Religião na Tunísia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Mesquita em Kairouan, Tunísia.
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Religião na Tunísia

O islão é de longe a religião dominante na Tunísia; 99% dos tunisinos são muçulmanos. Minorias religiosas incluem o cristianismo (25000 seguidores), o judaísmo (1500 seguidores), e a fé bahá'í (200 seguidores). A Constituição da Tunísia concede a liberdade de religião, a menos que não perturbe a ordem pública; no entanto, o governo impõe algumas restrições sobre esse direito.

Crença[editar | editar código-fonte]

Islamismo[editar | editar código-fonte]

Noventa e nove por cento dos tunisinos são muçulmanos.[1] A maior parte deles são sunitas pertencentes aos madhhab maliquitas, mas um pequeno número de ibadhi muçulmanos (carijitas) continuam a existir entre os berberes-falantes da ilha de Djerba. Existe uma pequena comunidade muçulmana indígena sufi; No entanto, não existem estatísticas relativas ao seu tamanho. Informações fidedignas referem que muitos sufis deixaram o país logo após a independência quando os seus terrenos e edifícios religiosos foram revertidos para o governo (o mesmo que as fundações Ortodoxas Islâmicas). Ainda que a comunidade sufi seja pequena, a sua tradição de misticismo permeia a prática do islão por todo o país. Existe uma pequena comunidade muçulmana indígena marabútica que pertence a irmandade espiritual conhecida como "Turuq".[1]

Cristianismo[editar | editar código-fonte]

A comunidade cristã, composta por residentes estrangeiros e um pequeno grupo de nativos de ascendência árabe ou europeia, numeram 25.000 fieis e se dispersa ao longo de todo o país.[1] Existem 20.000 católicos, 500 dos quais pratica regularmente.[1] A Igreja Católica Romana na Tunísia, que constitue a Arquidiocese de Tunis, opera 12 igrejas, 9 escolas, diversas bibliotecas, e 2 clínicas.[1] Além das propriedades de serviços religiosos, a Igreja Católica abriu um mosteiro, são organizadas atividades culturais e caritativas livremente, com trabalho realizado por todo o país.[1] De acordo com os líderes da Igreja, existem 2,000 cristãos protestantes, incluindo algumas centenas de cidadãos que tenham se convertido ao cristianismo.[1] A Igreja Ortodoxa Russa tem aproximadamente 100 membros praticantes e opera uma igreja em Tunis e outra em Bizerte.[1] A Igreja Reformada Francesa mantém uma igreja em Tunis, com uma congregação de 140 membros principalmente estrangeiros.[1] A Igreja Anglicana tem uma igreja em Tunis predominantemente estrangeira com várias centenas de membros.[1] Existem 50 Adventistas do Sétimo Dia.[1] Os 30 membros da Igreja Ortodoxa Grega que mantêm 3 igrejas (em Tunis, Sousse, e Djerba).[1] Existem também 50 Testemunhas de Jeová, dos quais metade são estrangeiros residentes e metade são nativos.[1] Ocasionalmente, grupos religiosos católicos e protestantes realizam serviços em residências privadas ou outros lugares. .[1]

Outras religiões[editar | editar código-fonte]

O judaísmo é a terceira maior religião do país com 1500 membros.[1] Um terço da população judaica vive na capital e em torno, e é predominantemente descendentes de imigrantes italianos e espanhóis.[1] O restante vive na ilha de Djerba, onde a comunidade judaica remonta 2500 anos.[1]

Existem 200 Baha'is no país, e sua presença remonta um século.[1]

Liberdade de religião[editar | editar código-fonte]

A Constituição da Tunísia concede a liberdade de religião, a menos que não perturbe a ordem pública; no entanto, o governo impõe algumas restrições sobre esse direito.[1] A constituição declara a determinação do país a aderir aos ensinamentos do islão e estipula que o islão é a religião oficial do Estado e que o Presidente deve ser muçulmano.[1] O Governo não permite a criação de partidos políticos na base de religião e proíbe os esforços no sentido de proselitismos muçulmanos.[1] Ele restringe o uso do lenço islâmico (hijab) nos gabinetes governamentais, e desencoraja as mulheres de usarem o hijab em via pública e em certas reuniões públicas.[1] Embora mudança de religiões ser legal, existe uma grande pressão da sociedade contra a conversão de muçulmanos a outras religiões.[1]

O governo permite a um pequeno número de estrangeiros religiosos caridosos organizações não-governamentais (ONGs) para operar e prestar serviços sociais.[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x International Religious Freedom Report 2007: Tunisia. Estados Unidos, Agência da Democracia, Direitos Humanos e do Trabalho (14 de setembro, 2007). Este artigo incorpora textos a partir desta fonte, o que é do domínio público.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]