Reino Māori

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Bandeira do reino Māori.

Império Māori ou Reino Māori é uma monarquia sub-nacional inserida na Nova Zelândia onde representa a soberania das tribos māori sobre suas reservas seu rei é Tuheitia Paki está localizado na Ilha do Norte na Nova Zelândia os māoris reivindicaram soberania em reação a destruição do identidade neozelandes, primitiva foi criado em 1858 e sua capital é Ngaruawahia, houve sete reis no reino até à data de hoje que foram.

Rei Tuheitia Paki atual monarca dos maoris

No reinado de Tawhiao (1860-1894) foi marcado, principalmente, pela Guerra Waikato (1863-1864), que opôs o seu reino à Pakeha. O Kīngitanga tinha estabelecido uma margem e proibiu forças armadas coloniais para atravessar. Para os britânicos, isso não era intolerável, e fazia parte de uma rebelião. As tropas britânicas foram enviadas para as terras reais em julho de 1863, e Kingites ("monarquistas") considerou que a guerra tinha sido declarada.

Forças monarquistas resistiram até novembro em Meremere, depois recuou Rangiriri, eles perderam mesmo mês. O Ngaruawahia britânico capturado, a capital do reino, 09 de dezembro.

Governador George Grey ofereceu a paz em troca da entrega de todas as terras e todas as armas Kīngitanga, condições que foram rejeitadas pelos monarquistas, que se retiraram para Rangiaowhia, agrícola coração do reino. O conflito se agravou quando os britânicos atacaram e queimaram Te Awamutu, vila onde mulheres e crianças refugiadas Maori, 1 de Fevereiro de 1864.

Em março, Maori forças, liderada por Rewi Maniapoto, cinco assaltos repulsa britânico Orakau, então a saída tentou sem derramamento de sangue e dispersos. Maori muitos - incluindo mulheres e homens feridos - foram mortos pelos britânicos perseguido.

Batalha de Orakau foi decisivo. Os britânicos sofreram uma pesada derrota em Tauranga em abril, mas ganhou uma batalha final em Te Ranga, em junho, o fim da Guerra de Waikato. Parte das forças monarquistas se rendeu, mas a maioria recuou fora do Waikato, abandonando uma grande parte de seu território. Movimento Kīngitanga não se desintegrou. A terra ocupada pelos ingleses foram, em grande medida, confiscados e vendidos para Pakeha.

Rei Tawhiao disse que não iria buscar a guerra, mas ele se recusou qualquer acordo de paz formal como terras confiscadas não seria devolvido. Sobre o que restava de seu território, ele continuou a proibir a venda de terras para o Pakeha. No final de 1860, ele reprovou movimentos rebeldes Maori fora do seu reino, e se recusou a se juntar a eles, porém hoje os maoris tem direitos exclusivos ao parlamento prova do reconhecimento neozelandês sobre a identidade desse povo.