Renata Sorrah

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde outubro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Renata Sorrah
Nome completo Renata Leonardo Pereira Sochaczewski
Nascimento 21 de fevereiro de 1947 (67 anos)
Rio de Janeiro, RJ
 Brasil
Ocupação atriz
Outros prêmios
Troféu Imprensa de Melhor Atriz
2005 - Senhora do Destino
IMDb: (inglês)


Renata Sorrah, nome artístico de Renata Leonardo Pereira Sochaczewski (Rio de Janeiro, 21 de fevereiro de 1947), é uma atriz de teatro, cinema e televisão e produtora teatral brasileira. Embora seja mais conhecida pelo grande público por seus trabalhos nas telenovelas da TV Globo, onde eternizou grandes personagens femininas, ela atua no teatro nacional há mais de 40 anos e especializou-se sobretudo na interpretação dramática.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de Míriam Leonardo Pereira e de Peter Sochaczewski, Renata foi para Los Angeles, nos Estados Unidos, em 1964, num programa de intercâmbio cultural, o AFS, e lá entrou para um curso de arte dramática e continuou os estudos básicos. À época, a Califórnia vivia o auge do movimento hippie que, num processo radical de mudança, lutava pela ampla liberdade de expressão e pelo direito de cada um exercer a sua sexualidade sem culpa. Isso influenciou seu estilo e ela passou a ter ideias mais modernas, até utilizadas em seu curso.

Como parte do curso, participou do elenco da peça Dura lex sed lex, de Oduvaldo Vianna Filho, na qual teve oportunidade de desempenhar vários papéis.

Ao retornar ao Brasil, em 1967, encontrou o meio teatral influenciado pelas ideias do movimento hippie. Embora não tenha sido ela própria uma hippie, adotou o visual dos integrantes do movimento e viajava seguidamente à praia de Arembepe, na Bahia, que era o lugar preferido dos hippies à época. Lá se reunia com amigos, trocava ideias e as aplicava nas produções de teatro que fazia ou participava.

Neste período, cursou Psicologia, mas não chegou a se graduar, e ingressou no TUCA (Teatro Universitário Católico). Desde então, o teatro, onde alia ao seu trabalho de atriz às funções de produtora, é sua paixão. Costuma dizer: "O palco é o meu prazer, como se nele eu soubesse mais que na vida ".

Renata é tia dos atores Deborah Evelyn e Carlos Evelyn, filhos da sua irmã mais velha Suzana. A atriz tem ainda um irmão mais velho chamado Antônio Cláudio. Foi casada com os atores Carlos Vereza, com o diretor Euclydes Marinho e Marcos Paulo, pai da sua única filha, Mariana. Teve também muitos namorados, entre eles os atores André Gonçalves, Roberto Bonfim e Paulo Coelho. É avó, e Marcos Paulo avô, de um menino chamado Miguel, nascido no Rio de Janeiro, em 4 de novembro de 2009.[2] e também avós de Betina, nascida no Rio de Janeiro, em 28 de maio de 2012.[3]

Vida profissional[editar | editar código-fonte]

Sua primeira aparição na televisão foi em 1969, na Rede Tupi, na telenovela Um Gosto Amargo de Festa. Em 1970 Dias Gomes chamou-a para seu primeiro papel na Rede Globo, na telenovela Assim na Terra Como no Céu. Seguiram-se outros sucessos que contribuíram para sua carreira como Gabriela, O Casarão, Brilhante, Roda de Fogo, Vale Tudo, Rainha da Sucata, Pedra Sobre Pedra, A Indomada, Senhora do Destino, Duas Caras e Fina Estampa.

A atriz fez uma participação especial no clipe de "O Segundo Sol", de Cássia Eller, em 1999.

Em 1988 Renata consagrou-se com um de seus personagens mais marcantes nas telenovelas, o da alcoólatra Heleninha Roitman, em Vale Tudo. Filha da vilã sem escrúpulos Odete Roittman, personagem de Beatriz Segall, Heleninha culpava-se pela morte do irmão num acidente de carro em que ela supostamente estava dirigindo. O álcool foi a válvula de escape, mas destruiu seu casamento e foi o responsável por inúmeros escândalos e barracos que a personagem proporcionou durante os oito meses em que a novela foi ar. No final, descobre-se que sua mãe, Odete, é quem dirigia o carro no acidente que matou o irmão de Heleninha e deixou a filha pensando ser a culpada. A personagem fez tanto sucesso que mesmo vinte anos depois o nome "Heleninha" ainda é sinônimo, para vários grupos de pessoas, de pessoa alcoolizada.

Em 2004 Renata interpretou a inesquecível e cruel vilã Nazaré Tedesco em Senhora do Destino; entre outras maldades da personagem: O sequestro de Lindalva/Isabel (Carolina Dieckmann), o assassinato de seu marido Zé Carlos (Tarcísio Meira), de um amante e de Djenane (Elizângela), além de atormentar a vida de sua enteada Cláudia (Leandra Leal). No final, Nazaré se atirou de uma ponte na cidade de Paulo Afonso, na Bahia, a uma altura de 90 metros. Foi uma das maiores vilãs de todos os tempos, tamanho nível de maldade, e a Renata foi muito premiada e aplaudida, tendo sua personagem também um lado além de muito perverso, engraçado, pois colocava apelidos nos outros e nela mesma, como "gostusuda" e "delícia ambulante".

