Ready to Die

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ready to Die
Álbum de estúdio de Notorious B.I.G.
Lançamento 13 de setembro de 1994 (1994-09-13)
Gravação 1993-1994
Gênero(s) Rap
Duração 68:58
Idioma(s) Inglês
Formato(s) CD
Gravadora(s) Bad Boy
(73000)
Produção Sean "Puffy" Combs (exec.), Easy Mo Bee, Chucky Thompson, Pete Rock, Poke, Bluez Brothers, DJ Premier, Lord Finesse, Darnell Scott
Certificação Estados Unidos RIAA - Quadruple Platinum.png 4× Platina[1]
Cronologia de Notorious B.I.G.
Último
Último
Life After Death
(1997)
Próximo
Próximo
Singles de Ready to Die
  1. "Juicy"
    Lançamento: 8 de agosto de 1994
  2. "Big Poppa"
    Lançamento: 20 de fevereiro de 1995
  3. "One More Chance"
    Lançamento: 9 de junho de 1995

Ready to Die é o primeiro álbum de estúdio do rapper estadunidense The Notorious B.I.G., lançado em 13 de setembro de 1994 pela Bad Boy Records.[2] Este foi o primeiro grande lançamento da gravadora. Ele foi gravado entre 1993 e 1994 no The Hit Factory e no D&D Studios, estúdios localizados na Cidade de Nova Iorque.[3] O disco, parcialmente autobiográfico, conta as experiências de Notorious BIG como um jovem criminoso, intitulando-se como "o Frank White negro".

Ready to Die foi o único álbum lançado por Notorious durante a sua carreira, pois o rapper foi assassinado poucos dias antes do lançamento de Life After Death, em 1997.[4] O álbum recebeu diversas opiniões positivas e tornou-se um sucesso comercial, recebendo a certificação de platina quádrupla por suas vendas.[2] Foi significativo para a reabilitação da Costa Leste do hip hop, em meio a dominação da Costa Oeste.[5] O álbum possui três singles, com destaque para o segundo, "Big Poppa", que foi nomeado para o Grammy Award de 1996 na categoria Melhor Performance Solo de Rap. Em 2003, Ready to Die foi escolhido pela revista Rolling Stone como o 133° na lista dos melhores álbum de todos os tempos, tornando-se o terceiro disco de rap mais bem posicionado. Em 2006, a revista Time o incluiu na lista dos 100 melhores da história.[6]

Conceito[editar | editar código-fonte]

Gravação[editar | editar código-fonte]

O álbum foi gravado em dois períodos diferentes entre 1993 e 1994 na cidade de Nova Iorque, nos estúdios D&D Studios e, principalmente, no The Hit Factory.[7] Notorious assinou contrato com a Uptown Records, de Sean "Puff" Combs em 1993, iniciando no mesmo período a gravação de Ready to Die.[8] As primeiras faixas do disco mostram um período mais "escuro" e que dificilmente iriam tocar nas rádios (dentre elas estão "Ready to Die", "Gimme the Loot" e "Things Done Changed"). Em relação a tais músicas, a revista XXL descreveu Notorious como "inexperiente, muito apressado e com um som paranóico".[9]

Quando o produtor executivo do álbum, Sean Combs, foi demitido da Uptown, a carreira de Biggie foi estancada no limbo, pois somente uma parte do disco havia sido concluída. Após um pequeno periódo narcotraficando na Carolina do Norte, o rapper voltou ao estúdio na recém-criada gravadora do mesmo Combs, a Bad Boy Records. Gravou então as últimas faixas de Ready to Die, descritas como "suaves, em tom mais confiante" e completou o álbum.[7] Neste momento, as canções que recebiam maior destaque eram gravadas no formato de single. A XXL também descreveu que com o tempo as faixas anteriores eram substituídas por freestyles feitos dentro do estúdio.[9]

Capa[editar | editar código-fonte]

O álbum foi lançado estampando uma capa com um bebê parecido ao artista - embora ostentando um cabelo afro - mostrando o conceito desde o nascimento a morte de Notorious. Tal capa foi listada como uma das melhores de todos os tempos do rap.[10] No entanto, os rappers Raekwon e Ghostface Killah, membros do Wu-Tang Clan, implicaram que tal arte já havia sido utilizada por Nas, no seu álbum de estreia, Illmatic.[11] Posteriormente, um conceito similar foi usado em Tha Carter III, do rapper Lil Wayne.[12]

Música[editar | editar código-fonte]

Letras[editar | editar código-fonte]

