Refugiado climático

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Os habitantes das ilhas Carteret se tornaram refugiados climáticos nos anos 2000.

Refugiados climáticos ou ambientais são pessoas forçadas a emigrar de sua terra natal em função de mudanças no meio ambiente. Algumas das causas de migrações motivadas pelo clima são a desertificação, a subida do nível do mar, secas, e a interrupção de eventos climáticos sazonais, como as monções. Existe uma correlação estatisticamente significativa entre migrações e a degradação ambiental, incluindo mudanças climáticas, como demonstrado por Afifi e Warner (2007), mesmo controlando para outras causas de migração na análise.[1]

Segundo o Relatório Mundial de Desastres de 2001 (World Disasters Report 2001 [1]), publicado pela Cruz Vermelha, mais pessoas são forçadas a abandonar suas casas graças a desastres ambientais do que guerras[2] . A Cruz Vermelha estima que aproximadamente 25 milhões de pessoas poderiam ser consideradas, atualmente, refugiados ambientais.[3]

Casos de migrações climáticas[editar | editar código-fonte]

Entre 22 mil e 10 mil anos antes do presente, a Europa Setentrional, a Ásia e a América do Norte foram abandonadas pelas populações humanas por causa da última Era Glacial, quando o corredor de gelo se fechou e as rotas costeiras congelaram. O aquecimento global 52 mil anos antes do presente resultou na colonização da Europa, por migrantes vindos do Oriente Médio.[4] .

No século XXI, o problema é especialmente sentido nas zonas costeiras e em ilhas. Os habitantes das ilhas Carteret, na Papua-Nova Guiné, evacuaram o arquipélago como resultado da subida do nível do mar, em 2002, atribuída ao aquecimento global. Eles estiveram entre os primeiros refugiados das mudanças climáticas atribuídas ao aquecimento global.[5] [6] . Outros habitantes de regiões de baixa elevação também estão sob risco. Tuvalu, Kiribati e as Maldivas são regiões vulneráveis às elevação no nível do mar e à mudança das marés.[7] [8] [9] .

Outras regiões onde houve registro de refugiados climáticos recentemente são: a África, onde cerca de 10 milhões de pessoas migraram, no curso das duas últimas décadas, fugindo dos efeitos da desertificação e da degradação ambiental;[10] a ilha de Bhola, em Bangladesh, onde o aumento do nível do mar deixou 500.000 desabrigados desde 1995;[11] e a vila de Shishmaref, no Alaska, onde a perspectiva dos habitantes locais no futuro próximo é a de evacuação total da população, com a elevação do oceano.[12]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Essam El-Hinnawi, Environmental Refugees, UNEP, 1985.
  • Jane McAdam, Climate Change, Forced Migration, and International Law, Oxford University Press, 2012.
  • Jane McAdam, Forced Migration, Human Rights and Security (Studies in International Law), Hart Publishing, 2008.
  • Bogumil Terminski, Environmentally-Induced Displacement. Theoretical Frameworks and Current Challenges, CEDEM, Université de Liège, 2012.
  • Laura Westra, Environmental Justice and the Rights of Ecological Refugees, Routledge, 2009.
  • Gregory White, Climate Change and Migration: Security and Borders in Warming World, Oxford University Press, 2011.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Afifi, T., Warner, K. 2007 The Impact of Environmental Degradation on Migration Flows across Countries UNU-EHS working paper no. 3. Bonn.
  2. Terminski, B. 2011, Towards Recognition and Protection of Forced Environmental Migrants in the Public International Law: Refugee or IDPs Umbrella, Proceedings of the Policy Studies Organization Summit, Washington DC
  3. World Disasters Report 2001 International Federation of Red Cross and Red Crescent Societies.
  4. "Journey of mankind"
  5. "Islanders face rising seas with nowhere to go", Greg Roberts, Sydney Morning Herald, 30 de março de 2002
  6. "Rudd's chance to rebuild ties with the Pacific", David Peebles, Canberra Times, March 6, 2008
  7. "Sinking Pacific atolls 'may be abandoned in a generation'", AAP, 4 de março de 2008
  8. "Tiny Nations Seek Climate Help at UN", John Heilprin, AP, 12 de fevereiro de 2008
  9. "Kiribati's President: 'Our Lives Are At Stake': For the Islands of Kiribati, Global Warming Poses Immediate Dangers", ABC News, 2 de abril de 2007 (with photos)
  10. "No place like home - climate refugees" The Environmental Justice Foundation, 2009
  11. "In Flood-Prone Bangladesh, a Future That Floats", Emily Wax, Washington Post, 27 de setembro de 2007
  12. Human and Economic Indicator - Shishmaref Arctic change - near real time Arctic Change Indicator Website (2006). Visitado em 2009-08-10.