Reino de Navarra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Reino de Navarra (castelhano)
Nafarroako Erresuma (basco)

Reino de Navarra

Reino

778 – 1841 Flag of Cross of Burgundy.svg
 
Pavillon royal de France.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Reino de Navarra
Reino de Navarra em 1400 (verde escuro).
Continente Europa
Capital Pamplona
Língua oficial Basco
Aragonês
Occitano
Religião Cristianismo
Católica
Governo Monarquia
História
 • 12 de Agosto de 778 Fundação
 • 16 de Agosto de 1841 Dissolução
Área (na Baixa Idade Média) 12,000 km²

O Reino de Navarra foi um dos reinos medievais da Europa, com território no norte da península Ibérica e no dos Pirenéus ocidentais. O seu território foi diminuindo paulatinamente e, na fase final, a Navarra peninsular (conhecida como Alta Navarra), foi invadida por Fernando, o Católico, com o apoio de uma das duas facções locais da nobreza, e anexada à Coroa de Castela, evoluindo com outros reinos da península Ibérica no Reino de Espanha, e conservando instituições próprias até 1841, enquanto que a Navarra continental (Baixa Navarra), coexistiu com a coroa francesa e terminou dissolvendo-se na República Francesa aquando da Revolução Francesa.

Navarra foi um dos núcleos de montanha da resistência cristã que se formaram no norte, frente ao domínio islâmico da península Ibérica, tal como sucedeu com o Reino de Aragão e a Catalunha, também pirenaicos, e as Astúrias e Cantábria na Cordilheira Cantábrica.

Inicialmente foi também conhecido como Reino dos Pamploneses, Reino de Pamplona e Reino de Pamplona-Nájera em referência à importância da cidade riojana. Actualmente, o seu território histórico está dividido entre a Comunidade Foral de Navarra, que forma parte de Espanha, e o departamento de Pirenéus-Atlânticos, em França, a que pertence o território da antiga Baixa Navarra. Na época etapa de maior expansão territorial, durante a Idade Média, este reino abarcou territórios atlânticos e expandiu-se para além do rio Ebro, até zonas situadas nas actuais comunidades autónomas de Aragão, Cantábria, Castela e Leão, La Rioja, País Basco e as regiões administrativas francesas de Aquitânia e Midi-Pirenéus, nas antigas províncias de Gasconha e Occitânia. As capitais bascas de Vitoria e San Sebastián foram fundadas pelo rei navarro Sancho VI, o Sábio.

História[editar | editar código-fonte]

Enquanto reino, Navarra surgiu no século IX, durante a Reconquista cristã. Em 1234, a dinastia inicial dos reis de Navarra foi substituída pelos Condes de Champagne. Em 1284 o casamento de Joana I de Navarra com o rei Filipe IV de França causou uma união pessoal entre os dois países que iria durar até 1328. A herdeira das duas coroas era Joana II, filha de Luís X de França, mas como em França vigorava a lei sálica, este país foi herdado por Filipe V, o comprido. Navarra recuperou a independência sob Filipe de Evreux, casado com Joana II.

Arrano Beltza, símbolo de Navarra durante os tempos de Sancho III

Os descendentes de Sancho III exerciam o seu poder nos actuais Navarra e País Basco, que posteriormente passariam a integrar o Reino de Castela, e a norte dos Pirenéus a Baixa Navarra, que actualmente é parte de França.

No século XV o casamento da Rainha Branca I de Navarra com João II de Aragão, provocou a união das duas coroas, separadas na geração seguinte por Leonor I, filha do casal. Depois de mais de uma década de instabilidade dinástica o trono de Navarra é adquirido por João, Duque de Albret, casado com a rainha Catarina. Durante este período, Albret envolveu-se numa disputa de sucessão com o rei de Aragão, Fernando II. A guerra terminou em 1512 com a derrota de Albret e, em consequência, Navarra perdeu todos os seus territórios a sul dos Pirenéus que foram incorporados em Espanha. A neta de Albret, Joana III casou com Antoine de Bourbon, o Duque de Vendôme, relacionado com a família real francesa. Em 1589, depois da morte sem sucessão de todos os filhos de Henrique II de França e Catarina de Médici, é Henrique de Bourbon, Rei de Navarra, que sobe ao trono francês como Henrique IV. A partir de então, França e Navarra formam nova união pessoal, até 1620, quando Navarra é oficialmente anexada à coroa francesa.

O brasão do Reino de Navarra e Aragão, antes da união das coroas.
O brasão do Reino de Navarra e Aragão, depois da união das coroas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Série
História de Espanha
Espanha na Pré-História
Espanha pré-romana
Hispânia
Visigodos e Suevos
Domínio árabe e a Reconquista
A Reconquista e o Reino das Astúrias
Reinos de Leão, Castela, Aragão e Navarra
Dinastia de Borgonha
Dinastia de Trastâmara
Reis Católicos
Descobrimentos
Guerra da Sucessão Espanhola
Guerra Peninsular
Governo de Fernando VII
Guerras Carlistas
Revolução de 1868 e Sexênio Revolucionário
Dinastia de Saboia
Primeira República
Restauração Bourbônica
Ditadura de Primo de Rivera
Segunda República Espanhola
Guerra Civil
Franquismo
Transição Espanhola
Reinos cristãos da Península Ibérica
Astúrias
Reis e Rainhas
Leão
Reis e Rainhas
Castela
Reis e Rainhas
Galiza
Reis e Rainhas
Navarra
Reis e Rainhas
Aragão
Reis e Rainhas
Espanha
Reis e Rainhas
Portugal
Reis e Rainhas
Ícone de esboço Este artigo sobre História da Espanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.