Ratt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ratt
Ratt Sweden Rock 2008.jpg
Ratt em perfomance no festival Sweden Rock de 2008.
Informação geral
Origem San Diego, Califórnia
País  Estados Unidos
Gênero(s) Hard rock
Heavy metal
Glam metal
Período em atividade 1976-1992
1996- atualmente
Gravadora(s) Atlantic Records
Portrait Records
Integrantes Stephen Pearcy
Warren DeMartini
Juan Croucier
Carlos Cavazo
Bobby Blotzer

Ratt é uma banda de hard rock[1] dos Estados Unidos que fez grande sucesso na década de 1980. Até hoje, sete álbuns de estúdio já foram lançados oficialmente pelo grupo, e algumas de suas canções mais conhecidas são "Round and Round", "Lay It Down", "Body Talk" e "Back for More".

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

O Ratt foi formado em San Diego, Califórnia (EUA), por Stephen Pearcy, que seria seu vocalista original, em 1976, com o nome Mickey Ratt. Há várias gravações da banda que datam desse período, sendo a maioria compilações de demos ou bootlegs de apresentações ao vivo.

Em 1980, os membros do Mickey Ratt se mudaram para Los Angeles visando aumentar suas chances de conseguir um contrato com alguma gravadora, visto que a maioria delas tinham sedes nessa cidade. A banda gravou um compacto com as músicas "Dr. Rock" e "Driving on E". Nessa época, o guitarrista da banda era Jake E. Lee, que posteriormente integraria a banda de Ozzy Osbourne.

Em 1981, o nome da banda foi reduzido para Ratt. Robbin Crosby se juntou a banda nesse ano, após as saídas de Jake E. Lee, Chris Hager, Matt Thorr e Dave Alford, que formariam o Rough Cutt. Pouco depois, em janeiro de 1982, Warren DeMartini se juntou ao grupo por recomendação de Lee. Nesse período, a formação do Ratt era completada pelo vocalista Stephen, e por dois outros membros que tiveram curta permanência na banda: o baixista Gene Hunter e o baterista Khurt Maier.

Ratt EP[editar | editar código-fonte]

Em julho de 1983, já com Bobby Blotzer e Juan Croucier efetivados, respectivamente, na bateria e no baixo, o Ratt assinou um contrato com a gravadora independente Time Coast Records, que lançou nos EUA o primeiro EP da banda, auto-intitulado, contendo 5 composições próprias e uma versão para "Walkin' the Dog", de Rufus Thomas. Posteriormente, o EP seria lançado na Europa pela gravadora Music for Nations, contendo uma faixa extra, "You're in Trouble".

Out of the Cellar (1984)[editar | editar código-fonte]

O bom desempenho do Ratt EP despertou o interesse da Atlantic Records, que lançou em março de 1984 o primeiro álbum de estúdio do Ratt, intitulado Out of the Cellar, que obteve grande sucesso, alcançando a 7ª posição nas paradas de álbuns dos EUA e da Suíça, e a 8ª na então Alemanha Ocidental. Até hoje, já vendeu 3 milhões de cópias nos EUA e 50 mil no Canadá, impulsionado pela alta exibição das músicas "Lack of Communication", "Back for More", "Wanted Man e, sobretudo, "Round and Round" nas rádios e na MTV.

A sonoridade do álbum demonstra uma união do hard rock enérgico, inspirado em bandas como Van Halen e Aerosmith, com guitarras tocadas em staccato, no estilo do Judas Priest. Os créditos das faixas demonstra a dedicação e o envolvimento dos membros da banda com o trabalho, visto que todos contribuíram com as composições, incluindo o baixista Joey Cristofanilli, que teve uma rápida passagem pela banda antes da chegada de Juan Croucier, e que co-escreveu a canção "Wanted Man".

A modelo e atriz Tawny Kitaen, amiga de infância de Robbin Crosby, aceitou posar para capa de Out of the Cellar, assim como já havia feito para a capa do Ratt EP. Ela também fez uma aparição no videoclipe de "Back for More". A aparição do famoso ator estadunidense Milton Berle no vídeo de "Round and Round" ajudou a atrair ainda mais atenção para a banda.

