Região Metropolitana do Recife

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Região Metropolitana de Recife
Localização
Unidade federativa  Pernambuco
Lei Lei Complementar Federal nº 14 de 1973
Data da criação 8 de junho de 1973
Número de municípios 14
Cidade-sede Recife
Características geográficas
Área 3 995,9 km²[1]
População 3 887 261 hab. () Estimativa IBGE/2014
Densidade 972,81 hab./km²
IDH 0,734 – médio PNUD/2010[2]
PIB R$ 75 889 205 mil IBGE/2012[3]
PIB per capita R$ 22 340 29 IBGE/2012[3]
Grande Recife

A Região Metropolitana do Recife (RMR), também referida por Grande Recife, é o maior aglomerado urbano do Norte-Nordeste, a quinta maior do Brasil e um dos 120 maiores do mundo, com uma população de 3,9 milhões de habitantes (jul/2014), além de terceira área metropolitana mais densamente habitada do país, superada apenas por São Paulo e Rio de Janeiro, e quarta maior rede urbana do Brasil em população,[4] [5] localiza-se no estado brasileiro de Pernambuco. Foi instituída pela Lei Complementar Federal número 14, de 8 de junho de 1973. Todos os municípios da RMR fazem parte da Mesorregião Metropolitana do Recife, acrescentando-se a esta a Vila dos Remédios, núcleo urbano em Fernando de Noronha. O arquipélago de Fernando de Noronha constitui um Distrito Estadual de Pernambuco.

Recife é a metrópole mais rica do Norte-Nordeste em PIB.[3] [6] A RMR é o centro político, financeiro, comercial, educacional e cultural de Pernambuco.

Concentrando 65% do PIB pernambucano, sua área de influência abrange os estados de Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Paraíba, parte do Rio Grande do Norte, parte do nordeste da Bahia e o interior dos estados do Piauí e do Maranhão.

Possui um importante aeroporto internacional (Guararapes - Gilberto Freyre), dois portos (Porto de Suape e Porto do Recife), universidades, museus, hospitais, polos industriais, centros comerciais e complexos turísticos e hoteleiros.

A região metropolitana, desde a sua criação em 1973, compreende 18 municípios: Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Paulista, Igarassu, Abreu e Lima, Camaragibe, Cabo de Santo Agostinho, São Lourenço da Mata, Araçoiaba, Ilha de Itamaracá, Ipojuca, Moreno, Itapissuma, e Recife.

Municípios[editar | editar código-fonte]

Município População
(2013)[7]
IDH
(2010)[8]
PIB
(2012) R$ mil[9]
PIB per capita
(2012) R$
Abreu e Lima 98 201 0,679
médio
1 025 853 10 770 91
Araçoiaba 19 579 0,592
baixo
81 130 4 357 84
Cabo de Santo Agostinho 198 383 0,686
médio
6 006 252 31 741 83
Camaragibe 152 840 0,692
médio
931 590 6 343 95
Igarassu 110 917 0,665
médio
1 470 899 14 008 17
Ilha de Itamaracá 24 413 0,653
médio
144 613 6 344 34
Ipojuca 89 660 0,619
médio
11 595 851 138 273 00
Itapissuma 25 514 0,633
médio
739 543 30 407 59
Jaboatão dos Guararapes 680 943 0,717
alto
9 480 125 14 478 20
Moreno 60 435 0,652
médio
386 321 6 680 52
Olinda 388 821 0,735
alto
3 687 724 9 723 19
Paulista 319 769 0,732
alto
2 805 476 9 161 07
Recife 1 608 488 0,772
alto
36 821 898 23 679 08
São Lourenço da Mata 109 298 0,653
médio
711,930 6 794 39
RMR 3 859 445 75 889 205 22 340 29

Aspectos econômicos[editar | editar código-fonte]

A RMR abriga algumas das maiores empresas pernambucanas, como os grupos Queiroz Galvão, Cornélio Brennand, JCPM, João Santos, Delta, Raymundo da Fonte, EBBA S.A., Indústrias ASA, entre outros. Abriga ainda a sede da Eletrobras Chesf e sedes regionais de diversas empresas. Na foto, edifícios empresariais na região do Shopping Recife.

