Rede Amazônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde agosto de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Rede Amazônica de Televisão
Rádio & TV do Amazonas S.A.
Rede Amazônica
Tipo Rede Inter-estadual de Televisão comercial
País  Brasil
Fundação 10 de agosto de 1972 (42 anos)
por Phelippe Arce Daou
Pertence a Amazonas Distribuidora
Proprietário Phelippe Arce Daou
Presidente Phelippe Arce
Daou
Cidade de origem Amazonas Manaus, AM
Sede Bandeira de Manaus.svg Manaus, AM
Avenida André Araújo, 1555 - Aleixo
Estúdios Bandeira de Manaus.svg Manaus (TV Amazonas)
Avenida André Araújo, 1555 - Aleixo
Flag of Parintins (Amazonas).svg Parintins (TV Parintins)
Avenida das Nações Unidas, 2758 - Vitória Régia
Bandeira de Itacoatiara am.jpg Itacoatiara (TV Itacoatiara)
Avenida Torquato Tapajós, 1494 - Iracy
Slogan Sua escolha, nossa história
Afiliações Rede Globo
Cobertura Região Norte do Brasil (exceto Pará e Tocantins)
Emissoras próprias Amazonas TV Amazonas (Manaus)
Amazonas TV Parintins (Parintins)
Amazonas TV Itacoatiara (Itacoatiara)
Acre TV Acre (Rio Branco)
Acre TV Cruzeiro do Sul (Cruzeiro do Sul)
Amapá TV Amapá (Macapá)
Rondônia TV Rondônia (Porto Velho)
Rondônia TV Cacoal (Cacoal)
Rondônia TV Guajará-Mirim (Guajará-Mirim)
Rondônia TV Ji-Paraná (Ji-Paraná)
Rondônia TV Vilhena (Vilhena)
Rondônia TV Ariquemes (Ariquemes)
Roraima TV Roraima (Boa Vista)
Roraima TV Rorainópolis (Rorainópolis)
Página oficial Rede Amazônica (site)
Portal Amazônia (portal)
Disponibilidade aberta e gratuita
Analógico
02 VHF (Caroebe)
03 VHF (Guajará-Mirim e Itaubal)
04 VHF (Rio Branco, Porto Velho, Boa Vista, Pacaraima, Rorainopólis e São Luís)
05 VHF (Manaus, Cruzeiro do Sul, Ji-Paraná, Vilhena, Amapá, Cutias, Porto Grande e Uiramutã)
06 VHF (Macapá, Cacoal, Oiapoque e Caracaraí)
07 VHF (Parintins, Ariquemes, Mucajaí e Normandia)
08 VHF (Cantá)
09 VHF (Ferreira Gomes, Pedra Branca do Amapari, Alto Alegre e Iracema)
10 VHF (Pracuuba)
11 VHF (Itacoatiara e Bomfim)
12 VHF (Tartarugalzinho e Amajari)
13 VHF (São João da Baliza)
17 UHF (Vitória do Jari)
23 UHF (Serra do Navio)
28 UHF (Laranjal do Jari)
Digital
14 UHF (Rio Branco)
15 UHF (Manaus)
17 UHF (Boa Vista)
28 UHF (Macapá)
14 UHF (Porto Velho)
46 UHF (Cruzeiro do Sul)
Disponibilidade por satélite
SKY Brasil
Canal 05
Claro TV
Canal 24
Disponibilidade por cabo
NET
Canal 15
Canal 515 (HD) (Manaus)

A Rede Amazônica é uma rede de televisão regional brasileira afiliada à Rede Globo. Transmite sua programação através de suas emissoras de televisão para os estados do Amazonas, Acre, Amapá, Rondônia e Roraima, somando-se 13 emissoras próprias nestes estados. Sua sede localiza-se em Manaus, no estado do Amazonas e divide-se em cinco emissoras-chefe: TV Amazonas, TV Acre, TV Amapá, TV Roraima e TV Rondônia. Possui ainda uma sucursal em Brasília, que produz matérias jornalísticas e transmissão de links para os telejornais da rede. Também pertence à Rede Amazônica o Amazon Sat, canal de televisão temático com matérias exclusivas sobre a Amazônia e também tem estações de rádio FM, como Rádio Acre FM, Rádio Amapá FM, Rádio Amazonas FM (essas três formam a Rede Amazônica de Rádio), Rádio Fusão, Rádio Guajará FM, Rádio Princesa do Solimões FM, Rádio Mall e Echos da Amazônia (via Internet).