O sucesso de seu álbum de estreia transformou o Ratt em estrelas nos EUA e também no Extremo Oriente. A banda fez uma extensa turnê que durou todo o ano de 1984, tocando em grandes arenas e estádios ao lado de bandas e artistas como Billy Squier, Ozzy Osbourne, Blackfoot, Iron Maiden, Mötley Crüe, Twisted Sister e Lita Ford.

Out of the Cellar é considerado o melhor álbum do Ratt e um dos mais influentes do heavy metal dos anos 80. "Round and Round" ficou na 61ª posição da lista das "Melhores Músicas de Hard Rock", elaborada pelo canal de TV VH1.

Invasion of Your Privacy[editar | editar código-fonte]

O próximo álbum, Invasion of Your Privacy, alcançou a 7ª posição nas paradas dos EUA (a mesma de Out of the Cellar), além de ficar em 6° na Austrália, 8° no Canadá e 3° na Alemanha Ocidental. O álbum manteve as boas críticas de seu antecessor e manteve a exposição da banda nas rádios e na MTV graças ao sucesso dos singles "You're in Love" e "Lay It Down". As guitarras marcantes de Warren DeMartini e Robbin Crosby, acompanhadas pelas letras repletas de conteúdo sexual de Stephen Pearcy ajudaram a definir o estilo do Ratt.

A modelo na capa de Invasion é a coelhinha da Playboy Marianne Gravatte, que também aparece no videoclipe de "Lay It Down". Usar belas modelos femininas virou marca registrada de várias bandas glam metal dos anos 80, como Great White e Slaughter. Invasion of Your Privacy também foi um dos muitos álbuns de bandas de hard rock e heavy metal a receberem o selo de "conteúdo impróprio" da PMRC, organização censuradora liderada por Tipper Gore, esposa do então congressista estadunidense Al Gore, que alegava que tanto o título quanto a capa do álbum faziam referências ao voyeurismo.

O Ratt fez seu primeiro concerto no Japão em março de 1985, em Tóquio, antes de fazerem uma extensa turnê pela América do Norte como atração principal, contando como bandas de abertura Mama' Boys e Bon Jovi, além de tocarem em alguns festivais com o Iron Maiden. Em 15 de agosto de 1985, a banda se apresentou no festival Monsters of Rock em Donington, Inglaterra, juntamente com ZZ Top, Bon Jovi, Metallica, Marillion e Magnum. A turnê mundial de Invasion of Your Privacy se estendeu pelo ano seguinte, passando novamente pelo Reino Unido em fevereiro e pelo Japão em abril, só se encerrando em 30 de março, na cidade de Anchorage, no Alasca.

Warren DeMartini e sua guitarra de "pele de cobra" durante show do Ratt em Londres, em fevereiro de 1986

Poucos meses após o lançamento de Invasion of Your Privacy, foi lançado a fita cassete intitulada "Ratt: The Video", contendo 5 videoclipes de músicas do Ratt EP e dos dois primeiros álbuns da banda. Esse vídeo está atualmente fora de catálogo e é muito difícil de conseguir um exemplar, apesar de ter sido um grande sucesso comercial (o primeiro registro em vídeo a ganhar Disco de Ouro nos EUA, futuramente alcançando o Disco de Platina). Em 2000, Invasion recebeu o Disco de Platina Dupla nos EUA, pelas suas vendas atingirem a marca de duas milhões de cópias.

Dancing Undercover (1986)[editar | editar código-fonte]

O terceiro álbum de estúdio do Ratt saiu em 9 de agosto de 1986, sob o título Dancing Undercover, e foi bastante criticado em relação a seus predecessores pela imprensa especializada, além de apresentar um declínio nas vendagens da banda, não conseguindo chegar ao Top 10 da Billboard, ficando no 26° lugar. Fora dos EUA, o álbum obteve um desempenho melhor, ficando em 10° na Austrália, 11° no Canadá e 9° na Alemanha.

Em uma tentativa de serem levados mais a sério, os membros da banda romperam com a tradição de por uma garota na capa de seus álbuns. Ao invés disso: eles optaram por fotos em preto e branco de cada membro da banda. Assim como seus antecessores, Dancing Undercover foi produzido por Beau Hill, e não contém nenhuma balada. Esse foi o primeiro álbum a se notar um predomínio da guitarra de DeMartini em relação à de Crosby.

