Recozimento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Recozimento é um Tratamento térmico que tem por finalidade eliminar a dureza de uma peça temperada ou normalizar materiais com tensões internas resultantes do forjamento, da laminação, da trefilação.[1] No aquecimento de aços de baixo carbono (0,030%) ocorrem formações de partículas ultrafinas de austenita à medida que atingem e ultrapassam a menor temperatura crítica (Ac1). À medida que a temperatura sobe, o excesso de ferrita continua a se dissolver, finalmente desaparecendo no ponto crítico superior (Ac3).[2]

A estrutura resultante do recozimento é a normal ou seja: ferrita mais perlita, se o aço for hipoeutetóide, perlita mais cementita, se o aço for hipereutetóide e somente perlita, se for eutetóide.

Definição[editar | editar código-fonte]

No aquecimento para o recozimento, a temperatura deve situar-se a mais ou menos 50°C acima do limite superior da zona crítica . Para os aços hipoeutetóides, acima do limite inferior da zona crítica (linha A3). Para os aços hipereutetóides, acima da linha A1. Nestes últimos aços, procura-se não ultrapassar a linha A3 porque, no resfriamento lento, caso de recozimentos de aço-carbono, pode ocorrer a formação, nos contornos de grãos da austenita, de um invólucro contínuo e frágil de carbonetos, tornando os aços frágeis.

Para evitar o tempo muito longo exigido pelo recozimento, pode-se substituir o recozimento comum pelo recozimento isotérmico, em que o aquecimento é feito normalmente, mas o esfriamento é dividido em duas partes. Esfriamento rápido até uma temperatura situada na parte superior do diagrama de transformação isotérmica, onde fica até que a austenita se transforme nos produtos normais de transformação; a segunda etapa consiste no esfriamento até a temperatura ambiente, depois de completada a transformação da primeira etapa.

Outro tipo de recozimento é o de alívio de tensões, em que o aquecimento é feito a temperaturas abaixo da zona crítica. Seu objetivo é apenas aliviar as tensões originadas em processos de conformação mecânica, soldagem, corte por chama, endireitamento, usinagem, etc.

Existe ainda um forma de recozimento que se aplica a tiras e chapas de aço laminados a frio. Em que as peças são colocadas em recipientes vedados no interior de um forno com temperatura entre 600° e 700°C. Esse tipo de processo se chama recozimento em caixa.

O revenimento em ferro fundido branco reduz as tensões e melhora as propriedades mecânicas. O processo de aquecimento é muito longo e atinge temperaturas acima da linha A1, chegando a 800°C. Esse processo torna os carbonetos livres mais finos, eliminando a estrutura típica de ferro fundido.

No ferro fundido, o recozimento tende a aliviar as tensões causadas no resfriamento das peças. Outra propriedade importante é a melhora da usinabilidade mecânica do material. As temperaturas usadas para alívio de tensões são:

  • em elementos de liga - 500° a 565°C
  • sem baixo teor em lgas - 565° a 600°C
  • de baixo teor em ligas - 600° a 650°C

Para diminuir a dureza e melhorar a usinabilidade do ferro fundido cinzento, a temperatura de aquecimento deve situar-se sempre acima da linha A1 e será maior quanto mais ligado o ferro fundido. O tempo à temperatura deve ser de no mínimo 15min/cm de secção transversal. O resfriamento deve ser muito lento.

Referências

  1. CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção. Mecânica - Tratamentos Térmicos
  2. Revelando o processo de recozimento - Parte I (em português) Industrial Heating Brasil (30 de janeiro de 2013). Visitado em 22 de setembro de 2013.