Reflections (Care Enough)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Reflections (Care Enough)"
Single de Mariah Carey
do álbum Glitter
Lançamento 15 de Dezembro de 2001
Formato(s) CD single, maxi single
Gravação 2000
Género(s) Pop, R&B
Duração 3:21
Editora(s) Virgin Records
Composição Mariah Carey, Philippe Pierre
Produção Mariah Carey, Jimmy Jam and Terry Lewis
Cronologia de singles de Mariah Carey
Último
Último
"Don't Stop (Funkin' 4 Jamaica)"
(2001)
"Never Too Far/Hero Medley"
(2001)
Próximo
Próximo
Lista de faixas de Glitter
Último
Último
"All My Life"
(6)
"Last Night a DJ Saved My Life"
(8)
Próximo
Próximo

"Reflections (Care Enough)" é uma canção gravada pela cantora e compositora norte-americana Mariah Carey. Foi lançada pela editora discográfica Virgin Records em 15 de Dezembro de 2001 como o quarto e penúltimo single do oitavo álbum de estúdio da artista, a banda sonora do filme Glitter (2001). Composta por Carey em colaboração com Philippe Pierre, e produzida e arranjada também pela artista com o duo Jimmy Jam and Terry Lewis, a música retrata uma protagonista, que neste caso é Billie Frank, que reflecte sobre como a sua mãe não "se importava o suficiente" com ela.

Devido a divergências contractuais entre a artista e a editora, "Reflections (Care Enough)" não recebeu promoção nem lançamento nos Estados Unidos. Contudo, devido a uma obrigação inclusa no contrato, foi bastante divulgada no Japão, tendo mesmo assim não conseguido entrar em nenhuma tabela musical.

Antecedentes e lançamento[editar | editar código-fonte]

Após o término das actividades promocionais para o sexto álbum de estúdio de Carey, Butterfly (1997), a artista começou a trabalhar em um projecto de filme e banda sonora, primeiramente intitulado All That Glitters.[1] No entanto, durante esse período, a sua editora discográfica, a Columbia Records, pressionou Carey a lançar uma compilação de grandes sucessos, em tempo para a temporada de férias em Novembro.[1] Consequentemente, a cantora deixou de trabalhar em All That Glitters, e o álbum #1's foi lançado em Novembro de 1998.[1] Depois do lançamento do seu nono trabalho de estúdio Rainbow em 1999, no qual ela exerceu todo o controle criativo sobre seu som, a artista deixou sua música e imagem mais hip-hop e R&B. Logo depois, Carey completou seu contracto com a Columbia Records,[2] e assinou com a Virgin Records, editora subsidiária da EMI Records, com um contrato de cinco discos, no valor de USD 100 milhões, além da editora ter dado à cantora todo o controle conceptual e criativo do projecto.[3] Ela optou por gravar um álbum em parte misturado com influências da década de 80 e outros géneros semelhantes, para tornar-se igual à definição do filme, que era ambientado em 1982.[3] Enquanto a data se aproximava, o título foi alterado simplesmente para Glitter.[4] No início de 2001, Carey terminou o seu relacionamento de três anos com o cantor latino Luis Miguel.[5] Além da divulgação pesada do projecto, a cantora já havia gravado as cenas para o filme e gravado a banda sonora acompanhante, bem como já ter filmado o filme WiseGirls (2011).[6] Devido à pressão da média, seu horário de trabalho pesado e a separação de Miguel, Carey começou a postar uma série de mensagens perturbadoras em sua página oficial online, e apresentar um comportamento errático em várias aparições promocionais.[6]

A banda sonora de Glitter foi lançada nos Estados Unidos no dia 11 de Setembro de 2001. Devido aos acontecimentos que se deram naquele dia, o álbum teve uma fraca promoção e posteriormente um desempenho comercial pouco favorável. O primeiro single do disco, "Loverboy" (2001), com participação do rapper Cameo, teve um sucesso moderado nas tabelas musicais, recebendo o certificado de disco de ouro nos EUA e na Austrália. Na tentativa de conseguir-se alcançar um sucesso maior, foi lançado "Never Too Far" como o segundo single. Contudo, acabou tendo uma repercussão menor que "Loverboy". "Don't Stop (Funkin' 4 Jamaica)", lançado como um duplo lado-A de "Never Too Far", teve também um desempenho menor que "Loverboy". "Reflections (Care Enough)" foi lançado como o quarto single do álbum a 15 de Dezembro de 2001.[7] Contudo, não recebeu promoção nem divulgação na América do Norte e em vários outros mercados internacionais. Devido a obrigações contratuais, a antiga distribuidora fonográfica de Carey, a Sony Music Entertainment, em associação com a distribuidora internacional da banda sonora de Glitter, a Virgin Records, lançou um CD single de "Reflections (Care Enough)" apenas no Japão, onde o filme teve bastante repercussão angariou maior parte do seu lucro. Na Coreia do Sul, a EMI Music distribuiu um maxi single de sete faixas.[8] Apesar de toda esta promoção, a canção não conseguiu entrar em tabelas musicais.[9]

Estrutura musical e recepção crítica[editar | editar código-fonte]

