Relações exteriores da Transnístria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O status disputado da Transnístria surgiu entre a declaração unilateral de independência transnistriana em 2 de setembro de 1990, que não foi reconhecida pela Moldávia, e por outros países e organizações internacionais.

Moldávia perdeu controle da Transnístria no fim de 1990 da República Socialista da Moldávia e a subseqüente Guerra da Transnístria, mas nunca formalmente cedeu território. Além disso, a PMR (abreviação de República Moldávia Transnistriana em russo), que possui controle sob a região, não foi reconhecida (exceto por Abecásia, Ossétia do Sul e Alto Carabaque,[1] três outros países não-reconhecidos pós-soviéticos), e é de jure considerada parte da Moldávia.

Os dois principais partidos políticos na Transnístria, Partido Republicano (Respublikanskaya Partiya Pridnestroviya) e Renovação (Obnovleniye) se opõem a qualquer transferência de soberania à Moldávia. O Partido Social-Democrata, liderado por Alexander Radchenko éo único partido funcionando na região a favor da reintegração. Entretanto, negociações através da OSCE têm continuado desde 1997 baseadas na premissa de que melhores relações são desejáveis, e que as restrições em comunicações, movimento de pessoas, e fluxo de comércio and devem ser removidas.

Na Moldávia, a reivindicação territorial da Transnístria aparece um tanto abaixo nas prioridadese não é uma preocupação aos votantes. Em contraste, os transnistrianos desejam fortemente sua independência.[2]

Referências