A sonoridade de Dancing Undercover é mais pesada do que a que até então havia sido exibida pela banda, demonstrando uma inédita influência do thrash metal. A canção que traz isso de forma mais aparente é "Body Talk", que fez parte da trilha sonora do filme The Golden Child (no Brasil, traduzido como "O rapto do menino dourado"), estrelado por Eddie Murphy. Muitos fãs e críticos pensaram que essa leve mudança no estilo musical da banda seria um indício de que no futuro o Ratt radicalizaria suas músicas, se assemelhando mais a grupos de "thrash metal", como Anthrax, Megadeth e Slayer. No entanto, isso não veio a acontecer, e os experimentos pelo "heavy metal" seriam substituídos por um som mais calcado no blues, assim como no glam rock e no arena rock, ao longo dos álbuns seguintes.

O álbum só conseguiu emplacar um single nas paradas da Billboard: "Dance", que não passou da 59ª posição. Entretanto, os videoclipes de "Body Talk", de "Slip of the Lip" e da própria "Dance" tiveram boa exibição na MTV, se tornando populares entre os fãs da banda.

Se o novo álbum não teve vendagens tão boas inicialmente, a turnê que se seguiu, também chamada de Dancing Undercover, foi um grande sucesso. Entre outubro de 1986 e abril de 1987, o Ratt se apresentou em grandes arenas da América do Norte, como o Madison Square Garden, contando com bandas de peso como abertura, primeiramente o Cheap Trick, e depois também o Poison. A banda voltou ao Japão em maio daquele ano, fazendo até um show na famosa Nippon Budokan, em Tóquio. O Ratt ainda faria mais alguns concertos nos EUA e em Porto Rico antes de participar da perna alemã do festival Monsters of Rock, ao lado de Cinderella, Deep Purple, Dio, Helloween, Metallica e Pretty Maids.

Reach for the Sky[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 1988 saiu Reach for the Sky. Embora tenha alcançado a 17ª posição na parada de álbuns da Billboard e futuramente tenha recebido um Disco de Platina nos EUA, sofreu com péssimas avaliações por parte da crítica especializada, que reclamou da sua "falta de foco". Reach for the Sky foi o último trabalho do Ratt com o produtor Beau Hill, que neste álbum dividiu a função com Mike Stone.

Apesar das críticas, contém as faixas "Way Cool Jr." e "I Want a Woman", que receberam alguma exibição e são consideradas clássicos da "era do glam metal".

A turnê Reach for the Sky iniciou no dia 31 de dezembro de 1988, em Tóquio, em um show de reveillon liderado pelo Bon Jovi, e no qual também se apresentaram Kingdom Come e Britny Fox. Em janeiro de 1989, o Ratt fez diversas apresentações no Japão, antes de começar uma extensa turnê pelos EUA que se estendeu de janeiro até junho do mesmo ano, e contou com Kix, Warrant, Britny Fox e Great White como ato de abertura.

Detonator[editar | editar código-fonte]

Detonator, o quinto álbum do Ratt, foi lançado em agosto de 1990. Sir Arthur Payson foi chamado para assinar a produção e os compositores profissionais Desmond Child e Diane Warren foram contratados para auxiliarem os membros da banda na criação das novas canções. Jon Bon Jovi gravou os backing vocals da música "Heads I Win, Tails You Lose".

O álbum recebeu opiniões diversas da imprensa musical. Enquanto alguns ressaltaram a "falta da energia ao vivo" presente nos trabalhos anteriores da banda, outros elogiaram a maturidade e a experiência demonstrada pelos músicos. O álbum alcançou o 23° lugar nos EUA e o 7° no Japão, mas suas vendas não foram suficientes para dar a banda outro Disco de Platina em seu país natal. Os singles "Shame Shame Shame", "Lovin' You's a Dirty Job" e "Givin' Yourself Away" falharamem alcançar as paradas de singles da Billboard.

