Reino de Maiorca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Regne de Mallorca
Reino de Maiorca
Flag of Almohad Dynasty.svg
1231 – 1715 Bandera de España 1701-1760.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Reino de Maiorca
Reino de Maiorca dentro da Coroa de Aragão em azul claro
Continente Europa
Região Península Ibérica (mar mediterrâneo)
Capital (Cidade de Maiorca) Palma de Mallorca
Religião Católica
Governo Monarquia
Rei
 • 1231 - 1276 Jaime I de Aragão
 • 1700 - 1746 Felipe IV (V de Espanha)
Período histórico Idade Média e Idade Moderna
 • 1231 Conquista de Maiorca
 • 1715 Decretos do Novo Plano
População
 • 1239 est. 50 000 
Territórios do Reino de Maiorca.

O Reino de Maiorca foi criado por Jaime I o Conquistador em 1262 e existiu independente até 25 de Outubro de 1349 quando foi incorporado pela Coroa de Aragão. A sua desaparição definitiva ocorreu em 1715 pelos Decretos da Nova Planta.

Jaime I criou o reino de Maiorca para o ceder ao seu filho Jaime, após a morte do seu primogénito, Afonso, em 1262. Esta disposição foi-se mantendo durante os sucessivos testamentos de forma que quando Jaime I morre em 1276, a Coroa de Aragão fica para o filho mais velho, Pedro (conhecido como Pedro o Grande), e o reino de Maiorca para o seguinte, Jaime, que reinaria com o nome de Jaime II. O testamento também estabelece que o rei de Maiorca seria vassalo do de Aragão.

O reino compreendia as ilhas BalearesMaiorca, Menorca (ainda sob o poder de um soberano muçulmano ainda que tributária desde 1231), Ibiza e Formentera—. O rei também era senhor dos condados do Rossilhão e a Cerdanha e os territórios que o Conquistador conservava na Occitânia (o senhorio de Montpellier, o viscondado de Carlades, em Auvérnia, e a baronia de Omelades, contígua a Montpellier) .

A herança de Jaime era escassa e débil mas significativa: um enclave mediterrâneo estratégico e territórios entre dois grandes reinos, a França dos Capetos e a Coroa de Aragão, os quais estavam também em constante luta. Consciente da fragilidade do reino de Maiorca, Jaime I projectou a conquista da Cerdanha, para uni-la ao novo reino. Também entrou em negociações para combinar o casamento do seu filho Jaime com Beatriz da Saboia, filha do conde Amadeu de Saboia. Nenhum dos planos teve sucesso.

Reis de Maiorca[editar | editar código-fonte]

Desaparecimento[editar | editar código-fonte]

O desaparecimento do reino privativo de Maiorca era inevitável no contexto internacional da época, caracterizado por diferentes conflitos: guerra dos Cem Anos, entre França e Inglaterra, a guerra dos merínidas, que envolveu Castela e Aragão, bem como as tentativas de satelização das Baleares pelos genoveses. Neste contexto não era possível permanecer neutro, sobretudo porque a neutralidade requeria, em primeiro lugar, força. E este não era o caso do reino de Maiorca, o qual, ainda para mais, tinha vínculos vassaláticos com as coroas da França (através de Montpellier) e de Aragão. Por outra parte, as tentativas de financiar os custos da manutenção da neutralidade mediante o aumento de impostos produziu reações adversas por parte dos seus súditos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História da Espanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.