Regras gramaticais da língua portuguesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde fevereiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Línguas.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde Outubro de 2008.

Gramática
Classificação
Comunicação
Fonética
Fonologia
Morfologia
Sintaxe
Semântica
Etimologia
Estilística
Literatura
Tipos
Descritiva
Gerativa
Formal
Funcional
Normativa
Transformacional
Universal
Implícita
Contrastiva
Reflexiva
Histórica
Artigos Relacionados
Gramática
Linguística
Lexicologia
Retórica
Língua

As regras gramaticais contidas na gramática normativa determinam a escrita corretar das palavras. O conjunto das regras que estabelecem a grafia correta das palavras e o uso de sinais de pontuação é a ortografia. Algumas dessas regras são modificadas ou abolidas pelo Acordo Ortográfico de 1990.

Acentuação[editar | editar código-fonte]

A acentuação, em sentido geral, é a ênfase dada a um elemento fonético. O estudo especial da acentuação chama-se prosódia, parte da gramática que se preocupa com a pronúncia das palavras.


Acento de intensidade[editar | editar código-fonte]

É o acento característico da língua portuguesa, capaz de diferenciar o valor semântico (significado) e morfológico (classe gramatical) da palavra. Ex.:

  • Sabiá (substantivo - ave apreciada pela beleza do canto);
  • Sabia (verbo - "saber" conjugado na 1ª e 3ª pessoas do singular no pretérito imperfeito do indicativo);
  • Sábia (adjetivo - feminino de sábio: inteligente, sensato).

Acento principal e acento secundário[editar | editar código-fonte]

Em palavras de duas ou mais sílabas, há uma que se destaca das demais, por ser dita com mais intensidade (a sílaba tônica). As outras pronunciadas com menos força, são chamadas átonas

Sílaba subtônica[editar | editar código-fonte]

Palavras de mais de três sílabas, principalmente as derivadas, possuem acento secundário, cuja sílaba chama-se subtônica.
Ex.: admivel + "mente" = admiravelmente.

Acento tônico e acento gráfico[editar | editar código-fonte]

A sílaba tônica numa palavra é aquela que, na sequência dos sons, é pronunciada mais “forte” (ou proeminente). Nas palavras, as sílabas não estão todas no mesmo nível de sons – há sempre uma sílaba mais acentuada, mais longa, mais "forte". Essa sílaba mais acentuada é chamada sílaba tônica.Mesa (acento tônico)Os acentos gráficos são utilizados para indicar, na escrita, a pronúncia correta de uma palavra. Podem ser agudo (´), circunflexo (^), e grave (`). Também podendo ser chamados de assentos diferenciais. EX: gra má tica (acento gráfico)

Palavras proparoxítonas ou esdrúxulas[editar | editar código-fonte]

São aquelas em que a antepenúltima sílaba é tônica. Acentua-se todas as palavras proparoxítonas.
Ex.: matetica, êxito, proparotona, ônibus, ssola.

Palavras paroxítonas ou graves[editar | editar código-fonte]

São aquelas em que a sílaba tônica é a penúltima. Acentua-se as paroxítonas terminadas em ditongo (junção de 2 vogais numa mesma sílaba), seguidas ou não de "S".
Ex.: documenrio, prêmios, ocio, regio, indústrias.

São acentuadas as terminadas em "I", "IS", "US", "L", "R", "N", "X", "PS", "Ã", "ÃS", "ÃO", "ÃOS", "OM", "ONS", "UM" e "UNS".
Ex.: biquíni, pis, nus, admivel, cater, fen, rax, ceps, órfã, ímãs, Esvão, tãos, mórmom, etrons, rum, álbuns.

Palavras oxítonas ou agudas[editar | editar código-fonte]

São aquelas em que a sílaba tônica é a última. Acentua-se as terminadas em "A", "AS", "E", "ES", "O", "OS", "EM" e "ENS".
Ex.: ca, lilás, ca, português, came, trenós, também, armazéns.

Monossílabos tônicos[editar | editar código-fonte]

Uma palavra monossilábica é aquela que possui apenas uma sílaba (eu, sol, luz, gel, gol etc.). Nos monossílabos tônicos essa sílaba é forte. São acentuadas as terminadas em "A", "AS", "E", "ES", "O" e "OS".
Ex.: já, gás, pé, três, xô, cós.