Recife é a metrópole mais rica do Norte-Nordeste em PIB PPC, e a sexta mais rica do Brasil, após as regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte e Curitiba.[6] É ainda a oitava região metropolitana mais rica do Brasil em PIB nominal, e a mais rica do Norte-Nordeste.[3]

Boa parte da economia da região vem da prestação de serviços, que concentrou 54,7% do PIB em 2008, embora a atividade industrial também esteja em patamar de destaque, sendo responsável por 40,5% do PIB da Grande Recife. Já as as atividades primárias, que incluem a agricultura, foram responsáveis por 5,8% da economia da região. A Grande Recife é responsável por cerca de 65% do PIB de Pernambuco.

Complexo Industrial e Portuário de Suape[editar | editar código-fonte]

O Complexo Industrial e Portuário de Suape abriga empreendimentos como o Estaleiro Atlântico Sul, maior estaleiro do Hemisfério Sul.[10] [11] O petroleiro João Cândido (foto) foi o primeiro navio lançado pela indústria naval pernambucana.

A construção do Porto de Suape foi prevista para operar produtos combustíveis e cereais a granel, substituindo o Porto do Recife. Em 7 de novembro de 1978, uma lei estadual criou a empresa Suape Complexo Industrial Portuário para administrar o desenvolvimento das obras. Hoje o porto é um dos maiores do Brasil, administrado pelo governo de Pernambuco. Suape opera navios nos 365 dias do ano, sem restrições de horário de marés. Para auxiliar as operações de acostagem dos navios, o Porto dispõe de um sistema de monitoração de atracação de navios a laser, que possibilita um controle efetivo e seguro, oferecendo ao prático condições técnicas nos padrões dos portos mais importantes do mundo. O Complexo Industrial e Portuário de Suape foi escolhido para a implantação dos seguintes empreendimentos como: A Refinaria Abreu e Lima, Estaleiro Atlântico Sul, Gerdau, Shineray, Amanco, Pamesa, Pepsico, Hemobrás, Novartis, Bunge, Coca-Cola, Unilever, CSN, Mossi & Ghisolfi, e a General Motors. Suape tem o poder de duplicar a renda de Pernambuco até 2020 e triplicar o PIB até 2030[12] .

Porto Digital[editar | editar código-fonte]

O Porto Digital é um pólo de softwares localizado na cidade do Recife, criado em julho de 2000. É reconhecido como o maior parque tecnológico do Brasil em faturamento e número de empresas, totalizando 173 empresas em 2010, entre elas multinacionais como Motorola, Borland, Oracle, Sun, Nokia, Ogilvy, IBM e Microsoft.[13] Emprega cerca de seis mil pessoas, e tem 3,9% de participação no PIB do estado.[14]

Aspectos urbanos[editar | editar código-fonte]

Segundo a Estimativa IBGE 2013, a Região Metropolitana do Recife possui uma população de 4.046.845 habitantes. Os maiores municípios são Recife, Jaboatão dos Guararapes, Olinda e Paulista. A sua densidade demográfica, de 1.342,88 hab/km², é uma das mais altas do país. A Grande Recife é a maior metrópole do Nordeste e a 5ª maior do Brasil. Estudo feito pela ONU estima que em 2015 a população da RMR será de 4,070 milhões de pessoas.[15]

Aeroporto Internacional do Recife[editar | editar código-fonte]

