Reino da Etrúria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Regno di Etruria
Reino da Etrúria

Monarquia

State flag simple of the Grand Duchy of Tuscany.svg
1801 – 1807 Flag of France.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Etrúria
Continente Europa
Capital Florença
Língua oficial italiano
Governo monarquia
História
 • 21 de março de 1801 Fundação
 • 23 de outubro de 1807 Dissolução

O Reino da Etrúria foi um Estado que durou de 1801 a 1808,[1] criado por Napoleão Bonaparte no centro da península Itálica, com capital em Florença. Seu território correspondia aproximadamente à atual região italiana da Toscana, sendo governado pela casa de Bourbon-Parma, sendo o seu nome inspirado na denominação romana Etruria, dada à terra dos etruscos.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 27 de março de 1799, o Grão-Ducado da Toscana foi ocupado pela França.[1] e foi transformado na República Etrusca.[1] Em 7 de julho do mesmo ano o grão-ducado foi restaurado e finaldmente em 3 de agosto de 1801 foi estabelecido o Reino da Etrúria.[1]

O Reino da Etrúria foi consequência do Tratado de Aranjuez de 21 de março de 1801, no contexto do grande acordo da França Napoleônica com a Espanha. Os Bourbons de Parma foram compensados pela perda de seus territórios, que foram ocupados pelas tropas francesas desde 1796: como compensação, Fernando, duque de Parma, obteve para seu filho Luís o Reino da Etrúria, criado com territórios do antigo Grão-ducado da Toscana. Para abrir caminho para os Bourbons, o Habsburgo grão-duque da Toscana recebeu as terras secularizadas do arcebispado de Salzburgo.

Seu primeiro rei, Luís, morreu jovem em 1803, e foi sucedido por seu filho Carlos Luís, que adotou o nome de Luís II. Sua mãe, Maria Luísa, infanta de Espanha, assumiu a função de regente.

O fim do reino[editar | editar código-fonte]

A 23 de outubro de 1807, Napoleão dissolveu o Reino da Etrúria, forçando Carlos a abdicar e anexando a Etrúria ao Império Francês como os departamentos de Arno, Mediterrâneo, e Ombrone. Como compensação a Carlos Luís, Napoleão ofereceu-lhe um novo reino, a Lusitânia Setentrional, que acabou por nunca ser constituído devido à derrota de Napoleão na Guerra Peninsular.

Os reis da Etrúria[editar | editar código-fonte]

Eventos posteriores[editar | editar código-fonte]

Em 10 de dezembro de 1807, o Reino da Etrúria foi dissolvido e o território da Toscana anexado ao Impéro Francês.[1] Em 24 de maio de 1808, o território foi dividido nos departamentos de Arno, Méditerranée e Ombrone.[1] Em 1 de fevereiro foi ocupado pelo Reino de Nápoles.[1] Em 24 de abril de 1814, foi restaurado o Grão-Ducado da Toscana.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h Italian states to 1861 (em inglês) Worldstatesmen.org. Visitado em 11 de setembro de 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.