História[editar | editar código-fonte]

A Rede Amazônica teve como embrião a empresa Amazonas Publicidade Lda., inaugurada pelos jornalistas Phelipe Daou, Milton Magalhães Cordeiro e Joaquim Margarido, em 30 de setembro de 1968[1] . Ante a existência de apenas uma emissora no estado do Amazonas, a TV Ajuricaba, o Ministério das Comunicações abriu concorrência para a exploração comercial de mais uma emissora televisiva. Os três sócios, conjuntamente com Robert Phellipe Daou[2] , formam a Rádio Tv do Amazonas Ltda em Junho de 1969[3] , a fim de concorrer a essa concessão[2] . A outorga da concessão ocorre a 11 de Junho de 1970[4] , sendo que as emissões da TV Amazonas tiveram início a 1 de Setembro de 1972, através do canal 5[1] [5] , não se encontrando veiculada a qualquer rede nacional[2] .

Porém, o conceito de rede regional começou a se concretizar somente em 26 de setembro de 1974, quando a primeira emissora fora do estado do Amazonas fora repassada das mãos do governo do então território federal de Roraima para os dirigentes da rede: a TV Roraima, em Boa Vista. A partir daquele ano, foram sendo abertas emissoras em outros estados da Amazônia ou a concessão de emissoras já existentes foram repassadas do governo federal para os dirigentes da rede (a exceção de cobertura são os estados do Pará e do Tocantins). Essa rápida expansão da Rede Amazônica foi facilitada pela aproximação de seus dirigentes aos governos militares da época.

Mesmo com emissoras instaladas em 5 estados da Região Amazônica, até meados de 1986 algumas emissoras eram afiliadas a outras redes de televisão diferentes da Rede Globo (como a Band e Rede de Emissoras Independentes - REI, liderada pela Rede Record), até que em 20 de abril daquele ano a última emissora (TV Amazonas, à época afiliada da Band) passou a ser afiliada da Rede Globo, o que uniformizou a programação de todas as emissoras da rede. A partir da afiliação da última emissora à Rede Globo estava de fato concretizado o sonho de se construir uma rede regional de televisão pela Amazônia.

Cada uma das emissoras da Rede Amazônica possui retransmissoras nas cidades do interior dos 5 estados cobertos na Região Norte. Os únicos estados que não possuem cobertura da Rede são o Pará (cuja cobertura é feita pela Rede Liberal-ORM e TV Tapajós) e o Tocantins (coberto pela Rede Anhanguera). A Rede Amazônica cobre a maior região brasileira em extensão geográfica, porém perde em número de estações para a RBS TV, rede regional afiliada à Rede Globo que cobre os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Lançamento do Amazon Sat[editar | editar código-fonte]

Em 1988 é lançado o Amazon Sat que inicialmente era apenas um canal de satélite que integrava as emissoras da Rede Amazônica, transmitindo a programação produzida na TV Amazonas para todas as outras emissoras da rede e preenchendo os espaços destinados à publicidade local nos intervalos comerciais da Rede Globo com clipes e imagens regionais nas retransmissoras do interior da Amazônia. O Amazon Sat, até o ano de 2004, podia ser captado através de antenas parabólicas analógicas sem nenhuma codificação. Posteriormente, em 2004 com a digitalização e codificação do sinal, o Amazon Sat passou a ter autonomia, gerando programação própria e sem interferir na programação da Rede Globo, porém o sinal desapareceu das antenas parabólicas analógicas devido à sua codificação. A Rede Amazônica, a partir daquele ano, ganharia um sinal de satélite codificado apenas para integrar as emissoras da rede que transmitem a Rede Globo. Atualmente, o Amazon Sat pode ser assistido em TV aberta apenas nos municípios que estão nos estados cobertos por emissoras da Rede Amazônica ou através de antenas parabólicas digitais, desde que o usuário adquira o cartão que dá direito à decodificação do sinal em seu receptor.

Início da Rede Fuso[editar | editar código-fonte]

Com exceção da TV Amapá que segue a programação da Rede Globo em tempo real por conta do fuso horário igual ao de Brasília, todas as outras emissoras seguem a programação da Rede Fuso desde 8 de abril de 2008 por conta da diferença de 1 hora em relação do Horário de Brasília.

Codificação dos sinais de transmissão de TV[editar | editar código-fonte]

Em 2010 houve a estadualização dos sinais de cada uma das emissoras em seus respectivos estados, assim, por exemplo, as retransmissoras do interior do estado de Rondônia receberão o sinal somente da TV Rondônia (e não mais da TV Amazonas, como vinha ocorrendo), possibilitando que cada estado gere e repasse a sua própria programação para seus municípios[6] , de acordo com as exigências da Rede Globo. Dessa maneira, cada emissora da Rede Amazônica ganhou sinal de satélite no BrasilSat B4, de propriedade da Embratel. Com isso, foi possível iniciar o processo de digitalização do sinal para as capitais cobertas pelas emissoras da Rede Amazônica.