Por seu papel como Nazaré, Renata recusou o papel dado a ela por Manoel Carlos para interpretar outra vilã, a Marta na telenovela Páginas da Vida. Renata alegou que não fazia sentido interpretar outra vilã depois de ter dado vida a Nazaré há tão pouco tempo. Manoel, por sua vez, não deixou Renata de fora, deu a ela outro papel, a promotora Teresa, que apareceu na segunda fase da novela. O papel de Marta ficou com a atriz Lília Cabral, que foi muito elogiada e aclamada pela crítica e pelo público, inclusive foi indicada ao Emmy internacional, na categoria Melhor Atriz.

A atriz já atuou em cerca de vinte peças. Dentre as quais Os Veranistas, de Máximo Gorki, Festa de Aniversário, de Harold Pinter, A Gaivota, de Anton Tchekhov, Afinal Uma Mulher de Negócios, de Rainer Fassbinder (Prêmio Moliére de Melhor Atriz), Mary Stuart de Schiller e em 2010 Macbeth de William Shakespeare.[4]

Em 2014, interpreta a vilã Gláucia na novela das sete, Geração Brasil. [5]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Títilo Papel
1970 Assim na Terra como no Céu Nívea
1971 O Cafona Malu
A Próxima Atração Madalena
1972 O Primeiro Amor Mariana
1973 Os Ossos do Barão Lourdes
Cavalo de Aço Camila
1974 Corrida do Ouro Patrícia
1976 O Casarão Carolina Bastos (Lina)
1978 Sinal de Alerta Selma
1980 Chega Mais Lúcia
1981 Brilhante Leonor
1983 Guerra dos Sexos Blanche Paes Leme
1984 Transas e Caretas Sofia
1985 Tudo em Cima Lana Cardoso
1986 Roda de Fogo Carolina Villar
1988 Vale Tudo Helena Roitman (Heleninha)
1990 A, E, I, O... Urca Olga Luísa
Rainha da Sucata Mariana Szymanski
1992 Pedra sobre Pedra Pilar Batista
1994 Pátria Minha Natália Proença
1997 A Indomada Zenilda de Holanda
1999 Andando nas Nuvens Condessa Eva Montana Astrid Van Brandenburg
2001 Um Anjo Caiu do Céu Natália (Naná) Shirley
2002 Desejos de Mulher Rachel
2003 Celebridade Dora Lima
2004 Senhora do Destino Nazaré Tedesco
2006 Páginas da Vida Tereza Junqueira de Figueiredo
2007 Duas Caras Célia Mara
2011 Fina Estampa Danielle Fraser
2013 Saramandaia Leocádia Viana
2014 Geração Brasil Gláucia Beatriz Pacheco Marra [6]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Títilo
1968 Vida provisória
1969 Matou a família e foi ao cinema
1970 Cuidado, madame
1971 Lua de mel & amendoim
1977 O velho Gregório
1985 Avaeté - semente da vingança
1995 O Mandarim
1996 Metal guru (curta-metragem)
1997 O bote (curta-metragem)
2002 Madame Satã
Furos no sofá (curta-metragem)
2004 A dona da história
Nina
2006 Árido Movie

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Macbeth
  • Um dia, no verão
  • Medéia
  • Jantar entre amigos
  • Mais perto
  • As três irmãs
  • Noite de reis
  • Mary Stuart
  • Shirley Valentine
  • Encontrar-se
  • Grande e pequeno
  • As lágrimas amargas de Petra von Kant
  • Os veranistas
  • Afinal, uma mulher de negócio
  • A gaivota
  • É...
  • Vagas para moças de fino trato
  • Antígona, de Sófocles
  • Festa de aniversário
  • Trágico acidente destronou Teresa
  • Capeta em Caruaru
  • Coronel de Macambira
  • Dura lex sed lex
  • Esta criança (2012)

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Título Resultado
1970 Troféu Imprensa Melhor revelação feminina Assim na Terra como no Céu Venceu
1976 Troféu APCA Melhor atriz O Casarão Venceu
1997 Prêmio Contigo Participação especial feminina A Indomada Venceu
2003 Grande Prêmio Cinema Brasil Melhor atriz coadjuvante Madame Satã Indicado
2004 Troféu Imprensa Melhor atriz Senhora do Destino Venceu
2004 Troféu Internet Melhor atriz Venceu
2004 Prêmio APCA Melhor atriz Venceu
2004 Prêmio Contigo! Melhor atriz Venceu
2004 Melhores e Piores - TV Press Melhor atriz Venceu
2004 Prêmio PopTevê Melhor atriz Venceu
2004 Melhores do Ano Melhor atriz Indicado
2004 Prêmio Extra de Televisão Melhor atriz Indicado
2007 Prêmio QUEM Melhor atriz de teatro Um Dia, no Verão Venceu

Referências

  1. Enciclopédia Itaú Cultural Teatro (13 de dezembro de 2010). Sorrah, Renata (1947) - Itaúl Cultural. Página visitada em 24 de fevereiro, 2012.
  2. Tecontei (6 de novembro de 2007). Nasce o neto de Marcos Paulo e Renata Sorrah. Página visitada em 16 de outubro de 2012.
  3. [[1]]
  4. Milena Emilião (25 de junho de 2010). Daniel Dantas e Renata Sorrah levam "Macbeth" ao Sesc Pinheiros. Guia da Folha.com acessodata=16 de outubro de 2012. Página visitada em 22 de maio de 2011.
  5. GShow (25 de abril de 2014). Renata Sorrah vive picareta e torce: 'Tomara que seja uma vilã amada como a Nazaré'. Extras - Geração Brasil. Página visitada em 25 de abril de 2014.
  6. Gshow (5 de maio de 2014). Gláucia Beatriz Pacheco Marra - Personagens - Geração Brasil. Personagens > Geração Brasil. Página visitada em 30 de maio de 2014.
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Renata Sorrah

Ligações externas[editar | editar código-fonte]