As letras das músicas de Notorious B.I.G. foram bastante elogiadas pela crítica. Muitos críticos destacaram sua habilidade de contar histórias, como Steve Huey, da Allmusic, o qual comentou: "Seus raps são fáceis de entender, sem o uso de palavras difíceis - possui um fluxo bom, um flow simples e um talento de colocar uma rima em cima da outra em um curto período de tempo." Ele também mencionou que suas letras são "profundamente enraizadas na realidade, mas descritas como cenas de filme."[2] Touré, escritor do The New York Times, referiu-se a Notorious B.I.G. como alguém que saiu do padrão utilizado pelos outros rappers, porque "suas letras misturam detalhes autobiográficos com temas como crime e violência, com honestinade emocional, dizendo como se sentiu no tráfico de drogas."[13] O álbum também é reconhecido por ter um tom sombrio e sinistro, como alguém que estivesse com depressão.[2] Na opinião original da Rolling Stone, Cheo H Coker afirmou que "ele mantém um nível consistente de tensão pela justaposição de momentos emocionais altos e baixos."[14]

As letras em Ready to Die tendem a lidar com a violência, o tráfico de drogas, mulheres e prostitutas, álcool e o uso da maconha, além de outros elementos que estavam ao redor de Notorious. Ele cantou sobre esses temas "de forma clara, com termos esparsos, permitindo quem ouvisse pela primeira vez compreender a situação".[14] A introdução do álbum mostra seu nascimento, sua infância, sua adolescência e como a vida se encontrava no momento do lançamento do disco.[13] A canção "Things Done Changed" foi uma das únicas músicas de hip hop a entrarem na The Norton Anthology of African American Literature.[15] Músicas do álbum incluem de narrativas de homicídio ("Warning") até batalhas de freestyle ("The What," "Unbelievable"). Na última música do disco, "Suicidal Thoughts", Notorious B.I.G. contempla Ready to Die cometendo suicídio.[16]

Produção[editar | editar código-fonte]

A produção do álbum foi feita principalmente por Easy Mo Bee e Chucky Thompson, e, semelhante as letras, foi bem recebida pela crítica. A Rolling Stone descreveu as batidas como "fundos calmos e pesados", reforçando pela relação com o lírico.[14] A produção utilizou basicamente samples de músicos de funk e soul da década de 1980 e vocais de cantores de rap do mesmo período. Steve Huey, no entanto, apresentou algumas críticas negativas para as batidas: "às vezes as batidas não tiveram nada a ver com a letra, mas isso pouco importa: o show é de Biggie!"[2] Cheo H. Coker retratou as batidas como "um fundo pesado e rápido, mas seria necessário aprimorar um pouco da base, para ver qual instrumento se adequa melhor. A produção é usada para levar o rapper a novos ares."[14]

Singles[editar | editar código-fonte]

Foram lançados três singles do álbum: "Juicy", "Big Poppa" e "One More Chance", além de uma faixa promocional: "Warning". De acordo com a XXL estas canções representam a parte mais comercial do álbum, em comparação com as demais, resultado do encorajamento de Combs para que algumas faixas fossem regravadas.[9]

"Juicy"[editar | editar código-fonte]

"Juicy"
Trecho da canção "Juicy".

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.

"Juicy" foi lançada como single em 8 de agosto de 1994. Ela chegou a estar na 27ª posição da Billboard Hot 100, na 14ª da Billboard R&B/Hip-Hop Songs e alcançou o 3° lugar do Hot Rap Singles.[2] Como vendeu mais de 500.000 cópias, a RIAA certificou-o como Ouro em 8 de novembro do mesmo ano.[17]

Produzido por Sean Combs, ele possui samples de "Juicy Fruit", da banda Mtume. Steve Huey, editor da Allmusic, afirmou que, junto com os outros singles, este tem "uma visão otimista, conciliando com um objetivo comercial", chamando-a de "uma crônica sobre a riqueza".[2] Andrew Kameka, do HipHopDX.com, afirmou que a música era "uma das suas melhores e mais reveladoras canções", complementando que "é uma parte da sua autobiografia, uma parte do seu sucesso. Ela documenta a transição de uma estrela desconhecida do Brooklyn para a capa de uma revista."