Rede Amazônica Digital[editar | editar código-fonte]

Em 31 de agosto de 2009 a TV Amazonas foi a primeira emissora da Rede Amazônica a inaugurar seu sinal digital em HDTV para os moradores da cidade de Manaus.

Entre os meses de abril e julho de 2012 a Rede Amazônica inaugurou os sinais digitais em HDTV nas emissoras das capitais de Roraima, Amapá, Acre e Rondônia, finalizando o processo de digitalização nas capitais de sua área de cobertura, passando agora a investir na digitalização do sinal das retransmissoras do interior desses respectivos estados. A Rede Amazônica também investiu na melhoria das estruturas físicas dessas emissoras e de seus equipamentos. Processo que agora está sendo estendido ao interior dos estados cobertos pela rede.

Programas produzidos pela Rede Amazônica[editar | editar código-fonte]

Telejornal matutino que traz as primeiras informações do dia sobre os estados do Amazonas, Amapá, Acre, Roraima e Rondônia, assim como, matérias produzidas pela sucursal, em Brasília. Dessa forma, divulga os fatos políticos e econômicos de interesse da Região Norte. Até o ano de 2009 era transmitido em rede regional, porém a partir deste ano cada estado gera seu próprio telejornal e o retransmite via satélite para as repetidoras de seus respectivos municípios. Portanto, a denominação Bom Dia Amazônia passou a ser somente um nome dos telejornais matutinos gerados por cada emissora da Rede Amazônica.

Telejornal que cobre as notícias que são destaque em cada estado na hora do almoço. Além de matérias jornalísticas tradicionais, o Estado TV tem um enfoque de cidadania e de prestação de serviços à comunidade, através de debates entre membros comunitários e responsáveis por órgãos, instituições e empresas privadas. Tudo isso respeitando as particularidades e o impacto que a informação tem sobre a vida do telespectador. Da mesma forma que o Bom Dia Amazônia, até o ano de 2009, era transmitido em rede regional com o último bloco destinado a notícias locais e tinha por denominação Amazônia TV. A partir daquele ano cada estado passou a gerar seu próprio noticiário e a retransmitir via satélite para as repetidoras de seus respectivos municípios. Portanto, a denominação Amazônia TV passou a ser somente um nome dos telejornais gerados por cada emissora da Rede Amazônica, nomenclatura essa que perdurou até 01 de abril de 2013, quando os telejornais dessa faixa passaram a se chamar Acre TV, Amapá TV, Amazonas TV, Rondônia TV e Roraima TV, de acordo com as exigências da Rede Globo. O antigo Amazônia TV era a evolução do antigo telejornal Amazônia em Notícia, que perdurou até o ano de 2005 como telejornal regional. O Amazônia em Notícia, por sua vez, se originou do último bloco do Amazônia em Revista, programa de variedades da Rede Amazônica, transmitido em rede regional no horário do almoço. Os telejornais dessa faixa horária, entre os anos de 2005 e 2007, chegaram a se chamar ACTV, APTV, AMTV, RRTV e ROTV, a depender do estado em que o mesmo era gerado e transmitido.

Apenas um bloco curto, de 5 minutos, sobre o esporte nos estados, dentro do Globo Esporte nacional. Cada estado gera seu próprio boletim esportivo e o retransmite via satélite para seus respectivos municípios.

Espaço da programação onde são exibidos os 5 telejornais locais: JAC, JAP, JAM, JRO e JRR. Todos os telejornais dessa faixa horária são transmitidos via satélite para as repetidoras dos municípios dos respectivos estados. Por um breve período os telejornais das emissoras da rede chegaram a se chamar AMTV, ACTV, APTV, ROTV e RRTV 2a Edição, a depender do estado em que o mesmo era gerado. O JAM é considerado o telejornal mais antigo do estado do Amazonas (data de 1o de setembro de 1972) e a primeira produção veiculada por uma emissora da Rede Amazônica.

  • Amazônia em Revista

Programa de variedades que tem a participação de diversos convidados e atualiza o público sobre a arte, o cinema, a música regional, as notícias da sociedade e também reportagens sobre literatura, atualidades e família. É uma revista eletrônica preocupada em mostrar os atrativos e beleza da terra. É gerado a partir da TV Amazonas e transmitido em rede regional. Estreou ainda na década de 90 e era transmitido em rede regional de 2a a sábado no horário do almoço (atual faixa do Amazônia TV), porém a partir de 2005 o programa sofreu ampla reformulação e passou a ser semanal (aos sábados).

  • Amazônia Rural

É um programa preocupado com as mais diversas questões relacionadas ao desenvolvimento agrícola da região. Divulga e explica ao homem que vive da terra como fazer o plantio de novas culturas, explorar as riquezas naturais como fonte de renda alternativa e também as informações que ajudam no desenvolvimento da economia rural. A pecuária, a piscicultura, a exploração das hidrovias são alguns dos muitos assuntos explorados nas reportagens especiais, sempre com a participação de analistas e técnicos. É gerado a partir da TV Amazonas e transmitido em rede regional.

