Rede Rodoviária Transafricana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Map of Trans-African Highways.PNG

A Rede Rodoviária Transafricana é um conjunto de projetos rodoviários transcontinentais na África que estão sendo desenvolvidos por Comissão Econômica da ONU para a África (UNECA), o Banco Africano de Desenvolvimento, e a União Africana em conjunto com comunidades internacionais regionais, como a União do Magreb Árabe, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental e a Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral. Estes atuantes buscam promover o comércio e diminuir a pobreza na África mediante o desenvolvimento da infraestrutura das rodovia e a administração de corredores comerciais inter-africanos. O comprimento total das nove rodovias compreendidas na rede é de 56683 km.

Características globais da rede[editar | editar código-fonte]

Países que atravessa[editar | editar código-fonte]

A rede como está planeada (ver mapa) conecta todas as nações do continente africano, com as exceções de Eritreia, Somália, Guiné Equatorial (Rio Muni), Malauí, Lesoto e Suazilândia. Destes países, Malauí, Lesoto e Suazilândia contam com caminhos pavimentados que encontram com a red.

Partes faltantes[editar | editar código-fonte]

Mais da metade da rede está pavimentada, pero a manutenção dos caminhos é um problema na maior parte desta. Há numerosas "partes faltantes" na rede onde o traçado se faz intransitável após as chuvas ou sumamente perigoso devido aos buracos e tempestades de arena. Como resultado disto, das cinco grandes regiões do continenteNorte, Ocidente, Centro, Oriente e Sul da África — a viagem pela rodovia sem importar as condições do tempo é relativamente fácil entre o Oriente e o Sul.

Sendo que África do Norte e África Ocidental serão conectada cruzando o Saara quando as últimas ligações curtas faltantes sejam pavimentadas, a principal deficiência da rede é que não existem rodovias pavimentadas na África Central. As características do terreno, a presença de selvas e o clima da África Central, particularmente nas bacias do Rio Congo e dos rios Ubangui, Sangha e Sanaga, apresentam formidáveis obstáculos para os engenheiros.

Descrição das rodovias na rede[editar | editar código-fonte]

Nove rodovias têm sido desenhadas, em uma grade de seis rotas principais leste-oeste e três rotas principais norte-sul.

Rotas leste-oeste[editar | editar código-fonte]

De norte a sul, as rotas leste-oeste são:

  • Rodovia Transafricana 1 (TAH 1), Rodovia Cairo – Dakar, 8.636 km: rota principalmente costeira ao longo do litoral mediterrâneo do Norte da África, continuando pelo litoral atlântico do Noroeste de África, substancialmente completa exceto na Mauritânia, com uma ligação faltante entre Nuakchott e Nouadhibou onde é atualmente um tramo de deserto. A TAH 1 se une com a TAH 7 para formar uma rota adicional norte-sul ao redor do extremo ocidental do continente.
  • Rodovia Transafricana 5 (TAH 5), Rodovia Dakar – N’Djamena, 4.496 km, também conhecida como Rodovia Transaheliana, enlaça aos países da África Ocidental do Sahel. Tem cerca de uns 80% de pavimentação.
  • Rodovia Transafricana 7 (TAH 7), Rodovia Dakar – Lagos, 4.010 km: também conhecida como Rodovia Costeira da África Ocidental, completada em redor de um 80%. Se une com a TAH 1 para formar una rota adicional norte-sul ao redor do extremo ocidental do continente.
  • Rodovia Transafricana 9 (TAH 9), Rodovia Beira – Lobito, 3.523 km: substancialmente completa exceto em sua metade oriental, ainda que na metade ocidental entre Angola e a República Democrática do Congo requer reconstrução.

Rotas norte-sul[editar | editar código-fonte]

De oeste a leste, estas são:

  • Rodovia Transafricana 2 (TAH 2), Rodovia Argel – Lagos, 4.504 km: mais conhecida como Rodovia Transaariana; substancialmente completa, apenas 200 km do tramo pelo deserto se mantém sem pavimentar.
  • Rodovia Transafricana 4 (TAH 4), Rodovia Cairo – Cidade do Cabo, 10.228 km: a metade sul desta rota está completa, mas requer construção no norte de Sudão, no noroeste de Etiópia e no norte de Quênia. Uma balsa cruza o Lago Nasser, fronteira entre Egito e Sudão.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]