Ray Bradbury

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ray Bradbury
Ray Bradbury, em 1975
Nacionalidade Estados Unidos Estadunidense
Data de nascimento 22 de agosto de 1920
Local de nascimento Waukegan
Data de falecimento 6 de junho de 2012 (91 anos)
Local de falecimento Los Angeles
Gênero(s) Ficção científica, fantasia, terror,
Período de atividade 1938–2012
Obra(s) de destaque Fahrenheit 451, Crônicas Marcianas
Assinatura Ray Bradbury Autograph.svg

Ray Douglas Bradbury (Waukegan, 22 de agosto de 1920Los Angeles, 6 de junho de 2012) foi um escritor de contos de ficção-científica norte-americano de ascendência sueca. Foi o terceiro filho de Leonard e Esther Bradbury. Por causa do trabalho de seu pai (era técnico em instalação de linhas telefônicas), viajou por muitas cidades dos Estados Unidos, até que em 1934 sua família fixou residência em Los Angeles, Califórnia. Morreu aos 91 anos[1] , de causas não divulgadas.

Bradbury é mais conhecido pelas suas obras The Martian Chronicles (Crônicas Marcianas) (1950) e Fahrenheit 451 (1953).

Cronologia[editar | editar código-fonte]

  • 1938 - Bradbury se gradua na Los Angeles High School (Segundo grau). Sua educação formal termina neste ano, mas ele continua a estudar por conta própria.
  • 1938 - 1942 - Trabalha como jornaleiro nas ruas de Los Angeles.
  • 1938 - 1939 - Publica em um fanzine de ficção científica o conto "Hollerbochen's Dilemma".
  • 1941 - Sua primeira publicação paga foi o conto "Pendulum", que apareceu na revista Super Science Stories. Este Pulp (conto de preço acessível) foi escrito em parceria com Henry Hasse.
  • 1942 - Ele escreve "The Lake", obra com a qual ele descobriu o seu estilo de escrever, mesclando ficção científica com tons de terror e suspense.
  • 1943 - Ele começa a trabalhar em um jornal para o qual contribui com vários contos.
  • 1945 - Seu conto "The Big Black and White Game" é selecionado como melhor conto de de ficção da America, desse ano.
  • 1947 - Bradbury casa-se com Marguerite McClure, neste mesmo ano publica "Dark Carnival", que agrega uma série de contos de terror.
  • 1950 - Publica Crônicas Marcianas "The Martian Chronicles", com esta obra que engloba 26 contos, ele ganha sua reputação de escritor de ficção científica. Este livro também é publicado na Inglaterra com o título "Silver Locusts" O gafanhoto de Prata.
  • 1951- Publica The Illustrated Man, lançado no Brasil como: "Uma sombra passou por aqui" e que se tornou filme.
  • 1953 - Publica Fahrenheit 451, obra que se transformou posteriormente em filme em 1966 do cineasta francês François Truffaut.
  • 1954 - Trabalha com roteiros de filmes para o cinema e poesias, em 1954 ganha o prêmio The Benjamin Franklin, por seus contos.
  • 1956 - Foi o autor do roteiro da adaptação cinematográfica de Moby Dick, dirigida por John Huston.
  • 1967 - Ganha um prêmio da Academia de Escritores de Aviação Espacial, com um artigo que foi publicado na Revista Americana de Aeronáutica sobre o espaço. Também neste mesmo ano recebe o reconhecimento de outros escritores e é considerado um mestre entre os escritores de F.C. da América. Também cria uma animação sobre uma história de um aviador, Icarus Montgolfier Wright, esta animação concorre a um Oscar, e seu filme The Hallowen Tree, ganha um Emmy.
  • Década de 1980 - É contratado como consultor e criador para o cenário do Epcot Center na Disney World e também contribui para a concepção da aventura que engloba um cenário espacial na Euro Disney na França.
  • 1988 - Publica "The Toynbee Convector" , esta foi sua última obra marcante. Ray Bradbury ainda escrevia para o cinema e televisão.
  • 2012 - Morre em Los Angeles no dia 6 de junho, aos 91 anos. A pedido seu, a sua lápide funerária no cemitério Westwood Village Memorial Park, contém o epitáfio: «Autor de Fahrenheit 451».[2]

Pseudônimos[editar | editar código-fonte]

Alguns pseudônimos usados por Ray Bradbury foram Doug Rogers, Ron Reynolds, Guy Amory, Omega, Anthony Corvais, E. Cunningham, Brian Eldred, Cecil Cunningham, D. Lerium Tremaine, Edward Banks, D.R.Banet, Willian Elliot, Brett Sterling, Leonard Spaulding, Leonard Douglas, Douglas Spaulding.

