Rebelião Heiji

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rebelião Heiji
平治の乱
Heiji no ran
Heiji rokuhara gyoukou.jpg
Imperador Nijō fugindo do palácio imperial durante o confronto entre os clãs Taira e Minamoto no período Heian
Data 19 de janeiro a 05 de fevereiro de 1160
Local Kyoto , Japão
Desfecho Vitória Taira;
Líderes dos Minamoto banidos
Casus belli confronto entre os clãs Taira e Minamoto no período Heian
Combatentes
Clã Taira,
Forças do Imperador Nijo,
Forças do Imperador Go-Shirakawa
Clã Minamoto
Comandantes
Taira no Kiyomori,
Taira no Shigemori,
Fujiwara no Michinori
Minamoto no Yoshitomo,
Minamoto no Yoshihira,
Fujiwara no Nobuyori
Forças
400.000, incluindo 3.000 de cavalaria

A Rebelião Heiji (平治の乱, Heiji no ran?, 19 de janeiro5 de fevereiro de 1160) [1] foi uma pequena guerra civil travada para resolver uma disputa sobre o poder político durante o período Heian da história do Japão. O confronto Heiji no ran envolveu grupos que tinha posições contrárias se Imperador Go-Shirakawa deveria ou não se tornar um imperador de clausura em 1159. Esta rebelião foi precedida pela Rebelião Hōgen de 1156. O conflito foi resultado direto da disputa anteriormente decorrida, contudo, ao contrario da Rebelião Hōgen, não foi um conflito entre membros de um mesmo clã. Pelo contrário, tornou-se um confronto pelo poder entre dois clãs rivais, o clã Taira e o clã Minamoto, que deu origem à ampla guerra civil [2] .

Contexto[editar | editar código-fonte]

Como aconteceu anteriormente com outros imperadores do Período Heian, Go-Shirakawa resolveu abdicar de seu papel formal como imperador, mas sem abdicar nenhum poder político ao seu sucessor (Insei).

Em 5 de setembro de 1158 (no 11º dia do oitavo mês do 3º ano de Hōgen), no 3º ano do reinado de Go-Shirakawa-tennō (後白河天皇25年?), o imperador abdicou; e a sucessão foi recebido pelo seu filho mais velho, o Imperador Nijo.

Após Nijo ser formalmente entronizado, a gestão de todos os assuntos continuou se assentar inteiramente nas mãos de Go-Shirakawa [3] .

No final de 1159, Taira no Kiyomori, líder dos Taira e apoiador de Nijo, deixou Kyōto com sua família, em uma peregrinação pessoal. Isso deixou aos seus inimigos, Fujiwara no Nobuyori e o Clã Minamoto, uma oportunidade perfeita para efetuar um levante.

Combate[editar | editar código-fonte]

No início de janeiro de 1160, depois que Kiyomori deixou Kyoto, Nobuyori e Minamoto no Yoshitomo viram uma oportunidade de efetuar as mudanças que procuravam no governo. Com uma força de cerca de quinhentos homens, atacaram na noite, sequestrando Go-Shirakawa , e atearam fogo no Palacio. Episódio que ficou conhecido como Cerco do Palácio Sanjō. Eles também sequestraram e prenderam em seguida o Imperador Nijo, que apoiava seus inimigos, Fujiwara no Michinori e o Clã Taira [4] .

Em seguida, atacaram a mansão de Michinori, incendiando-a e matando todos os seus ocupantes, com a exceção do próprio Michinori, que foi capturado e mais tarde decapitado. Nobuyori forçou o Imperador Nijo a nomeá-lo Daijō Daijin, completando um importante passo para ganhar o poder sobre seus rivais [5] .

No entanto, Yoshitomo não planejou militarmente o suficiente, não estavam preparados para defender a cidade contra o retorno de Kiyomori

Quando Kiyomori voltou a Kyoto, afirmando que se renderia a Nobuyori. No entanto, esta foi uma encenação com a finalidade de deixar Nobuyori descuidado, e libertar Nijo e Go-Shirakawa, levando-os para a sua mansão Rokuhara [4] .

Kiyomori recebeu uma autorização imperial para atacar Yoshitomo e Nobuyori. Taira no Shigemori (o filho mais velho de Kiyomori) liderou 3.000 homens da cavalaria e atacaram o Palácio Imperial, onde Yoshitomo e Nobuyori estavam escondidos. Nobuyori fugiu imediatamente, mas Minamoto no Yoshihira (o filho mais velho de Yoshitomo) reagiu e uma feroz batalha ocorreu. Yoshihira perseguiu Shigemori pelo Palácio Imperial.

Uma parte da força Taira recuou e o Exercito Minamoto deixou o Palácio Imperial em perseguição. Esta foi outro embuste de Kiyomori. Quando as tropas Minamoto deixaram o Palácio o grosso das tropas Taira cortaram sua retaguarda invadindo o Palácio [4] .

Os Minamoto resolveram então atacar Rokuhara a base de Kiyomori. Deu-se ali uma batalha feroz, mas finalmente as forças Minamoto fugiram desordenadamente [4] .

Resultado[editar | editar código-fonte]

Em última análise, Taira no Kiyomori derrotou Yoshitomo, matou seus dois filhos mais velhos, além de Fujiwara no Nobuyori e resgatou Go-Shirakawa. Yoshitomo fugiu de Kyoto mas era constantemente atacado por monges guerreiros de Mii-dera que Yoshitomo tinha atacado a décadas passadas, e por fim acabou sendo traído e morto por um vassalo em Owari .

Depois, Kiyomori baniu o filho de Yoshitomo, Minamoto no Yoritomo, tomou as terras e as riquezas dos Minamoto e, formou o primeiro dos quatro governos dominados pelos samurais durante o Japão Feudal.

Legado[editar | editar código-fonte]

A rivalidade entre os clãs Minamoto e Taira foi agravada pela Rebelião Heiji. Isto levou às Guerras Genpei , terminando com a derrota decisiva dos Taira na Batalha de Dan no Ura em 1185.

O épico do Período Kamakura, Os Contos de Hōgen (保元物語, Hōgen monogatari?) fala sobre as façanhas dos samurais que participaram da Rebelião Hōgen [2] . Em conjunto com Os Contos de Heiji (平治物語, Heiji monogatari?) e o Os Contos de Heike (平家物語, Heike monogatari?) , essas histórias de guerra (軍記物語, Gunki monogatari?) descrevem a ascensão e queda dos clãs samurai Minamoto e Taira [6]

Referências

  1. Royall Tyler. The Tale of the Heike,(em inglês) Penguin, 2012 p. 783 ISBN 9781101601099
  2. a b Donald Keene. (1999). Seeds in the Heart: Japanese Literature from Earliest Times to the Late Sixteenth Century (em inglês). New York: Columbia University Press. pp. 616-623 ISBN 9780231114417; OCLC 246429887
  3. Isaac Titsingh (1834). Annales des Empereurs du Japon (em francês) Paris: Royal Asiatic Society, Oriental Translation Fund of Great Britain and Ireland. p.191-194 OCLC 5850691
  4. a b c d Jien, Delmer Myers Brown,The Future and the Past: A Translation and Study of the Gukanshō. (em inglês) University of California Press, 1979 p. 129 - 133 ISBN 9780520034600
  5. Jien, The Future and the Past p. 129
  6. Jonathan Clements A Brief History of the Samurai (em inglês) Hachette UK, 2013 pp. 51-63 ISBN 9781472107725
Ícone de esboço Este artigo sobre a história do Japão (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.