Ditongo decrescente aberto-[editar | editar código-fonte]

Ditongo é a união de duas vogais numa mesma sílaba (papéis, ação, prédio, feijão, prefeito etc.). Põe-se o acento agudo nas palavras portadoras dos ditongos decrescentes abertos "ÉI", "ÓI" e "ÉU".
Ex.: herói, véu,céu, rouxinóis, papéis, destrói.

Obs.: Conforme o Acordo Ortográfico de 1990, esse acento agudo é eliminado em palavras paroxítonas.
Ex.: heroico, ideia, plateia, jiboia (perdem o acento); herói, véu, céu, rouxinóis, papéis, destrói (mantêm o acento, porque são oxítonas ou monossílabos tônicos).

Hiato tônicos[editar | editar código-fonte]

O hiato tônico ocorre quando as duas vogais são separadas na divisão silábica (sde, ruim, saindo, hiato, rainha etc.).

Algumas condições para esta regra:

  • O acento só se aplicará nas letras "I" e "U".

Ex.: raízes, saúde (acentua-se). riacho, coelho (não se acentua, pois o hiato ocorre com as letras "A" e "E");

  • Somente se essas letras forem a vogal tônica do hiato.

Ex.: saúva, heroína (acentua-se). gauchismo, paraibano (não se acentua, porque são vogais átonas no hiato);

  • Essas letras devem estar sozinhas na sílaba ou seguidas de "S".

Ex.: balaústre, saímos (acentua-se). saiu, raiz (não se acentua, pois estão acompanhadas de "U" e "Z" na sílaba);

  • Se o "I" e o "U" tônicos forem precedidos de vogal igual, ou acompanhados pelo dígrafo "NH", NÃO deverão ser acentuados.

Ex.: bainha (não se acentua, porque é acompanhado por "NH");

Obs.: O Acordo Ortográfico de 1990 estabelece que se acentuará o "I" e o "U" tônicos quando, mesmo precedidos de ditongo, estão situados em finais de palavra.
Ex.: feiura, Bocaiuva (perdem o acento); Piauí (não perde o acento, pois é oxítona).

Trema[editar | editar código-fonte]

Trema é um sinal diacrítico (¨) que foi usado na variante brasileira da língua portuguesa até à entrada em vigor do Acordo Ortográfico de 1990. A sua função era registrar a pronúncia átona da letra "U" nos grupos "qüe", "qüi", "güe" e "güi". Exemplos: conseqüente, eqüino, bilíngüe, pingüim, qüinqüelíngüe, atualmente escritos simplesmente consequente, equino, bilíngue, pinguim, quinquelíngue. Convém notar que as alterações na escrita não têm nenhum reflexo na pronúncia, que permanece inalterada.

Segundo o Acordo Ortográfico de 1990, o trema é mantido apenas em palavras estrangeiras e suas derivadas. Exemplos: Böblingen, Citroën, heroïne, Wöhler, Nürburgring, vergüenza, Müller, mülleriano.


Regras ortográficas[editar | editar código-fonte]

K, W e Y[editar | editar código-fonte]

As letras K, W e Y não pertenciam ao nosso alfabeto, mas foram incorporadas pelo Acordo Ortográfico de 1990. Elas são empregadas nas seguintes situações:

  1. Em palavras estrangeiras na sua forma original.
    Ex.: Franklin, show, hobby etc.
  2. Em nomes próprios estrangeiros e seus derivados.
    Ex.: Disneylândia, Walmart, Hollywood, Hovind, Darwin etc.
  3. Em abreviaturas e símbolos.
    Ex.: km, kg, w etc.

Representação do fonema "X"[editar | editar código-fonte]

Usa-se o "X":

  1. Depois do ditongo. Ex.: "CaiXa", "peiXe", "baiXo"; (Exceções: "Cauchu" e derivados)
  2. Depois das sequências iniciais "EN" e "ME".Ex.: "ENXada", "ENXugar", "MEXer", "MEXicano";(Exceção: "mecha" de cabelo e derivados da palavra "cheio",como,enchido,encher,etc.)
  3. Palavras de origem africana ou indígena. Ex.: "Xará", "Xavante", "capiXaba", etc
  4. Algumas palavras de origem inglesa. Ex.: "Xampu", "Xerife", etc
  5. Algumas palavras de origem árabe. Ex.: "Xá", "xiita", etc

Obs.: Nas palavras que ocorre o "CH" no radical (parte das palavras derivadas que existe na primitiva) não há modificação. Ex.: Cheio-Encher-Enchimento, chapéu-enchapelar, charco-encharcar

Usa-se o "CH" em palavras como: arrocho, bochecha, cachimbo, chope, chuchu, chuva, fachada, fantoche, flecha, mochila, pechincha e salsicha.