Nessa mesorregião esta localizado importantes portos, e aeroportos do estado e do país. O principal aeroporto é o do Internacional do Guararapes, Moderno e bem equipado, recebe aviões de companhias aéreas nacionais e internacionais. O Aeroporto Internacional dos Guararapes - Gilberto Freyre é um dos maiores complexos aeroportuários do Nordeste em capacidade anual de passageiros, sendo o segundo terminal mais movimentado da região. Possui o maior e mais moderno sítio aeroportuário do Nordeste, conforme dados da Infraero. O terminal de passageiros atual conta com uma área de 52.000 m². Futuramente, será anexada uma área adicional de 24.000 m², proveniente do antigo terminal, o que elevará a capacidade do complexo aeroportuário para 11,2 milhões de passageiros por ano. Além disso, conta com um pátio com 26 posições para aeronaves e 15 pontes de embarque, 64 balcões de check-in e 2.120 vagas de estacionamento. Está localizado no bairro da Imbiribeira[16] , no Recife, capital de Pernambuco, a 11 km do centro.

Porto do Recife e Porto de Suape[editar | editar código-fonte]

O Porto do Recife, com seu terminal açucareiro, é um dos mais movimentados do Brasil, sendo o principal escoadouro de açucar do Nordeste. Devido a sua excelente posição geográfica, serve de escala aos navios que ligam o Brasil aos países europeus, aos Estados Unidos e ao resto do Mundo. O Porto do Suape localiza-se a 40 km ao sul do Recife. Sua Posição Geográfica privilegiada faz dele ponto de convergência das principais rotas comerciais que interligam a costa brasileira ao Hemisfério Norte. Começou a operar em 1984, movimentando basicamente derivados do Petroleo e álcool. Como é dotado de grande calado (grande profundidade), Suape será também um porto concentrador de cargas de todo o litoral da América do Sul. O Complexo Industrial e Portuário de Suape abrange uma área de 13.500 hectares e possui várias zonas: portuária, administrativa, industrial, agricola, residencial, de preservação ecologica e cultural. A mesorregião esta recebendo atualmente o Estaleiro Atlântico Sul uma das maiores obras de portos do Brasil.

Metrô do Recife[editar | editar código-fonte]

O Metrô do Recife, terceiro sistema metroviário do Brasil, inaugurado após os metrôs de São Paulo e Rio de Janeiro, além de segundo mais extenso do país, liga municípios da RMR.[17]

Há também o Metrô do Recife que é operado pela CBTU/Metrorec e é composto atualmente de vinte e oito estações, com linhas que somam 39,5 quilômetros de extensão, transportando cerca de 225 mil usuários por dia, sendo 205 mil na Linha Centro e 20 mil na Linha Sul.

Os trens da Linha Centro, que partem da Estação Recife, possuem dois destinos distintos: a estação de Camaragibe e a de Jaboatão. Isso acontece devido ao fato de as linhas Centro - 1(Camaragibe) e Centro - 2(Jaboatão) compartilharem a mesma via e estações no trecho entre as estações Recife e Coqueiral, graças ao traçado da antiga ferrovia onde o metrô foi construído.

Nas Linhas da Metrorec a distância média entre as estações é de 1,2 km, com os trens seguindo a uma velocidade média de 40 km/h, podendo chegar a 80 km/h. A bitola é 1600 mm e a alimentação dos trens é feita por catenárias aéreas. Na Linha Trem Sul a distância média entre as estações é de 4 km, a velocidade comercial dos trens é de 31,5 km/h, a bitola é métrica e os trens utilizados possuem tração a diesel.