O produtor Pete Rock, o qual foi selecionado para remixar a faixa, alegou que Combs roubou a ideia original da canção e do instrumental após uma conversa entre os dois. Rock explicou isso em uma entrevista com a Wax Poetics:[18]

Cquote1.svg Eu fiz a versão original e não recebi nenhum crédito por isso. Vieram até a minha casa, ouviram a batida do beat na caixa de ritmos. Você vem até a minha residência para ouvir uma música e a rouba. Ele ouviu essa merda e a próxima coisa que ele fez você já sabe. Me mandaram fazer um remix, mas eu digo às pessoas, eu vou lutar até o fim, para comprovar que eu fiz a versão original. Eu não estou bravo com ninguém, só quero o crédito correto.[18] Cquote2.svg

O remix de Rock incluiu o mesmo sample que a música original.[18]

"Big Poppa"[editar | editar código-fonte]

"Big Poppa" foi lançado como o segundo single em 20 de fevereiro de 1995 e semelhante ao single anterior, foi sucesso em várias paradas musicais. Alcançou a sexta posição na Billboard Hot 100, a quarta no Hot R&B/Hip-Hop Singles & Tracks e o topo da Hot Rap Singles.[2] Vendeu mais de um milhão de cópias e a RIAA certificou como platina em 23 de maio de 1995.[17]

Contou com a produção de Combs e Chucky Thompson, e utilizou samples de "Between the Sheets", da banda The Isley Brothers. "Big Poppa" foi nomeada para o Grammy Awards de 1996 na categoria Grammy Award de Melhor Performance Solo de Rap, mas perdeu para "Gangsta's Paradise" de Coolio.[19] Steve Huey a nomeou como "um hino de amor excessivo".[2]

"One More Chance"[editar | editar código-fonte]

"One More Chance" foi lançado como o terceiro single em 9 de junho de 1995. Foi produzido por Combs e contou com samples de "I Want You Back" de The Jackson 5 e de "Hydra" de Grover Washington, Jr.. Chegou a estar no 2° lugar da Billboard Hot 100 e na primeira posição da Hot R&B/Hip-Hop Singles & Tracks e do Hot Rap Singles.[2] Semelhante à "Big Poppa", vendeu mais de 1 milhão de cópias e foi certificada como platina pela RIAA em 31 de julho de 1995.[17]

Steve Huey a classificou como um "rap de sexo explícito". Cheo H. Coker, escritor da Rolling Stone, tem uma visão parecida sobre a canção, observando que ela era "um dos raps mais obscenos sobre sexo desde o clássico "Talk Like Sex", de Kool G Rap", e complementou que "esta canção hilária prova simplesmente porque B.I.G. gosta de vulgaridade".[14]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg[20]
Blender 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg[21]
Robert Christgau (A-)[22]
The New York Times (favorável)[23]
RapReviews 10/10[24]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg 1994[25]
Sputnik Music 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[26]
The Source 4.5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar half.svg[27]
Stylus Magazine (favorável)[28]
Yahoo! Music (favorável)[29]

Reação inicial[editar | editar código-fonte]

Após o seu lançamento, Ready to Die recebeu diversas críticas positivas, ao contrário de outros álbuns aclamados da costa leste gravados no mesmo período (incluindo Enter the Wu-Tang (36 Chambers) do Wu-Tang Clan, e Illmatic de Nas).[30] Seu sucesso foi impulsionado pela execução das canções nas principais rádios e a exibição dos singles "Big Poppa" e "Juicy" na MTV. A Rolling Stone elogiou a habilidade de Biggie fazer rimas: "pintando um retrato sonoro tão brilhante que faz você ser transportado até a canção". A revista Q escreveu: "a forma natural de fazer rap, utilizando de forma inteligente efeitos sonoros e diálogos, e um conceito… bastante superior da classe média do gangsta."[30] O álbum alcançou a posição #3 e #15 na Billboard 200 e na Top R&B/Hip-Hop Albums, respectivamente, fazendo o disco ser certificado quatro vezes platina.[17]

Aclamação posterior[editar | editar código-fonte]

Mesmo depois do seu lançamento, o álbum continuou sendo bastante aclamado. Em 1998, foi escolhido pela revista The Source um dos cem melhores de todos os tempos no rap.[31] A Rolling Stone, que em 1994 havia classificado Ready to Die como 4.5/5 estrelas, em 2005 mudou sua avaliação para 5/5, nota máxima.[32] Em 2003, o disco foi escolhido pela mesma Rolling Stone como o 133º melhor álbum de todos os tempos, tornando-se o terceiro melhor do gênero, atrás apenas de It Takes a Nation of Millions to Hold Us Back do Public Enemy, e Raising Hell do Run-D.M.C., mas o primeiro da década de 1990 e o primeiro a ser de estreia.[14] Ainda, Ready to Die foi ranqueado pela revista Spin o 27° dos Melhores Álbuns entre 1985 e 2005.[33]

