Raymond Moody

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Raymond Moody
Nascimento 30 de Junho de 1944 (70 anos)
Porterdale
Nacionalidade Povo dos Estados Unidos norte-americano
Ocupação psiquiatra, psicólogo, parapsicólogo e filósofo natural

Raymond Moody (n. 30 de Junho de 1944) é um psiquiatra, psicólogo, parapsicólogo e filósofo natural de Porterdale, Geórgia, Estados Unidos da América. É amplamente conhecido como autor de livros sobre vida depois da morte e experiências de quase-morte, um termo criado pelo próprio em 1975.[1] O seu título mais vendido é Vida Depois da Vida.

Estudos[editar | editar código-fonte]

Moody estudou filosofia na Universidade da Virgínia, onde obteve bacharelato em artes em 1961, mestrado em 1967 e posterior doutoramento em filosofia em 1969. Obteve também doutoramento em psicologia na Universidade da Georgia Ocidental onde se tornou professor nessa área.[2]

Em 1976, foi premiado com um doutoramento em medicina pela Faculdade de Medicina da Geórgia. Em 1998, foi nomeado Mestre em Estudos da Consciência na Universidade de Nevada, Las Vegas. Após a obtenção do seu doutoramento, Moody trabalhou como psiquiatra forense num hospital de máxima segurança do estado da Geórgia.[3]

Casado de terceiras núpcias, vive com a sua esposa Cheryl e um filho adoptivo, de nome Carter em Las Vegas, Nevada

Obra[editar | editar código-fonte]

O livro mais famoso de Moody deu origem ao filme homónimo Vida Depois da Vida, o qual lhe valeu uma medalha de bronze na categoria Relações Humanas no Festival de cinema de Nova Iorque. Recebeu também o prémio World Humanitarian Award.

Pesquisa[editar | editar código-fonte]

O Teatro Memorial da Mente Dr. John Dee é um instituto de pesquisa sediado em Alabama, fundado pelo Dr. Raymond Moody, descrito como sendo um local onde é possível experimentar um estado alterado de consciência, com a intenção de invocar aparições de mortos. Um dos métodos utilizados para obter este estado, foi designado de cristalomancia ou olhar ao espelho.[4]

Moody também pesquisou sobre regressão a vidas passadas e acredita que ele próprio já teve nove reencarnações.[5]

A partir do estudo descrito no livro Vida Depois da Vida, e com o auxílio dos depoimentos de cerca de 150 pessoas que sofreram de morte clínica, ou aos quais havia sido diagnosticado que tinham quase morrido, Moody concluiu que existiam nove experiências comuns à maioria das pessoas que passaram pela experiência de quase-morte, tais como[6] :

  1. ouvir um zumbido nos ouvidos;
  2. um sentimento de paz e ausência de dor;
  3. ter uma experiência fora do corpo;
  4. sentir-se a viajar dentro de um túnel;
  5. sentir-se a subir pelos céus;
  6. ver pessoas, principalmente familiares já falecidos;
  7. encontrar seres espirituais, por vezes identificados como sendo Deus;
  8. ver uma revisão da própria vida;
  9. sentir uma enorme relutância em voltar à vida.

Bibliografia parcial[editar | editar código-fonte]

  • Vida Depois da Vida
  • Reflexões sobre Vida depois da Vida
  • Para lá da Luz
  • Reuniões
  • Vida Depois da Perda
  • Voltar Atrás
  • Reflexões
  • A Última Risada

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. New York Times Staff. Paperback Best Sellers; Mass Market. The New York Times Book Review, October 23, 1977.
  2. Chris Aanstoos, A Brief History of theWest Georgia Humanistic Psychology Program, "The West Georgia Story." The Humanistic Psychologist, 17(1). 77–85., 1989. Visto em 31/01/2014.
  3. Sharon Barbell, Play and the Paranormal: A Conversation with Dr. Raymond Moody, 14850 Magazine, November 1993. Archived on 2011-07-07.
  4. Raymond Buckland (2005). The Spirit Book: The Encyclopedia of Clairvoyance, Channeling, and Spirit Communication. Visible Ink Press. p. 267. ISBN 978-1578592135
  5. Moody and Perry, Coming Back: a psychiatrist explores past life journeys, pp. 11–28.
  6. http://www.near-death.com/experiences/experts03.html

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.