Durante as gravações de Detonator, o guitarrista Robbin Crosby teve sua participação reduzida, visto que seu vício em drogas estava devastando sua técnica instrumental. Ele co-compôs apenas uma canção "Can't Wait on Love", e contribuiu com outra , "All or Nothing", antes de se ausentar dos processos de composição para se internar em uma clínica de reabilitação. Este seria seu último álbum com o Ratt.

Em outubro de 1990, o Ratt entrou novamente em turnê, passando pela França, Alemanha e Reino Unido. Durante o trecho japonês da excursão, em fevereiro de 1991, a dependência de substâncias químicas de Crosby voltou a se manifestar, impedindo-o de tocar corretamente, fazendo com que os técnicos de som da banda abaixassem o som de sua guitarra durante as apresentações. O último show da mini-tour japonesa também seria o último de Robbin. Para o trecho norte-americano da turnê, Michael Schenker foi contratado para substituí-lo temporariamente, enquanto ele ingressava novamente na reabilitação. Robbin nunca mais voltaria a se apresentar ou a gravar com o Ratt. Após a o fim da turnê Detonator, que acabou em 14 de setembro de 1991, após um show em Irvine, na Califórnia, os membros da banda ofereceram a vaga de guitarrista para Michael Schenker, mas ele não aceitou.

MTV Unplugged, Nobody Rides for Free and Ratt n' Roll 81–91[editar | editar código-fonte]

Ainda com Michael Schenker tocando com a banda, o Ratt se apresentou na primeira temporada do programa de TV MTV Unplugged, se apresentando ao lado do Vixen.

Ao final do ano de 1991, o Ratt lançou o compacto de "Nobody Rides for Free", que apareceu na trilha sonora do filme Point Break (filme de Kathryn Bigelow estrelado por Patrick Swayze, Keanu Reeves e Anthony Kiedis, no Brasil foi lançado com o título "Caçadores de Emoção"). A música e seu videoclipe mostram significativas mudanças na banda. Robbin não participou da gravação da canção nem da filmagem do clipe, no qual apenas os quatro membros remanescentes do Ratt apareceram.

A gravadora da banda, a Atlantic Records, decidiu lançar uma compilação das músicas de maior sucesso da banda, intitulada Ratt & Roll 81-91, em setembro de 1991. "Nobody Rides For Free" faz parte desse álbum, que futuramente ganharia um Disco de Ouro nos EUA.

Separação[editar | editar código-fonte]

Em 1992, o Ratt se desfez.

Stephen Pearcy formou a banda de hard rock Arcade, que contava com o ex-Cinderella Fred Coury na bateria. Em 1995, ele criou um grupo de rock alternativo Vicious Delite e em 1996, deu origem à banda de rock industrial Vertex.

Robbin Crosby fundou uma banda chamada Secret Service, e tocou no álbum autointitulado do Rumbledog.

Warren DeMartini fez uma turnê com o Whitesnake em 1994, além de lançar dois trabalhos solo: um compacto intitulado "Surf's Up!", e o álbum "Crazy Enough to Sing to You", quando contou com a participação de nomes notáveis como Eric Singer, Tommy Aldridge, Bob Daisley e Dweezil Zappa.

Bobby Blotzer e Juan Croucier se tornaram produtores de bandas underground. Croucier criou um estúdio de gravação chamado "The Cellar", e, em 1994, recebeu o título de "Cidadão de Los Angeles" (o único outro membro do Ratt presente foi Crosby). Nesse mesmo ano, Robbin Crosby foi diagnosticado com o vírus HIV, e posteriormente desenvolveria AIDS.

Primeira reunião e álbum auto-intitulado[editar | editar código-fonte]

Em 1996, os cinco membros da formação clássica do Ratt começaram a discutir uma reunião e um subsequente novo álbum após a renovação de seu contrato com a gravadora. Após um encontro com Robbin, foi decidido que ele não estava em forma física para participar das atividades da banda. Juan Croucier decidiu não participar da reunião, em solidariedade com seu amigo Crosby. Robbie Crane, ex-Vince Neil e Vertex, ficou com a vaga de baixista, se unindo a Pearcy, DeMartini e Blotzer.