Obras[editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]


Coleção de contos[editar | editar código-fonte]

Adaptações de sua obra[editar | editar código-fonte]

Muitas das histórias e novelas de Bradbury têm sido adaptadas para o cinema, rádio, televisão, teatro e quadrinhos. De 1951 a 1954, 27 histórias foram adaptadas por Al Feldstein para a EC Comics, e dessas, 16 foram reunidas em brochuras, "The Autumn People" (1965) e "Tomorrow Midnight" (1966).

Também no início dos anos 50, adaptações das suas histórias foram televisionadas numa variedade de programas como Tales of Tomorrow, Lights Out, Out There, Suspense, CBS Television Workshop, Jane Wyman's Fireside Theatre, Star Tonight, Windows e Alfred Hitchcock Presents. The Merry-Go-Round, um filme de meia hora adaptado do livro The Black Ferris, pela Variety, foi mostrado no Starlight Summer Theater em 1954 e na "NBC Sneak Preview" de 1956.

Em 1966 François Truffaut adaptou Fahrenheit 451 para os cinemas.

Em 1969, The Illustrated Man foi levado para o cinema, estrelando o ganhador do Oscar Rod Steiger, Claire Bloom e Robert Drivas. Contendo o prólogo e três histórias curtas do livro, o filme recebeu críticas medíocres.

De 1985 a 1992 Bradbury apresentou uma série de TV, The Ray Bradbury Theater, para a qual adaptou 65 de suas histórias. Cada episódio começa com uma tomada de Bradbury em sua sala, narrando momentos de sua vida que lhe deram ideias para as histórias.

As Crônicas Marcianas se tornaram uma minissérie de TV em três partes, estrelando Rock Hudson, apresentada pela primeira vez pela NBC em 1980.

Em 1984, Michael McDonough da Brigham Young University produziu "Bradbury 13," série com treze adaptações em áudio das histórias famosas de Ray Bradbury, em conjunto com a National Public Radio. As dramatizações do elenco apresentaram adaptações de "The Man," "The Ravine," "Night Call, Collect," "The Veldt," "Kaleidoscope," "There Was an Old Woman," "Here There Be Tygers," "Dark They Were, and Golden Eyed," "The Wind," "The Fox and the Forest," "The Happiness Machine," "The Screaming Woman" e "The Sound of Thunder". Vozes famosas do ator Paul Frees como narrador, enquanto o próprio Bradbury era responsável pela voz de abertura; Greg Hansen e Roger Hoffman pontuavam os episódios. As séries ganharam um prêmio Peabody e dois prêmios Gold Cindy. A série ainda não foi produzida em CD mas é fortemente comercializada por fãs da 'Era do Rádio'.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Clipe[editar | editar código-fonte]

  • (2010) Fuck me, Ray Bradbury - Clipe da cantora Rachel Bloom em homenagem ao escritor, onde ela cita várias de suas obras. Disponível no YouTube.
  • (2012) The Veldt - Clipe do produtor deadmau5 em parceria com o cantor e também produtor Chris James, baseada na short-story de mesmo nome. Disponível no YouTube.

Referências

  1. publico.pt (6-6-2012). Morreu o escritor Ray Bradbury, o mestre da ficção científica 6-6-2012. Visitado em 6-6-2012.
  2. Guthrie, Bruce. CA -- Westwood -- Pierce Bros. Westwood Village Memorial Park: Ray Bradbury (em inglês) Bruce Guthrie Photos. Visitado em 8 de junho de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Ray Bradbury
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ray Bradbury