Região Metropolitana de Manaus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Região Metropolitana de Manaus
Localização
Unidade federativa  Amazonas
Lei LCE 52/2007
Data da criação 30 de maio de 2007
Número de municípios 8
Cidade-sede Manaus
Características geográficas
Área 101 475,124 km²[1]
População 2 316 173 hab. (12º) IBGE/2013[2]
Densidade 22,83 hab./km²
PIB R$ 51,396 milhões IBGE/2010[3]
PIB per capita R$ 19.943,94 IBGE/2010[4]

A Região Metropolitana de Manaus, também conhecida como Grande Manaus, é uma das regiões metropolitanas do Brasil, situada no estado do Amazonas. Criada pela Lei Complementar Estadual nº 52 de 30 de maio de 2007, é formada pela união de oito municípios: Manaus, Careiro da Várzea, Iranduba, Itacoatiara, Manacapuru, Novo Airão, Presidente Figueiredo e Rio Preto da Eva. O termo refere-se à extensão da capital amazonense com seus municípios vizinhos, apesar de distantes, e com baixa densidade demográfica, 21,44 hab./km². De acordo com estimativas de 2013 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sua população era de 2 175 860 habitantes[5] , fazendo desta a segunda maior área metropolitana do Norte do Brasil e a 13ª de todo o país.

Em 24 de outubro de 2011 foi inaugurada a Ponte Rio Negro, com o objetivo de conurbar com mais facilidade os municípios de Iranduba, Manacapuru e Novo Airão com a capital amazonense. Além disso, a Região Metropolitana de Manaus é um dos maiores parques industriais da América Latina. Sozinha, representa 60% da população do estado do Amazonas e cerca de 14,89% da população de toda a Região Norte do Brasil.[6]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

A Ponte Rio Negro integra três municípios da região metropolitana com a capital.

A Ponte Rio Negro é o principal meio de conurbação entre os municípios da Grande Manaus. Esta foi inaugurada em 24 de outubro de 2011, data de aniversário do município de Manaus, como uma comemoração aos 342 anos da capital do Amazonas. A ponte possui 3.595 metros e seu custo foi de R$ 1,099 bilhões.[7]

A Ponte Rio Negro, a maior ponte estaiada de 400 metros (seção suspensa por cabos) do Brasil para o rio, é a segunda maior ponte fluvial no mundo, superada apenas pela ponte sobre o rio Orinoco, na Venezuela. Foram usados aço e cimento em quantidade suficiente para erguer três estádios do Maracanã. Devido a acidez das águas do Rio Negro, adicionou-se pozolana (material silicioso anticorrosivo) ao concreto empregado nas estacas e no tabuleiro.[8]

Sua largura total é de 20,70 metros no trecho convencional e 22,60 metros na parte estaiada. A via tem quatro faixas de tráfego, duas em cada sentido, além da faixa de passeio para pedestres nos dois lados. O mastro central apoia dois vãos de 200 metros para cada lado. A estrutura, em forma de diamante, é dividida em três partes: um cone de ponta-cabeça abaixo do tabuleiro, um cone acima do tabuleiro e o topo do mastro.

O formato aerodinâmico foi adotado para diminuir o atrito com o vento.[8] A malha viária inclui, além da ponte, 1,9 km de acesso viário no lado de Manaus e 5,5 km de pista em Iranduba, a implantação de sistema de pilares contra choque de embarcações e sistema de sinalização náutica, além da iluminação cênica da parte estaiada da ponte.[7]

Ao lado do Teatro Amazonas, a ponte vem sendo considerada um dos maiores e mais importantes monumentos da arquitetura da Amazônia, o que representa um marco na integração da região metropolitana de Manaus (RMM), fundada em 2007, com oito municípios e cerca de 2,1 milhões de habitantes.[8]

Área territorial[editar | editar código-fonte]

A área da Região metropolitana de Manaus - 101.474 km² [1] é a maior área metropolitana brasileira. É superior à área de alguns estados brasileiros como Pernambuco, Santa Catarina e Rio de Janeiro (sendo mais do que duas vezes superior a este último) e tem aproximadamente as mesmas dimensões de algumas nações como, Islândia (103.000 km²) e Coreia do Sul (99.538 km²), e superiores à de países como Hungria (93.032 km²) e Portugal (92.391 km²).