A banda lançou o álbum Collage em julho de 1997, o qual consistia em uma compilação de gravações alternativas, novas versões e músicas ainda inéditas dos primeiros anos do Ratt. O grupo fez um extenso giro pelos EUA, se apresentando principalmente em pequenos clubes.

Em 1998, o Ratt assinou um contrato mundial com a gravadora Sony. Em julho de 1999, saiu outro álbum de estúdio do grupo, auto-intitulado. Produzido por Richie Zito e contando com a colaboração de vários compositores profissionais, o álbum demonstra uma sonoridade mais madura e pesada em relação aos trabalhos iniciais da banda, mas Stephen sofreu algumas críticas da imprensa por seus vocais "sem vida". O single "Over The Edge" alcançou o 34° lugar na lista de rock da Billboard.

A banda embarcou em uma amplamente bem sucedida turnê ao lado de Poison (que estava celebrando a volta de sua formação clássica), Great White e LA Guns, que teve início em 30 de maio, em Detroit, e terminou em 15 de julho, em Boston, e teve público médio de 12 mil pessoas por concerto. A banda ainda se apresentou no festival "Rock Fest 1999", em Cadott, na mesma noite de Sammy Hagar. Keri Kelli foi adicionado ao grupo como segundo guitarrista.

Saída de Pearcy e dois Ratts[editar | editar código-fonte]

Em 2000, Pearcy deixou o grupo novamente. Mesmo sem ele, o Ratt seguiu em frente com uma formação que contava com Jizzy Pearl (ex-Love/Hate) nos vocais, John Corabi (ex-vocalista do Mötley Crüe) na guitarra, além de Warren DeMartini, Robbie Crane e Bobby Blotzer. A saída de Pearcy motivou uma disputa judicial entre ele e os membros remanescentes da banda pelo direito de se apresentar com o nome de Ratt, que passou a ser dividido por DeMartini e Blotzer.

No dia 6 de junho de 2002, Robbin Crosby morreu de overdose de heroína (embora tenha sido divulgado pela imprensa que ele tenha morrido em decorrência das complicações físicas causadas pela AIDS, visto que sua overdose só foi noticiada anos depois) aos 42 anos de idade em seu apartamento em Hollywood. Ainda em 2002, o Ratt saiu em turnê ao lado de Warrant, Dokken, Slaughter, Firehouse e L.A. Guns. Nos anos seguintes, a banda faria diversos shows pelos EUA ao lado de outros artistas de hard rock/heavy metal, como Vince Neil, Quiet Riot e UFO. Enquanto isso, Stephen Pearcy batizou sua banda solo de "The Rat Bastards" (em português, "Os Bastardos do Rato"), e também fez diversas excursões pelos EUA durante o período em que esteve fora do Ratt.

Durante os anos "mais calmos" do Ratt, seus membros aproveitaram o tempo livre para focar em projetos paralelos. Blotzer, Corabi, Crane e Keri Kelli formaram a banda Angel City Outlaws, que tocava covers de clássicos do rock. Warren DeMartini e Jizzy Pearl trabalharam nas suas respectivas carreiras solo e continuaram a gravar novo material. Surpreendentemente, Juan Croucier entrou para a banda solo de Stephen Pearcy, e excursionaram juntos durante o verão e o outono norte-americano de 2006. Ainda mais surpreendente foi quando Blotzer se juntou a eles em uma apresentação em outubro de 2006.

Segunda reunião[editar | editar código-fonte]

No final de 2006, uma tempestade de rumores indicava que Pearcy e Croucier se reuniriam novamente com Blotzer e DeMartini, além de Corabi. Em 4 de dezembro daquele ano, Jizzy Pearl anunciou sua saída do grupo, estimulando as especulações a respeito de uma nova reunião do Ratt. No dia 20 de março de 2007, após um ano e meio de inatividade, o website oficial da banda noticiou a volta de Pearcy à banda (Juan Croucier novamente decidiu ficar de fora, e Robbie Crane continuou como baixista).

O Ratt anunciou uma nova turnê de verão ao lado do Poison, que contou com Vains of Jenna e Dokken como bandas de abertura em algumas datas. A excursão iniciou em 13 de junho de 2007, em Greenville, Carolina do Sul, e terminou em 2 de setembro, após um show em Jacksonville, Flórida, e passou por alguns dos principais anfiteatros, ginásios e festivais dos EUA.

