Ray-Ban

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ray Ban
Tipo Subsidiária do Luxottica Group S.p.a.
Fundação 1937
Fundador(es) Lester Belisario
Sede Itália Milão, Itália
Proprietário(s) Luxottica
Produtos Óculos de sol e armações
Página oficial www.ray-ban.com

Ray-Ban é uma empresa fabricante de óculos de sol e armações, fundada em 1937 pela Bausch & Lomb.[1] [2] Em 1999, a Bausch & Lomb vendeu a marca para o grupo italiano Luxottica por supostos 640 milhões de dólares.[3]

História[editar | editar código-fonte]

O General Douglas MacArthur usando o modelo Aviator da Ray-Ban em 1944.
A atriz Audrey Hepburn usando o modelo Wayfarer no filme Breakfast at Tiffany's em 1961.

Os óculos Ray-Ban foram criados em 1937. Alguns anos antes da sua criação, o tenente John MacCready retornando de uma aventura aérea em um balão reclamou que o sol tinha irritado e danificado a retina dos seus olhos. Ele contatou em Nova Iorque a famosa loja e fabricante de óculos Bausch & Lomb, pedindo-lhes para criar óculos elegantes e que desse proteção aos seus olhos contra os raios solares. E dessa característica surgiu o nome da marca, a mistura do termo em inglês raio (Ray) e as três primeiras letras da palavra banir (Bannish). Em 7 de maio de 1937, a Bausch & Lomb registrou a patente. O protótipo, conhecido como Anti-Glare, tinha armações muito leves pesando 150 gramas. Elas eram feitas de metal banhado a ouro com lentes verdes de cristal mineral que filtravam os raios infravermelhos e ultravioleta. Os pilotos da Força Aérea dos Estados Unidos imediatamente adotaram os óculos de sol devido a estas características. Assim, o modelo Ray-Ban Aviator se tornou um estilo bem conhecido de óculos de sol dada a sua popularidade entre os pilotos. Ficou também internacionalmente conhecido quando o General Douglas MacArthur desembarcou em uma praia nas Filipinas durante a Segunda Guerra Mundial e vários fotógrafos registraram esse momento e General Douglas estava utilizando tais óculos. Daí por diante os óculos Ray-Ban se popularizaram não só entre os militares, mas também entre os consumidores em geral.[4]

Durante a década de 50, mais precisamente em 1952, o designer Raymond Stegeman criou o modelo Wayfarer construído com armação de plástico e com um desenho inspirado em carros com traseira rabo-de-peixe, muito comum na época. Raymond Stegeman vendeu o protótipo para a B&L que registrou a patente como Ray-Ban Wayfarer. Seu objetivo inicial era vende-los também a pilotos todavia foi comumente adotado por artistas. Os Wayfarers obtiveram grande popularidade na década de 1950 e 1960, especialmente após de terem sido usados por Audrey Hepburn, em 1961 no filme Breakfast at Tiffany's.


Durante a década de 60, o Ray-Ban Jackie Ohh, ganhou destaque mas não ficou tão popular quanto os modelos Aviator e Wayfarer, ao ser usado pela primeira-dama americana Jacqueline Kennedy. O nome veio do apelido dado pela mídia á primeira-dama.

Após o período de sucesso nas décadas de 50 e 60, o Wayfarer caiu no esquecimento nos anos 70 e quase ficou fora do mercado. Nos anos 80, a Ray-Ban resolveu investir no modelo novamente com a inserção em vários filmes de Hollywood e deu certo. Na década de 80 os óculos voltaram a ser destaque de moda e vendas. Nos 20 anos seguintes a Ray-Ban diversificou seus modelos e se firmou como uma das maiores marcas do setor.

Em 1999 foi comprada pela empresa italiana Luxottica por U$$ 640 milhões.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The Ray Ban Story (em inglês). Urban Optiques. Página visitada em 29 de outubro de 2013.
  2. Ray-Ban Website.
  3. Company News: Bausch & Lomb Selling Sunglass Business to Luxottica (em inglês). NY Times (29 de abril de 1999). Página visitada em 29 de outubro de 2013.
  4. The best ever Ray-Bans (em inglês). Men's Health. Página visitada em 29 de outubro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]