Municípios[editar | editar código-fonte]

Manaus, capital do Amazonas, é a sede da Região Metropolitana de Manaus.
Município Área
(km²)[1]
População
(2012)[2]
PIB
(2009)[4]
IDH
(2000)[9]
Manaus 11401,058 1 861 838 40.486.107 0,778
médio
Itacoatiara 8891,993 89 064 919.967 0,711
médio
Manacapuru 7329,234 86 985 397.942 0,663
médio
Iranduba 2215,033 41 947 188.023 0,694
médio
Presidente Figueiredo 25422,235 28 652 304.599 0,741
médio
Rio Preto da Eva 5813,197 26 948 216.236 0,677
médio
Careiro da Várzea 2631,128 24 937 112.120 0,658
médio
Novo Airão 37771,246 15 489 61.709 0,656
médio
Total 101475,124 2.175.860 40.024.898,050 -

Aspectos econômicos[editar | editar código-fonte]

Vista parcial

A região metropolitana de Manaus é a mais rica da Região Norte do Brasil, com PIB superior à soma dos PIBs da Região Metropolitana de Macapá e da Região Metropolitana de Belém.

Nos últimos anos, a região de Manaus vem ocupando e consolidando uma importante posição econômica nos níveis estadual e nacional. Com todos os seus municípios recebendo incentivos fiscais do Pólo Industrial de Manaus, comporta um parque industrial abrangente, diversificado e composto por segmentos de natureza complementar. Possui uma estrutura agrícola e agroindustrial bastante significativa e desempenha atividades terciárias de expressiva especialização. Destaca-se ainda pela presença de centros inovadores no campo das pesquisas científica e tecnológica, bem como do Aeroporto Eduardo Gomes – o terceiro maior terminal aéreo de cargas do País – [10] , localizado no município de Manaus.

Em 2007, o Aeroporto Eduardo Gomes registrou um fluxo de cargas embarcadas e desembarcadas em voos internacionais de cerca de 131.475.741 toneladas.[10] De cada três toneladas de mercadorias exportadas e importadas, uma passa pelo aeroporto[10] , que também responde por 18,1% do fluxo aéreo total de cargas no Brasil.[10] .

Produto Interno Bruto (PIB)[editar | editar código-fonte]

A produção industrial diversificada – com ênfase em setores dinâmicos e de alto input científico / tecnológico, notadamente no município de Manaus – vem resultando em crescentes ganhos de competitividade nos mercados interno e externo.

A região exibe um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 51,396 bilhões.[4] Sua renda per capita é bastante significativa e é superior à de alguns estados da região norte brasileira.

Demografia[editar | editar código-fonte]

A Região possui uma população de 2.106.866 habitantes[11] segundo censo de 2010 do IBGE, o que corresponde a mais da metade da população amazonense e 14,89% da população da Região Norte do Brasil[12] . Deste total, Manaus abriga 85%. Itacoatiara e Manacapuru têm, cada um, cerca de 90.000 habitantes. Em Novo Airão, vivem cerca de 15 mil pessoas. Em Careiro da Várzea, Rio Preto da Eva e Presidente Figueiredo vivem de 24 mil a 27 mil pessoas. O município de Iranduba possui cerca de 41 mil pessoas.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Principais rodovias[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  2. a b Estimativa da População Residente nos Municípios Brasileiros com Data de Referência em 1º de Julho de 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 1 de janeiro de 2012.
  3. Produto Interno Bruto dos Municípios 2003-2007. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (19 de dezembro de 2009). Página visitada em 16 de junho de 2012.
  4. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas IBGE_PIB
  5. Estimativa da População Residente nos Municípios Brasileiros com Data de Referência em 1º de Julho de 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 1 de janeiro de 2012.
  6. " Manaus diferente em tudo mas com a cara do Brasil. Prefeitura de Manaus (30 de outubro de 2008).
  7. a b (...)Dilma estende ZFM aos municípios da Região metropolitana. G1.Globo.com. Página visitada em 16 de novembro de 2011.
  8. a b c Governo-do-amazonas-conclui-ponte-rio-negro-um-marco-para-a-integracao-da-regiao-metropolitana-de-manaus. Governo do Amazonas.
  9. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 27 de maio de 2008.
  10. a b c d Movimento nos Aeroportos. Infraero (Dezembro de 2007). Página visitada em 30 de maio de 2008.
  11. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas IBGE_Pop_2011
  12. " Manaus diferente em tudo mas com a cara do Brasil. Prefeitura de Manaus.
Portal A Wikipédia possui o
Portal de Manaus
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.