Reflexo vestíbulo-ocular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
O reflexo vestíbulo-ocular. Uma rotação da cabeça é detectada, o que desencadeia um sinal inibitório para os músculos extra-oculares de um lado e um sinal de excitação para os músculos do outro lado. O resultado é um movimento de compensação dos olhos.

O reflexo óculo-cefálico (RCO) é um movimento ocular de reflexo que estabiliza as imagens na retina durante o movimento da cabeça ao produzir um movimento ocular na direção oposta ao movimento da cabeça, desta maneira preservando a imagem no centro do campo visual. Por exemplo, quando a cabeça se move para a direita, os olhos se movem para a esquerda, e vice-versa.

Ícone de esboço Este artigo sobre Fisiologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Na função de estabilizar uma imagem na retina participam o reflexo vestíbuloocular (VOR) assim como sistemas motores oculares que serão discutidos a seguir. O VOR desencadeia movimentos oculares na mesma velocidade e na direção oposta aos movimentos da cabeça, e por se tratar de um arco reflexo de 3 neurônios – gânglio vestibular, núcleo vestibular e núcleos motores oculares – apresenta características que tornam sua atuação possível com movimentos bastante rápidos, como por exemplo ao caminharmos. O VOR tem uma latência de 16 ms, atua em movimentos com uma freqüência de 0,5 a 5,0 Hz e com uma velocidade máxima que varia de 30 a 150°/s. As informações do labirinto são transmitidas pelos neurônios do nervo vestibular até o complexo nuclear vestibular – núcleo vestibular medial, lateral, superior e inferior – localizados na região dorso-lateral da transição bulbo-pontina, no assoalho do IV ventrículo. Do núcleo vestibular saem fibras que através do fascículo longitudinal medial, brachium conjuntivum e via tegmental ventral alcançam os núcleos dos nervos motores oculares: oculomotor, troclear e abducente. Cada CSC estimula um par de músculos motores oculares, que move os olhos aproximadamente no mesmo plano do canal, como esquematizado nas figuras. (Para simplificar serão discutidas apenas as vias excitatórias.) Do CSC horizontal caminham informações pelo ramo superior do n. vestibular, que chegam ao núcleo vestibular medial (NVM) onde fazem sinapse com o segundo neurônio que cruza a linha média até o núcleo do nervo abducente. Do núcleo do VI saem dois neurônios, um para o m. reto lateral do mesmo lado, enquanto o outro cruza na ponte, e pelo fascículo longitudinal medial (FLM), alcança o núcleo do nervo oculomotor contralateral, onde faz sinapse com o neurônio para o m. reto medial