Religião no Império Otomano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

Durante os primeiros séculos de controle sobre os Balcãs pelo Império Otomano, a população cristã, e especialmente cristãos ortodoxos (que não estavam sob a proteção de um Grande Poder deste tempo, como eram os católicos,[1] [2] até o crescimento do Império Russo[1] [2] ), comandou vários degraus de tolerância, ambos dos locais das autorias Otomanas e do Sultão.

O Império Otomano era, em princípio, tolerante aos cristãos e judeus, mas não pelos politeístas, em conformidade com a Lei de Sharia. As conversões obrigatórias são contra a lei de Sharia, e não eram uma prática normal, então não eram praticadas. Apesar dessas situações serem antigas desde a época da formação do Império Otomano, eram tolerâncias otomanas que foram, particularmente, úteis comparadas pela situação contemporânea na Europa.

Referências

  1. a b The Middle East Today, Don Peretz, 1971, p.79
  2. a b Randall Lesaffer, 2004, p.357, Agosto de 2008
Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.