Faixas[editar | editar código-fonte]

# Título Produtor(s) Sample(s)[34] [35] Gravada Duração
1 "Intro" Sean "Puffy" Combs 1993 3:24
2 "Things Done Changed" Darnell Scott 1993 3:58
3 "Gimme the Loot" Easy Mo Bee 1993 5:04
4 "Machine Gun Funk" Easy Mo Bee 1993 4:17
5 "Warning" Easy Mo Bee 1994 3:40
6 "Ready to Die" Easy Mo Bee 1993 4:24
7 "One More Chance" The Bluez Brothers,
Chucky Thompson,
Sean "Puffy" Combs
1994 4:43
8 "#!*@ Me"(Interlúdio) Sean "Puffy" Combs 1994 1:31
9 "The What" (part. Method Man) Easy Mo Bee 1994 3:57
10 "Juicy" Pete Rock (não creditado) 1994 5:02
11 "Everyday Struggle" The Bluez Brothers 1994 5:19
12 "Me & My Bitch" The Bluez Brothers,
Chucky Thompson,
Sean "Puffy" Combs
1993 4:00
13 "Big Poppa" Chucky Thompson,
Sean "Puffy" Combs
1994 4:13
14 "Respect" Jean "Poke" Oliver,
Sean "Puffy" Combs
1994 5:21
15 "Friend of Mine" Easy Mo Bee 1994 3:28
16 "Unbelievable" DJ Premier 1994 3:43
17 "Suicidal Thoughts" Lord Finesse 1994 2:50
18 * "Who Shot Ya?" Sean "Puffy" Combs,
Nashiem Myrick
1994 5:19
19 * "Just Playing (Dreams)" Rashad Smith 1993 2:43

Créditos[editar | editar código-fonte]

As seguintes pessoas trabalharam no álbum Ready to Die:[36]

Paradas musicais[editar | editar código-fonte]

Aclamação[editar | editar código-fonte]

  • A informação da aclamção do álbum é proveniente do site Acclaimedmusic.net,[38] exceto por listas lançadas em todo o mundo.
  • (*) significa listas não-ordenadas
Publicação País Aclamação Ano Rank
About.com Estados Unidos 100 Grandes Álbuns de Hip Hop[39] 2008 5
Melhores Álbuns de Rap de 1994[40] 2008 2
10 Álbuns Essenciais de Hip Hop[41] 2008 3
Blender 500 CDs que você deve comprar antes de você morrer 2003 *
Dance De Lux Espanha Os 25 Melhores Discos de Hip Hop 2001 21
ego trip Estados Unidos 25 Grandes Álbuns de Hip Hop entre 1980 e 1998 1999 2
Mojo Reino Unido Mojo 1000, o Guia dos CDs Ultimate 2001 *
The Mojo Collection, 3ª e 4ª edição 2003 *
MTV Estados Unidos Os Grandes Álbuns de Hip Hop de Todos os Tempos[42] 2005 4
The New Nation Reino Unido Top 100 Álbuns de Artistas Negros 2005 8
Pause & Play Estados Unidos Álbuns introduzidos no Time Capsule, um por semana *
Pitchfork Media Top 100 Álbuns Favoritas da Década de 90 2003 32
Pure Pop México Álbuns do Ano 1994 18
Q Reino Unido The Ultimate Music Collection 2005 *
Robert Dimery Estados Unidos 1001 Álbuns Que Você Deve Ouvir Antes Que Você Morra 2005 *
Rolling Stone 500 Melhores Álbuns de Sempre 2003 133
As Gravações Essenciais dos Anos 90 1999 *
The Source Os 100 Melhores Álbuns de Rap de Todos os Tempos 1998 *
Os 100 Álbuns de Música Negra de Todos os Tempos[43] 2006 8
Spin Top 100 (+5) Álbuns dos Últimos Vinte Anos 2005 30
Top 90 Álbuns dos Anos 90 1999 27
Time Top 100 Álbuns de Todos os Tempos 2006 *
Vibe 100 Álbuns Essenciais do Século 20 1999 *
Village Voice Álbuns do Ano 1994 38
VPRO Países Baixos 299 Nomeações para Melhor Álbum de Todos os Tempos 2006 *

