Rede ePORTUGUÊSe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Logo da rede ePORTUGUÊSe

A rede ePORTUGUÊSe [1] é um programa da Organização Mundial da Saúde (OMS) criado para fortalecer a colaboração entre os países de língua portuguesa nas áreas da informação e capacitação de recursos humanos em saúde, fortalecendo os sistemas de informação em saúde nesses países[2] .

O português é a sexta língua mais falada do mundo, com quase 300 milhões de pessoas distribuídas em oito países e quatro continentes. É o terceiro idioma mais falado no hemisfério ocidental, depois do inglês e do espanhol, e o idioma mais falado no hemisfério sul [3] .

A rede ePORTUGUÊSe foi reconhecida como um exemplo de Cooperação Sul-Sul durante a reunião de alto nível promovida pelo Escritório das Nações Unidas para a Cooperação Sul-Sul, durante a EXPO sobre desenvolvimento global das Nações Unidas, realizada em Viena, Áustria, em novembro de 2012 [1] .

História[editar | editar código-fonte]

  • A rede ePORTUGUÊSe foi criada após o Fórum Global de Pesquisa em Saúde, realizado na Cidade do México em novembro de 2004 e onde se debateu a temática da inclusão digital e da necessidade da diminuição das diferenças entre o saber e o fazer (know-do gap) [1] , [4] . Neste fórum, a OMS comprometeu-se a criar redes de informação em saúde em diversos idiomas como uma forma de contribuir para este desafio [4] .
Países falantes de língua portuguesa
  • Em abril de 2005, a rede ePORTUGUÊSe entrou em funcionamento, ambicionando estabelecer uma rede de informação em saúde em português e fortalecer a colaboração, criar parcerias e trocar experiências entre os oito Estados membros de língua portuguesa da OMS [5] .
  • Desde a sua criação, a rede ePORTUGUÊSe [1] tem funcionado como um agente facilitador entre instituições de saúde dos países de língua portuguesa, utilizando diversos meios de comunicação para facilitar o acesso à informação, contribuindo para que os profissionais de saúde, mesmo aqueles que se encontram em áreas rurais e distantes dos grandes centros urbanos, possam receber e acessar informação atualizada, relevante e baseada nas necessidades locais.
  • Atualmente o Brasil é um dos grandes parceiros da Cooperação Sul-Sul. Juntamente com Portugal desenvolveu um Plano Estratégico de Cooperação em Saúde (PECS/CPLP) para a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), assinado pelos Ministros da saúde dos oito países numa cerimônia oficial no Estoril, em maio de 2008.[6] .

Atividades[editar | editar código-fonte]

Capacitação no uso da BVS
Exemplares de Bibliotecas Azuis
  • Dar visibilidade e apoio à produção local de conhecimento, fortalecendo a pesquisa em língua portuguesa [1] ;
  • Promover o acesso e a disseminação da informação em saúde, utilizando o modelo da Biblioteca Azul [9] ;
  • Facilitar a capacitação e treinamento de recursos humanos em saúde em diversas áreas do conhecimento, utilizando diversos meios eletrônicos [1] ;
  • Utilizar os meios sociais, espaços colaborativos, BLOGs e grupos de discussão [1] ;
  • Promover capacitação e treinamento no uso do portal HINARI (acesso à Rede eletrônica de pesquisa em saúde)[10] ;
  • Fortalecer o grupo de discussão HIFA-pt , baseado na campanha global HIFA2015 (Health information for all by 2015) com quase 7000 membros provenientes de 150 países. O HIFA-pt foi desenvolvido pela rede ePORTUGUÊSe[1] da Organização Mundial da Saúde (OMS) em colaboração com a Rede Global de Informação em Cuidados de Saúde [11] .

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A rede ePORTUGUÊSe[1] é um programa do Departamento de Gestão e Intercâmbio do Conhecimento (Department of Knowledge Management and Sharing - KMS) [12] da Organização Mundial da Saúde (OMS), sediada em Genebra. As suas atividades são descentralizadas, cooperando com pontos focais nos diferentes países de forma a estabelecer tarefas prioritárias.

Membros[editar | editar código-fonte]

São membros da rede ePORTUGUÊSe[1] todos os países de língua oficial portuguesa: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]