Rechã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Rechã é o maior distrito de Itapetininga, localizado no estado de São Paulo. Tem aproximadamente 7.000 habitantes. Está localizado a 42 km à oeste de Itapetininga, com acesso pela via Raposo Tavares SP-270, próximo ao município de Angatuba.

Um dos fatores da fundação do distrito foi a criação da Estrada de Ferro Sorocabana.

Tempos Dourados e Decadência[editar | editar código-fonte]

A estação foi inaugurada em 1907, com o nome de Herval. Em 1910, mudou para o nome atual, Rechã (ou Rechan). O prédio que ainda está lá hoje parece ser o original. Depois de passar mais de vinte anos desativada, com a extinção dos trens de passageiros do ramal, em 1978, a estação foi restaurada e passou a receber o trem de passageiros Sorocaba-Apiaí, no final de 1997. Rechã é um distrito afastado de Itapetininga, e, embora esse trem somente passasse duas vezes por dia - uma vez à noite, por volta das 21h, e outra vez de manhã, às 9h - a estação estava sempre cheia de pessoas para ver o trem chegar, como há 100 anos atrás.

Em fins de fevereiro de 2001, a estação foi desativada de vez. Em agosto de 2002, estava tudo abandonado, toda aquela vida se perdeu. Atualmente, a estação serve como rodoviária, tendo também um bar, além de uma base dos Correios. O vilarejo perdeu a alegria. No galpão hoje existe uma escola de capoeira.

Economia[editar | editar código-fonte]

O Distrito de Rechã abriga duas grandes empresas Rurais: a Citrosuco/Votorantim e a Granja Alvorada, responsável por grande parte da renda obtida anualmente pelo distrito, além de contar com empresas terceirizadas e serviços.

Problemas Sociais[editar | editar código-fonte]

Como forma de minimizar os problemas sociais decorrentes do descaso do poder público, uma série de ações sociais são desempenhadas por moradores e apoiadores. A Praça é o ponto de encontro da juventude rechaense, com música até altas horas da noite (muitas vezes ocorrendo excessos e ocorrencias ilegais), porém a presença policial é mínima, insufuciente para o atendimento à população, refletindo uma caótica situação de Segurança Pública. A Saúde também enfrenta um problema sério, pois conta com um único posto de saúde que opera em sua máxima potencialidade, longe de atender por completo a demanda da população. Na Educação, o Rechã possui uma creche, a EMEIF Profª Angelina G. da S. Martins e duas escolas, sendo elas a EE Profº Virgílio Silveira, destaque por realizar diversos trabalhos culturais junto à comunidade, principalmente voltados ao Meio Ambiente e a EMEF Julieta Rolim da Silva.

Política[editar | editar código-fonte]

O distrito do Rechã teve em sua história, dois vereadores atuando na Câmara Municipal de Itapetininga:

Religião[editar | editar código-fonte]

Atualmente, a população rechaense é muito voltada à religião. As denominações religiosas com maior número de adeptos são:

Lazer e Cultura[editar | editar código-fonte]

O distrito do Rechã é considerado um lugar prestigiado, pois fica entre o Rio Itapetininga e o Rio Capivari, alvo de diversos projetos ambientais referentes à proteção do Meio Ambiente, envolvendo vários colaboradores. Os projetos sociais são realizados pela Casa do Adolescente de Itapetininga, beneficiando diversas crianças e adolescentes. Possui também o Grupo de Capoeira Cordão de Ouro, que através da prática dessa tradicional expressão cultural, ensina as pessoas o que realmente é a cultura brasileira.

Ícone de esboço Este artigo sobre um distrito ou povoado é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.