Em 31 de julho de 2007, foi lançado um DVD intitulado Ratt - Videos From the Cellar: The Atlantic Years, cobrindo toda a videografia da banda até então. Em 21 de agosto do mesmo ano, outra compilação foi lançada, Tell The World: The Very Best Of Ratt.

Ainda em 2007, no mês de novembro, o Ratt se apresentaria também na Austrália (com a banda Winger como abertura) e Japão.

Em janeiro de 2008, a banda se apresentou no "Motley Cruise", um cruzeiro que passava por Miami, Key West e Cozumel, ao lado de Vince Neil, Skid Row, Slaughter, Endeverafter e Lynam.

Em maio e junho de 2008, ainda com John Corabi nas guitarras, o grupo se apresentou pela Europa, e em agosto voltou aos EUA, nos primeiros shows do experiente Carlos Cavazo, ex-guitarrista do Quiet Riot, como membro da banda.

Stephen Pearcy se apresentando com o Ratt na Suécia, 2008

Infestation e hiato[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2009, a gravadora Loud & Proud/Roadrunner anunciou a assinatura de um contrato mundial com o Ratt. Após passarem os anos de 2008 e 2009 se apresentando intensamente, em abril de 2010 finalmente saiu o sétimo álbum de estúdio da banda, Infestation, que alcançou o 30º lugar nos EUA e o 5° no Japão. Seguindo o seu lançamento, o Ratt fez uma extensa turnê mundial passando pelos EUA (abrindo shows para o Scorpions em algumas datas), Espanha, Bélgica, Inglaterra, França e Japão.

Após o fim da turnê, em outubro de 2010, foi anunciado que o Ratt entraria em hiato por tempo indefinido. Robbie Crane declarou em uma entrevista que a separação da banda não era definitiva, apenas "um tempo para que os membros da banda se dedicassem a suas atividades paralelas: ele excursionando com o Lynch Mob, Stephen Pearcy se apresentando com sua banda solo, Warren DeMartini fazendo shows com a banda natalina de Dee Snider, Carlos Cavazo e Bobby Blotzer trabalhando em um projeto juntos.

Retorno de Juan Croucier e novo álbum[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2012, Stephen Pearcy declarou que a banda estava em processo de composição material novo e planejava lançar um álbum ainda no mesmo ano. No dia 22 de março desse mesmo ano, o baixista Robbie Crane anunciou sua saída do grupo, e rumores indicavam um possível retorno de Juan Croucier, se confirmando quando este se apresentou com o Ratt no festival M3 em 12 de maio. Após o concerto, o único da banda em 2012, a banda voltou a se concentrar na criação de novas músicas para um novo álbum. Em janeiro de 2013, o baterista Bobby Blotzer disse que quando o processo de composição terminasse, a gravação das faixas aconteceria com a produção de Brian Howes.

Carlos Cavazo já era conhecido por seu trabalho no Quiet Riot antes de se juntar ao Ratt. Aqui uma foto dele se apresentando em Tempe, 2009

O Ratt também anunciou uma nova turnê em 2013, com direito a uma nova participação no festival Rocklahoma (sua quarta em sete edições) e alguns concertos ao lado de artistas como Lita Ford, Dokken e Poison.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • 1991: Ratt'N'Roll
  • 1997: Collage
  • 2002: The Essentials
  • 2003: Metal Hits
  • 2005: Mickey Ratt: Ratt Era - Best Of
  • 2007: Tell the world: the very best of Ratt

Compactos & EPs[editar | editar código-fonte]

  • 1980: Dr.Rock
  • 1983: Ratt EP
  • 1984: Wanted Man
  • 1984: Scene Of The Crime
  • 1984: Round And Round
  • 1985: Lay It Down
  • 1986: You're In Love
  • 1986: Slip Of The Lip
  • 1986: Body Talk
  • 1986: Dance
  • 1987: I Want A Woman
  • 1988: Way Cool Jr.
  • 1989: What I'm After
  • 1990: Lovin' You Is A Dirty Job

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Blues é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.