Reina-Valera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Reina-Valera
Frontispício da Bíblia do Urso, com o emblema do urso comendo mel, do editor bávaro Mattias Apiarius
Nome: Versión Reina-Valera de la Biblia
Abreviação: RV
Publicação da Bíblia completa: 1569
Autor(es): Casiodoro de Reina e Cipriano Valera
Tipo de tradução: Literal
Revisão: 1602, 1862, 1909 e 1960
Afiliação religiosa: Protestante
Gênesis 1:1-3
En el principio crió Dios los cielos y la tierra. Y la tierra estaba desordenada y vacía, y las tinieblas estaban sobre la haz del abismo, y el Espíritu de Dios se movía sobre la haz de las aguas. Y dijo Dios: Sea la luz: y fué la luz.
João 3:16
Porque de tal manera amó Dios al mundo, que ha dado á su Hijo unigénito, para que todo aquel que en él cree, no se pierda, mas tenga vida eterna.

A conhecida versão da Bíblia chamada como Reina-Valera que alcançou muita ampla difusão durante a Reforma protestante do Século XVI, representa a primeira tradução castelhana completa, direta e literal dos bíblicos textos em grego, hebraico e aramaico, e deve seu nome à suma de esforços de Casiodoro de Reina, seu autor principal, materializados na Bíblia do Urso (Basiléa, Suíça, 1569), e de Cipriano de Valera, seu primeiro revisor, materializados na Bíblia do Cântaro (Amsterdam, Países Baixos, 1602). Ambos homens de letras sagradas eram monges católicos jerónimos do Convento de San Isidro del Campo que se haviam exilado de Espanha após terem sido perseguidos pela Inquisição devido a suas abertas simpatias com as idéias dos reformistas protestantes Lutero e Calvino.

As anteriores traduções ao castelhano, como as auspiciadas pelos monarcas castelhanos Afonso X, o Sábio e João II de Castela, não haviam contado com a maior difusão, em vista de que a pregação e leitura pública do texto bíblico se realizava até então em latim, seguindo a Vulgata de São Jerônimo, considerada a única versão canônica pela Igreja Católica. Sem dúvida, de acordo com a doutrina luterana de leitura direta da Biblia como única fonte válida de doutrina e prática cristã, os reformistas emprenderam várias traduções às línguas vernáculas, entre elas, a própria Bíblia de Lutero, um das bases fundamentais do idioma alemão moderno.

A tradução de Reina-Valera, inspirada de perto na edição do Novo Testamento de 1556 de Juan Pérez de Pineda, que a sua vez se baseava nas traduções de 1543 de Francisco de Enzinas, levou doze anos a seus autores; em 1569 publicou em Basiléia (Suíça) a primeira versão; o texto revisto e impresso em Amsterdam em 1602 foi a mais difundida das versões da Biblia em espanhol durante séculos.

Quase ninguém sabe que as duas primeiras edições, de Casiodoro de Reina (1569), chamada a Bíblia do Urso, e de Cipriano de Valera (1602), chamada a Bíblia do Cântaro, contiveram todos os textos deuterocanónicos próprios das Bíblias católicas.

A tradução foi revista posteriormente pelas Sociedades Bíblicas Unidas em 1862, 1909, 1960 e 1995. Não foi senão nestas edições de 1960 e posteriores que foram omitidos os textos deuterocanónicos "católicos", os quais foram publicados nas duas primeiras edições originais também, de Reina (1569), e de Valera (1602). Alguns fiéis, por questões teológicas e de fidelidade textual, rejeitam as duas últimas revisões, usando de maneira preferente apenas as revisões de 1862 e de 1909.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]