rabello e Paulo Moura (1992)
  • Todos os Tons - Raphael Rabello (1992)
  • Shades of Rio - Romero Lumambo e Raphael Rabello (1992)
  • Todo o Sentimento - Raphael Rabello e Elizeth Cardoso (1991)
  • Raphael Rabello e Dino 7 Cordas (1991)
  • À Flor Da Pele - Ney Matogrosso e Raphael Rabello (1990)
  • Nelson Goncalves & Raphael Rabello - Ao Vivo(1989)
  • Raphael Rabello (1988)
  • Raphael Rabello Interpreta Radamés Gnattali (1987)
  • Raphael 7 Cordas (1982)
  • Tributo a Garoto - Radamés Gnattali e Raphael Rabello (1982)
  • Os Carioquinhas no Choro (1977)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Raphael Rabello