  • Viagens pela Amazônia

O Programa leva o telespectador a uma viagem inesquecível pelos quatro cantos da Amazônia. Toda a diversidade, beleza, complexidade e encanto estão retratados nas reportagens que as equipes fazem pelas cidades e pontos turísticos dessa vasta região. O programa Viagens pela Amazônia sai em busca do diferente: lugares desconhecidos, ritos e rituais dos povos da floresta, as técnicas de extração de elementos da natureza e preservação do ecossistema, a cultura popular, as lendas e dia-a-dia de um povo diferente de tudo que se imagina. Totalmente produzido pela equipe que comanda o Amazon Sat, canal de satélite exclusivo da Rede Amazônica destinado a programação totalmente regionalizada. Transmitido em rede regional.

  • Zappeando

Programa inovador, antenado com o público jovem. Apresenta matérias irreverentes, abordando temas como comportamento, música, entretenimento, esportes radicais, arte e cultura em geral, além de quadros fixos como o "Dica Virtual" e o Câmera Zap". Os três pilares do Zappeando são: entreter, informar e educar. Todo sábado a Amazônia fica mais jovem e de altíssimo astral. Gerado pela TV Amazonas e transmitido para todas as emissoras em rede regional.

  • Praça Serviço

As emissoras e repetidoras da Rede Amazônica geram para seus municípios os boletins Amazonas Serviço, Acre Serviço, Amapá Serviço, Roraima Serviço e Rondônia Serviço. Estes boletins informam diversas informações de utilidade pública, como informações de desaparecidos ou perdidos, serivços básicos, informações sobre trânsito, entre outros assuntos durante os intervalos da programação nacional.

  • Jornal 24 Horas

O boletim Jornal 24 Horas informa rapidamente sobre informações que ocorreram durante a programação da rede e são exibidos nos intervalos da programação nacional.

Empresas da Rede Amazônica[editar | editar código-fonte]

Além das emissoras de televisão, a Rede Amazônica possui também as seguintes emissoras de rádio: Rádio Amazonas FM (Manaus), Rádio Amapá FM (Macapá), Rádio Acre FM (Rio Branco), Rádio Guajará FM, Rádio Princesa do Solimões AM (Manacapuru), Rádio Mall e Rádio Echos da Amazônia (via Internet). As emissoras de rádio de Rio Branco, Macapá e Manaus também se integram via satélite e formam a chamada Rede Amazônica de Rádio, sendo esta fusão de emissoras de rádio gerada em Manaus. Além da área de comunicação, a rede também atua nas áreas educacional (Fundação Rede Amazônica), comercial (Studio 5 Shopping, Studio 5 Centro de Convenções e Amazonas Distribuidora de Revistas), de Internet (Portal Amazônia, G1 Acre, G1 Amazonas, G1 Rondônia, GE Acre, GE Amazonas, GE Rondônia) e industrial (Alva da Amazônia, com a produção da linha de higiene e limpeza para uso doméstico Modalva).

Todo esse complexo de empresas e emissoras de comunicação pertence ao empresário e jornalista Phellipe Daou, entre outros acionistas.

Eventos realizados pela Rede Amazônica[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio Milton Cordeiro de Jornalismo

Em 29 de novembro de 2011 a Rede Amazônica lança o Prêmio Milton Cordeiro de Jornalismo, em homenagem aos 80 anos de seu diretor geral de jornalismo Milton Cordeiro. O concurso conta com as categorias jornalismo impresso, radiojornalismo, telejornalismo e webjornalismo, nos quais jornalistas de diversos segmentos de comunicação poderão participar, desde que esses segmentos estejam dentro da área de abrangência das emissoras da Rede Amazônica.

Referências

  1. a b Cabral, E. D. (Setembro 2013). O poderio da Rede Amazônica de Rádio e Televisão no norte do Brasil. Trabalho apresentado no GP Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura, XIII Encontro dos Grupos de Pesquisas em Comunicação, evento componente do XXXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Manaus - AM, Brasil.
  2. a b c Cabral, E. D. (N.D.) Rede Amazônica de Rádio e Televisão: Um império na Amazônia.
  3. Rede Amazônica. Rede Amazônica – Nossa História é Com Você. Acedido a 24 Agosto 2014 em [1]
  4. Diário Oficial da União - Seção 1 (12 Junho 1970). Decreto 66.693. (p. 4393). [2]
  5. Castro, F. F. (2012). Sistemas de comunicação na Amazônia. Fronteiras-estudos midiáticos, 14(3), 179-191.
  6. Rede Amazônica implanta programação regionalizada em quatro estados do Norte [3]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]