Regiões do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

As regiões do Brasil são agrupamentos das unidades da federação em regiões com o propósito de ajudar as interpretações estatísticas, implantar sistemas de gestão de funções públicas de interesse comum ou orientar a aplicação de políticas públicas dos governos federal e estadual. Atualmente, existem cinco regiões oficiais: Centro-Oeste, Nordeste, Norte, Sudeste e Sul.

As regiões, mesmo quando definidas por lei, não possuem personalidade jurídica própria, nem os cidadãos elegem representantes da região. Não há, portanto, qualquer tipo de autonomia política das regiões brasileiras como há em outros países.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A primeira proposta de divisão do Brasil em grandes regiões data de 1913, para ser usada no ensino de geografia. Nesta primeira versão, o Brasil foi dividido nas regiões Setentrional (AM, PA e Território do Acre), Norte Oriental (MA, PI, CE, RN, PB, PE, AL), Central (MT e GO), Oriental (SE, BA, MG, ES, RJ e o DF) e Meridional (SP, PR, SC e RS)[2] .

1913 1938 1945
1913
1938
1945

Mais tarde, em 1940, o IBGE elaborou um novo estudo de divisão regional, levando em conta também os aspectos socioeconômicos, além dos aspectos físicos. Nesta divisão, Maranhão e Piauí foram acrescentados à região Norte (antiga região Setentrional), o Rio de Janeiro contava como parte da região Sul (antiga região Meridional), e Minas Gerais, junto a Goiás e Mato Grosso, formava a região Centro. Além disso, as regiões Norte Oriental e Oriental mudavam de nome para, respectivamente, Nordeste e Leste. Cinco anos depois, já no fim da Era Vargas, uma nova divisão foi feita, levando em conta os novos territórios federais então criados. Nesta divisão de 1945, a região Norte passava a incluir os territórios do Rio Branco, Amapá e Guaporé; a região Nordeste se dividiria em Nordeste Ocidental (MA e PI) e Nordeste Oriental (que ganhava o território de Fernando de Noronha); a região Leste se dividia em Leste Setentrional (BA e SE) e Leste Meridional (MG, ES, RJ e DF); a região Centro mudava de nome para Centro-Oeste e ganhava o território de Ponta-Porã; a região Sul ganhava o território do Iguaçu[2] .

Em 1950, os territórios de Ponta-Porã e do Iguaçu foram extintos e as regiões Nordeste e Leste foram reagrupadas. Em 60, foi criada Brasília e, com isso, o distrito federal passou a ser parte do Centro-Oeste. Em 62, o Acre passou a ser estado e o território do Rio Branco foi batizado como Roraima.

Em 1969, as regiões finalmente ganham os contornos que possuem hoje: Bahia e Sergipe passaram a ser parte do Nordeste, enquanto RJ, ES e MG foram unidos a SP na região Sudeste. Poucos anos depois, o sul de Mato Grosso se torna independente, com o nome de Mato Grosso do Sul, permanecendo parte do Centro-Oeste. Depois disso, apenas algumas mudanças pequenas foram adicionadas, com a Constituição de 88: o norte de Goiás foi separado com o nome de Tocantins e anexado à região Norte; RR, RO e AP passaram de território a estado; Fernando de Noronha passou de território federal a território do estado de Pernambuco.

Outras divisões[editar | editar código-fonte]

Há outra forma de regionalização não oficial criada por especialistas em geografia, na qual o Brasil é dividido em três complexos geoeconômicos, chamados de Amazônia, Nordeste e Centro-Sul. Essas regiões não se baseiam em fronteiras mas aspectos histórico-econômicos. Existe ainda a regionalização proposta pelo geógrafo Milton Santos, baseada na diferenciação pelo meio técnico-científico-informacional, que divide o país em quatro regiões.[3]

Regiões[editar | editar código-fonte]

Brazil Political Map.svg

Norte[editar | editar código-fonte]

A Região Norte é a região que possui a maior área (3 869 637,9  km², ou 45,2% do território nacional) e com população de 16,3 milhões de habitantes. É a região com a menor densidade demográfica (3,77 hab./km², segundo o censo IBGE 2010).

A região possui sete estados:

Nordeste[editar | editar código-fonte]

A Região Nordeste possui um território de 1 556 001 km² (18,2% do território nacional). No qual tem o terceiro maior PIB do Brasil entre as grandes regiões. Sua população é superior a 50 milhões de habitantes.

A região possui nove estados:

Centro-Oeste[editar | editar código-fonte]

Ocupa 18,86% do território brasileiro, com uma área de 1.612.077,2 km2. Sua população é de cerca de 12 milhões de habitantes.

A região possui três estados mais um distrito federal:

Sudeste[editar | editar código-fonte]

Possui um território de 927 286 km² (10,9% do território nacional). Sua população é de cerca de 77 milhões de habitantes. Possui o maior PIB bem como as duas cidades mais populosas do Brasil: São Paulo, com pouco mais de 11 milhões de habitantes[4] e Rio de Janeiro com cerca de 6 milhões[4] .

A região possui quatro estados:

Sul[editar | editar código-fonte]

A Região Sul é a que possui a menor área (575 316 km², ou 6,8% do território nacional) e sua população é de mais de 26 milhões de habitantes, é a segunda região mais rica do país, depois da Região Sudeste, e a que possui o maior IDH, a maior taxa de alfabetização e os melhores níveis de educação, saúde e bem estar social do país.

A região possui três estados:

Referências

  1. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988
  2. a b Divisão Regional Brasileira Portal Brasil Escola. Página visitada em 17 de Janeiro de 2012.
  3. Projeto de ensino de geografia
  4. a b Estimativa Populacional 2011 Estimativa Populacional 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (01 de julho de 2011). Página visitada em 07 de dezembro de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]