Desenvolvimento humano[editar | editar código-fonte]

Segundo o Atlas de Desenvolvimento Humano 2013, há forte disparidade entre as cidades da RMR: enquanto Recife possui um IDH de 0,772, que é considerado alto, Araçoiaba, município de 18 mil habitantes, registra um índice de apenas 0,592.[18] [19] [20]

Criminalidade[editar | editar código-fonte]

Em 2011, a Região Metropolitana do Recife registrou taxa de 48,23 homicídios para um grupo de 100 mil habitantes segundo a ONG mexicana "Conselho Cidadão Para a Segurança", sendo então a nona região metropolitana mais violenta do Brasil, após Maceió, Belém, Vitória, Salvador, Manaus, São Luís, João Pessoa e Cuiabá.[21] Ressalte-se, porém, que Recife é menos violenta que cidades como Detroit, Nova Orleans e San Juan.[22]

Segundo o "Mapa da Violência 2013", feito com base nos dados oficiais de 2011, 8 dos 14 municípios da RMR se destacam por apresentar taxas de homicídios elevadas, muito embora não estejam entre os vinte municípios mais violentos do país: Itapissuma (91,5), Cabo de Santo Agostinho (82,3), Ilha de Itamaracá (62,6), Recife (57,1), Jaboatão dos Guararapes (47,2), Paulista (44,2), Igarassu (43,5) e Ipojuca (42,5).[23] [24] São taxas bem acima dos níveis ditos toleráveis pela ONU, que são de 10 homicídios por 100 mil habitantes. As taxas de homicídios desses municípios (todas acima de 40 homicídios por 100 mil habitantes) estariam acima da média do Brasil, que é de 20,4 homicídios por 100 mil habitantes.[25]

Embora os índices de criminalidade na RMR continuem altos, em 2011 houve uma redução de criminalidade consideravél de 36% graças ao programa estadual "Pacto pela Vida".[26]

Segundo a Secretaria de Defesa Social (SDS), houve também, na Região Metropolitana do Recife, uma redução de homicídios de 75% no período natalino de 2013 se comparado ao mesmo período do ano anterior. Em 2012, foram registrados 12 homicídios enquanto em 2013 foram registrados 3 homicídios.

Referências

  1. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  2. Ranking Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 10 de dezembro de 2014.
  3. a b c d Produto Interno Bruto dos Municípios 2012. Visitado em 11 de dezembro de 2014.
  4. Regiões de Influência das Cidades - 2008 IBGE (2008). Visitado em 12 de outubro de 2008.
  5. Censo Brasileiro 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (14 de novembro de 2007). Visitado em 10 de agosto de 2008.
  6. a b Global city GDP rankings 2008-2025 Pricewaterhouse Coopers. Visitado em 20 de novembro 2009.
  7. IBGE, Censo demográfico 2013
  8. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 29 de maio de 2008.
  9. PIB a preços correntes » comparação entre os municípios escolhidos Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (12 dez. 2014). Visitado em 12 dez. de 2014.
  10. [1]
  11. [2]
  12. [3]
  13. [4].
  14. Folha economica.
  15. ONU, 2005 Revision of World Urbanization Prospects. Perspectiva Mundial de Urbanização, dados de 2005 - Tabela 12.
  16. http://www.infraero.gov.br/index.php/br/aeroportos/pernambuco/aeroporto-internacional-do-recife/contatos.html
  17. Qual é o maior metrô do Brasil?
  18. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013 PNUD. Visitado em 30 de julho de 2013.
  19. Perfil do Município de Recife PNUD. Visitado em 30 de julho de 2013.
  20. Perfil do Município de Araçoiaba PNUD. Visitado em 30 de julho de 2013.
  21. Brasil tem 14 das 50 cidades mais violentas do mundo
  22. San Pedro Sula, la ciudad más violenta del mundo; Juárez, la segunda
  23. Mapa da Violência 2013: Homicídios e juventude no Brasil CEBELA e FLACSO. Visitado em 19 de julho de 2013.
  24. As 300 cidades mais perigosas do Brasil Exame (Brasil). Visitado em 19 de julho de 2013.
  25. Mapa da Violência 2013: Brasil mantém taxa de 20,4 homicídios por 100 mil habitantes O Globo. Visitado em 19 de julho de 2013.
  26. Pacto pela Vida Governo do Estado de Pernambuco. Visitado em 19 de julho de 2013.