"Reflections (Care Enough)" é uma canção composta por Mariah Carey e Philippe Pierre e produzida e arranjada também por Carey com o auxílio do duo Jimmy Jam & Terry Lewis. Tem a duração total de três minutos e vinte e um segundos (3:21). A sua produção baseia-se essencialmente em batidas do género musical R&B enquanto vai incorporando a música pop também. A sua instrumentação é caracterizada por um piano forte que pode ser ouvido em toda música. A letra da música aborda uma protagonista, que neste caso é Billie Frank, cuja mãe nunca prestou-lhe bastante atenção e não se preocupou com ela enquanto criança. A música foi usada como um "desabafo emocional" para demonstrar a mágoa sentida por Billie. Além disso, durante seu gancho, Carey "misteriosamente" refere-se ao aborto: "You could have had the decency/To give me up/Before you gave me life",[nota 1] sobre a protagonista do filme ter sido abandonada por sua mãe quando criança.[10] Sal Cinquemani, da revista Slant, sentiu que a canção tinha uma reminiscência das baladas de Carey do início de sua carreira, e declarou que a canção tinha uma "beleza simples". "'Reflections (Care Enough)' conta a história de uma estranha figura materna [..]. A ponte da canção é bizarra, embora, fazendo uma alusão ao aborto."[11] Durante uma entrevista sobre o filme, Carey disse:

Cquote1.svg É no início dos anos 80, no cenário de discoteca daquele tempo. Eu interpreto uma cantora, Billie, que é multi-racial, nascida de um pai branco e uma mãe negra. Billie cresce num lar de acolhimento, porque a sua mãe abandonou-a. Mais tarde, ela conhece um DJ e torna-se uma estrela em apenas uma noite. A questão é, que durante todo este tempo ela espera que a mãe retorne. Como você pode ver, isto está bem distante da minha realidade, porque eu não poderia ter ter um relacionamento mais próximo com a minha mãe. Quando ela não está comigo, liga-me a cada cinco minutos. Cquote2.svg

Dante Thomas, do jornal Daily News, escreveu que Carey apresenta-nos uma "balada anónima e sem objectivo". David Browne, da revista electrónica Entertainment Weekly, fez uma análise mista: "Ela [Carey] lamenta o fim de um relacionamento por várias vezes, mais credível em 'Reflections (Care Enough)' — um trabalho típico de Ma-riah cantado com solidão de flor-quebrada".

Apresentações ao vivo e divulgação[editar | editar código-fonte]

Carey cantou a música para um público nos EUA em seu especial de Natal da CBS At Home for the Holidays with Mariah Carey, que foi ao ar em 21 de dezembro de 2001. Um clipe do filme Glitter em que Carey (como Billie Frank) canta a canção em seu apartamento logo após a sua personagem termina de escrevê-la (a canção é a primeira tentativa de composição de Frank), foi utilizada na Ásia como um teaser para o filme.

Na performance ao vivo, Carey cantou uma letra diferente na ponte. Enquanto a executava ela cantou "você poderia ter tido a decência de me dar, antes que você me deu vida", Carey canta "... dá-me o dia que você me deu a vida" a fim de evitar a referência ao aborto.

Alinhamento de faixas[editar | editar código-fonte]

CD single — Japão (SRCS 2546)[8]
# Título Duração
1. "Reflections (Care Enough)"   3:23
2. "Reflections (Care Enough)" (instrumental) 3:24

Créditos[editar | editar código-fonte]

Os seguintes créditos foram adaptados do encarte do álbum de banda sonora Glitter:[13]

  • James "Big Jim" Wright — arranjos, instrumentação
  • James Samuel "Jimmy Jam" Harris — arranjos, instrumentação, produção executiva
  • Terry Steven Lewis — produção e arranjos, instrumentação, produção executiva
  • Mariah Carey — arranjos, composição, produção executiva
  • Patrick Webber — assistência de engenharia
  • Xavier Smith Performer — assistência de engenharia
  • Steve Hodge — gravação
  • Dana Jon Chappelle — gravação vocal
  • Philippe Pierre — composição
  • Bob Ludwig — masterização

Notas de rodapé

  1. a b c Shapiro 2001, pp. 97
  2. Shapiro 2001, pp. 98
  3. a b Shapiro 2001, pp. 99
  4. Vineyard, Jennifer (29 de Março de 2000). Eric Benét "Glitters" With Mariah Carey, Da Brat (em inglês). MTV News (MTV Networks. Viacom). Página visitada em 5 de outubro de 2011.
  5. Shapiro 2001, pp. 101
  6. a b Shapiro 2001, pp. 104
  7. Reflections (Care Enough) (em inglês). VH1 (MTV Networks. Viacom). Página visitada em 27 de Dezembro de 2011.
  8. a b Mariah Carey - Reflections (Care Enough) (CD) (em inglês). Discogs. Página visitada em 9 de Março de 2014.
  9. Thomas, Margy (28 de Setembro de 2001). 'Glitter' Isn't Golden (em inglês). The Orlando Sentinel. Tribune Company. Página visitada em 10 de Março de 2014.
  10. Vaughn, Heather (13 de Novembro de 2001). Mariah Carey's Newest 'Glitter' (em inglês). The Free Lance–Star. The Free Lance–Star Publishing Company. Página visitada em 5 de Fevereiro de 2011.
  11. Cinquemani, Sal (5 de Abril de 2005). Mariah Carey: Glitter (em inglês). Slant Magazine. Página visitada em 21 de Fevereiro de 2010.
  12. Mariah* - Reflections (CD) (em inglês). Discogs. Página visitada em 9 de Março de 2014.
  13. Mariah Carey - Glitter (CD, Album) (em inglês). Discogs. Página visitada em 9 de Março de 2014.



Erro de citação: existem marcas <ref> para um grupo chamado "nota", mas nenhuma marca <references group="nota"/> correspondente foi encontrada (ou uma marca de fechamento </ref> está faltando)