Referências

  1. "American album certifications – Notorious B.I.G. – Ready to Die" Recording Industry Association of America. Visitado em 25 de maio de 2014.
  2. a b c d e f g h i j Ready to Die - The Notorious B.I.G. www.allmusic.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  3. Notorious Big: Ready To Die completa 16 anos hoje.O clássico disco Ready To Die foi lançado no dia 13 de Setembro de 1994. O disco de estreia do rapper Notorious B.I.G., teve a direção executiva do Sean “Diddy” Combs e foi lançado pela Bad Boy Records. www.revistaplatina.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  4. Notorious B.I.G. morre assassinado - Ontem, hoje e sempre www.rockwave.com.br. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  5. The Notorious B.I.G. www.allmusic.com. Visitado em 26 de Dezembro]] de 2010.
  6. The All-TIME 100 Albums: Ready to Die by The Notorious B.I.G. www.time.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  7. a b 411mania.com: Music - Prelude To A Legacy 2.06.09: Ready To Die www.411mania.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  8. Notorious B.I.G. www.mtv.pt. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  9. a b c The Making of Ready to Die:Family Business www.xxlmag.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  10. Sacha Jenkins, Elliott Wilson, Chairman Mao, Gabriel Alvarez & Brent Rollins. ego trip's Book of Rap Lists, New York: St. Martin's Press, 1999, p. 167. ISBN 9780312242985
  11. Raekwon. "Shark Niggas (Biters)", Only Built 4 Cuban Linx…, Loud, 1995. See also: Nas. "Last Real Nigga Alive", God's Son, Columbia, 2002.
  12. Reviews : Lil Wayne: Tha Carter III 24hourhiphop.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  13. a b POP MUSIC - POP MUSIC - Biggie Smalls, Rap's Man of the Moment - Biography - NYTimes.com query.nytimes.com. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.
  14. a b c d e f 500 Greatest Albums of All Time: Ready to Die - The Notorious B.I.G. www.rollingstone.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  15. Contents books.wwnorton.com. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.
  16. SUICIDAL THOUGHTS (TRADUÇÃO) - NOTORIOUS B.I.G. (letra e vídeo) letras.terra.com.br. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.
  17. a b c d RIAA - Gold & Platinum - December 26, 2010 www.riaa.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  18. a b c Wax Poetic interview - Pete Rock - tribe.net peterock.tribe.net. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.
  19. Rock On The Net: 38th Annual Grammy Awards - 1996 www.rockonthenet.com. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.
  20. Ready to Die - The Notorious B.I.G. www.allmusic.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  21. Ready to Die - Blender www.blender.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  22. Robert Christgau: CG: Notorious B.I.G. www.robertchristgau.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  23. POP MUSIC; Biggie Smalls, Rap's Man of the Moment - New York Times www.nytimes.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  24. Notorious B.I.G. :: Ready to Die :: Bad Boy/Arista www.rapreviews.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  25. Coker, Cheo H. Review: Ready to Die. Rolling Stone. Retrieved on 2009-11-08.
  26. The Notorious B.I.G. - Ready to Die (album review) www.sputnikmusic.com. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.
  27. biggie_source1094.jpg (imagem JPEG, 1195×1509 pixels) - Redimensionada (37%) pressrewind.files.wordpress.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  28. Notorious BIG - Ready to Die - On Second Thought - Stylus Magazine www.stylusmagazine.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  29. WebCite query result www.webcitation.org. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  30. a b Music: Ready to Die: The Remaster (CD) by The Notorious B.I.G. (Artist) www.tower.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  31. ~~~~ www.rocklist.net ~~~~ www.rocklist.net. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  32. Classic review : Ready To Die in The Source (1994) « Press Rewind If I Haven't... ifihavent.wordpress.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  33. Acclaimed Music - Ready to Die www.acclaimedmusic.net. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  34. Search www.the-breaks.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  35. Ready To Die: The Samples kevinnottingham.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  36. Ready to Die by The Notorious B I G @ ARTISTdirect.com - Shop, Listen, Download www.artistdirect.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  37. a b Ready to Die - The Notorious B.I.G. www.allmusic.com. Visitado em 26 de Dezembro de 2010.
  38. Acclaimed Music - Ready to Die www.acclaimedmusic.net. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.
  39. The Greatest Hip-Hop Albums of all Time - Top 100 Rap/Hip-Hop Albums about.com. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.
  40. Best Rap Albums of 1994 about.com. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.
  41. Top 10 Essential Hip-Hop Albums - 10 Essential Rap/Hip-Hop Albums about.com. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.
  42. MTV.com: The Greatest Hip-Hop Albums Of All Time www.mtv.com. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.
  43. TREVORNELSON.COM :: TOP 100 www.trevornelson.com. Visitado em 27 de Dezembro de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]