Representação do fonema "S"[editar | editar código-fonte]

O fonema (modo que se lê) "S" pode ser representado na escrita pelas letras "S", "C", "Ç" e "X" e pelo dígrafo "SS". Em algumas variantes do português também os dígrafos "SC", "SÇ" e "XC" correspondem ao fonema "S". Usa-se a letra "S" quando os substantivos são formados por verbos em que o infinitivo é terminado em "DER", "DIR", "TER" e "TIR".

Ex.:

  • Apreender - apreensão;
  • Expandir - expansão;
  • Inverter - inversão; e
  • Divertir - diversão.

Também no sufixo "ENSE". Ex.: Paranaense, mato-grossense, amapaense, maranhense, cearense, tocantinense etc.

Usa-se "SS" na terminação "ÍSSIMO" ou "ÍSSIMA". Ex.: "BonÍSSIMA", "belÍSSIMO", "carÍSSIMO", etc.

Usa-se o "Ç" antes das vogais "A", "O" e "U". Ex.: "AÇúcar", "caÇada", etc. Usa-se o "C" antes das vogais "E" e "I". Ex.: "PaCífico", "Centena", etc.

Representação do fonema "Z"[editar | editar código-fonte]

Esse fonema pode ser representado pela escrita das letras "Z", "S" e "X". Usa-se a letra "Z" em palavras derivadas quando já existe o "Z" no primitivo. Ex.:

desliZe - desliZar, raiZ - enraiZado, raZão - raZoável

Também é usado nos sufixos "EZ", "EZA", "IZAR" e "IZAÇÃO".Ex.:

RigidEZ, belEZA, humanIZAR, humorIZAÇÃO

A letra "S" usa-se:

  1. Entre duas vogais. Ex.: meSa, caSa, peSO, aSilo, etc
  2. Em palavras derivadas em que no primitivo já ocorre o "S". Ex.: AnáliSe - analiSar - Analisador, etc
  3. Nos sufixos "ÊS" (no Brasil) ou "ESA" (Portugal e Brasil). Ex.: "HolandÊS", "holandESA", "burguÊS", "burguESA", etc
  4. Nos sufixos "OSO" ou "OSA". Ex.: MaliciOSO", "maliciOSA", "saborOSO", "saborOSA", etc
  5. No sufixo "ISA". Ex.: "PoetISA", "sacerdotISA", etc
  6. Depois dos ditongos. Ex.: "coiSa", "cauSa", "maiSena", etc

Usa-se o "X" nas palavras "exagero", "exame", "exasperar", "exausto", "exemplo", "existir", "inexistir", etc.

Representação do fonema "GÊ" e "J"[editar | editar código-fonte]

Pode ser representado pelas letras "G" e "J".

Usa-se o "G":

  1. Nos substantivos terminados em "AGEM", "IGEM" e "UGEM". Ex.: Barragem, viagem, ferrugem, etc.
  2. Nas palavras terminadas em "ÁGIO", "ÉGIO", "ÍGIO", "ÓGIO" e "ÚGIO". Ex.: Estágio, colégio, prestígio, relógio, etc

Usa-se "J":

  1. Nas formas dos verbos terminados em "JAR" no infinitivo e derivados. Ex.: Despejar-despejo-despeje
  2. Nas palavras derivadas de outras que já apresentam "J" no radical. Ex.: Laranja-laranjeira
  3. Nas palavras de origem indígena ou africana. Ex.: Acarajé, pajé, jiboia
Linguística

Divisões
Fonética | Pragmática | Fonologia | Morfologia | Sintaxe | Semântica | Lexicologia | Estilística
Tipos de linguística
Antropológica | Cognitiva | Gerativa | Comparativa | Aplicada | Geolinguística | Computacional | Histórica | Neurolinguística | Política linguística | Psicolinguística | Sociolinguística
Artigos relacionados
Preconceito linguístico | Análise do discurso | Aquisição da linguagem | Línguas A e B | Sistema de escrita | Ciência cognitiva | Estruturalismo | Etimologia | Caso gramatical | Figura de linguagem
Família de línguas | Filologia | Internetês | Lista de linguistas | Gramática | Língua de Sinais | Alfabeto | Eurodicautom | Língua e cultura | Semiótica
Atos da fala | Análise do discurso

Ícone de esboço Este artigo sobre escrita é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.